O Tribunal de Contas do Estado (TCE) aprovou nesta quinta-feira (27), com ressalvas, as contas de 2012 da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), na gestão do ex-presidente Marcelo Nilo (PSL). O placar foi de cinco votos pela aprovação. Apenas a relatora do processo, conselheira Carolina Costa, optou pela rejeição. Nilo, entretanto, afirmou não entender o voto de Carolina. “Tenho plena certeza de que cumpri todas as recomendações e TACs que me foram pedidos. Não entendi o voto dissonante, mas o importante que vencemos essa”, disse. Pela primeira vez, o deputado acompanhou a votação das contas.


Barragem no povoado Vitória está seca, apesar do tempo frio. Foto/Blog Itiruçu Online.

Há quase 20 anos não se vive um clima de inverno tão rigoroso em Itiruçu, conforme relatos de moradores da cidade. “Há muito tempo não sentimos esse frio e temos as ruas pegando limo por causa da neblina fria de inverno. Bons tempos de volta”, relata o Sr. Antonio Tavares.

 

A cidade registra as mais baixas temperaturas dos últimos 30 anos, com registros de 8ºC e sensações ainda menores nas madrugas. Mas o clima que agrada quem mora na sede do município, não deixa nada feliz os ruralistas: a seca ainda castiga e é grande a escassez de água.

 

Grandes mananciais atingidos pela seca dos últimos anos, considerada a mais abrasiva do meio século, estão vazios. Comunidades que possuíam grandes mananciais para uso da agricultura, hoje estão mudando a cultura de plantios exatamente por não manter a capacidade de acumularem água para o maior período do ano.

 

Nos últimos 16 anos, todas as administrações que administram o município mantiveram o decreto de emergência em decorrência dos efeitos da longa estiagem.  O município ganhou destaque nacional a partir de uma matéria feita pelo Itiruçu Online, que exibiu a história de um criador de gado, obrigado a colocar as cabeças das vacas mortas na cerca; todas vítimas da seca. Assista aqui.

 

Em 2017 à situação, embora esteja com paisagens verdes, à escassez de água continua forte. Um das barragens mais antiga e usada por mais de 300 famílias está seca desde o ano de 2008, no Povoado Vitória. Outras represas também receberam água das chuvas, mas não acumularam o suficiente para permanecer cheia. A crise hídrica é uma triste realidade no município de Itiruçu e cidades vizinhas.

 

Ações do município

 

Na de efetivo foi feito com recursos próprios para auxiliar os agricultores, apenas o uso de programas federais para doação de sementes, que foram pouco usadas exatamente pela falta de chuvas. A agricultura continua dormindo e aparecendo em épocas de de ações do governo federal e esclarecendo os produtores que bancos são fontes financiadoras da agricultura.


Após a notícia do início do abate de jegues para consumo humano na cidade de Amargosa nesta última quarta-feira (26/07), o deputado estadual Marcell Moraes (PV) rechaçou a prática e prometeu entrar no Ministério Público. O parlamentar já agendou visita ao município para protestar pessoalmente contra o que chama de “extermínio de animais indefeso”.

A produção que terá como alvo a exportação para China, pode gerar a extinção do animal símbolo da região Nordeste. “Iniciaram a matança desses animais sem apresentação de nenhum estudo de impacto ambiental. Nos últimos 10 anos, sem intervenção para o abate, essa população de jumentos está caindo. Imagina se simplesmente começarmos a abatê-los? Espero que o governador Rui Costa seja coerente e sensível a causa animal e reverta essa situação”, enfatizou o ambientalista.

O parlamentar se mostrou preocupado ainda com a falta de controle adequado de doenças em jumentos. “Esses animais possuem a capacidade de ter algumas doenças que muitas vezes nem apresentam sintomas. Não há comprovação alguma sobre os riscos sanitários do consumo dessa carne e muito me admira o início da produção sem um amplo estudo que descarte todos os riscos de contaminação e transmissão de zoonoses”, explicou.

Em julho do ano passado, o Ministério Público da Bahia determinou que dois frigoríficos localizados na cidade baiana de Miguel Calmon encerrassem o abate de jegues, equídeos, mulas, jumentos e quaisquer outros animais do gênero, sob pena de responsabilização civil, administrativa e criminal.

A recomendação do promotor de justiça Pablo Antônio Cordeiro de Almeida, obrigou as empresas responsáveis pela criação dos animais a apresentarem as guias de trânsito e os exames sanitários relativos aos jegues custodiados nas dependências dos frigoríficos, além comprovarem com laudos técnicos que o manejo dos animais, bem como a planta frigorífica, não causam danos ou maus-tratos aos equinos. *ASCOM do deputado


Os estudantes do 2º ano do Ensino Médio do Colégio Estadual Ana Lúcia Castelo Branco, localizado em Brejões, no Centro-Sul baiano, apresentaram projetos de esporte e lazer na Câmara de Vereadores do município. Os projetos e propostas foram desenvolvidos pelos alunos em sala de aula para a disciplina de Educação Física, com o objetivo de fomentar novas possibilidades de práticas esportivas.

Segundo a professora de Educação Física, Elma Bispo dos Santos, cada uma das cinco equipes construiu um projeto que beneficiasse a comunidade. “Os projetos foram bem recebidos pelos vereadores, que se surpreenderam com as propostas. Isso mostra que não devemos subestimar os nossos alunos, porque eles têm muito a oferecer”, destaca a educadora.

Para Vanessa dos Santos, 16, participar da elaboração de propostas de melhorias para sua cidade foi muito estimulante. “Minha equipe propôs a construção do Clube de Brejões Ana Lúcia, para disponibilizar à população um local adequado para o desenvolvimento de atividades recreativas como aulas de dança, capoeira, natação e palestras, como por exemplo, sobre educação de trânsito”, informa a estudante.

Charles Sales dos Santos, 17, conta que gostou muito da experiência de mostrar o projeto de sua equipe para os vereadores do município. “Tivemos a ideia de contemplar os moradores da comunidade de Alecrim, que fica localizado aqui na cidade, com um ginásio de esportes para que pessoas de todas as idades possam participar de diversas modalidades esportivas e eventos”, afirma entusiasmado.


Mais um reforço na área de infraestrutura foi garantido para o município de Aiquara, no centro oeste baiano. Em visita à cidade, nesta quinta-feira (27), o governador Rui Costa assinou a ordem de serviço para restauração e pavimentação da rodovia BA-647, no trecho do entroncamento com a BR-330, no distrito de Palmeirinha. Com um investimento de R$ 6,4 milhões, a rodovia vai beneficiar 86 mil habitantes da região, com um tráfego diário de mais de mil veículos.

“Autorizei a obra e as máquinas já estão aqui para começar o trabalho. Um investimento de mais de R$ 6 milhões, que vai garantir conforto, segurança e dignidade para a população, além de desenvolvimento e um melhor escoamento da produção da região”, destacou Rui, que revelou a assinatura de um convênio com o município, para o calçamento de ruas, no valor de R$ 500 mil. Uma quadra coberta na cidade também foi anunciada.

A obra na rodovia, com extensão de 13 quilômetros, vai beneficiar também outras três cidades: Itagi, Itajuru e Itagibá. Para o caminhoneiro Cleiton Nascimento, que passa pela BA-647 com frequência, a obra vai ter um impacto grande na segurança dos motoristas. “Estou muito feliz com a notícia desta obra. Vai ser muito bem vinda, sem dúvida, e vai melhorar muito as condições aqui e ajudar a evitar acidentes. Era uma reforma que a gente estava precisando. A via vai ficar mais rápida e mais segura”, afirmou.

Na ocasião, o governador ainda autorizou a Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR) a celebrar mais de R$ 300 mil em convênios para a recuperação de uma Unidade de Beneficiamento de Mandioca da Comunidade de Palmeirinha, a aquisição de equipamentos para beneficiamento da mandioca e instalação de três unidades de multiplicação de mudas de Mandioca, que também vão beneficiar as comunidades de Maravilha e Piaus.

Ao final da solenidade, Rui também visitou o Colégio Estadual Luis Eduardo Magalhães. Acompanharam o governador nos eventos em Aiquara os secretários da Infraestrutura (Seinfra), Marcus Cavalcanti, e da SDR, Jerônimo Rodrigues. Pela tarde, Rui Costa visitará o município de Itabuna, no sul do estado, onde lança o projeto Escolas Culturais, com o objetivo de promover o protagonismo estudantil e a valorização da cultura territorial.


 

 

Seis pessoas morreram em uma batida frontal entre dois carros, por volta das 10h desta quinta-feira (27), na BR-324. De acordo com informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o acidente ocorreu no KM-465 da rodovia, trecho da cidade de Tanquinho, a cerca de 161 km de Salvador.
Conforme a PRF, a batida envolveu um um Fiat Uno e um GM/ Vectra. Os veículos ficaram destruídos. Quatro das vítimas estavam no GM/ Vectra. Ainda não foi confirmado se as outras duas vítimas estavam no Uno. Os corpos serão encaminhados para o Departamento de Polícia Técnica de Feira de Santana, onde serão periciados.

Após a batida, o trânsito ficou congestionado no trecho da rodovia. Policiais rodoviários foram deslocados para atender a ocorrência. A polícia ainda não tem informações sobre as circunstâncias do acidente ainda não estavam confirmadas. Não há detalhes sobre a identidade das vítimas. Informações do G1.


O governo do presidente Michel Temer foi considerado ruim ou péssimo por 70% da população, de acordo com a pesquisa CNI/Ibope. Já 5% consideram ótimo ou bom, 21% regular e 3% não sabem ou não responderam. O levantamento foi divulgado hoje (27) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

A pesquisa CNI-Ibope do segundo trimestre de 2017 foi realizada entre 13 e 16 de julho, com 2 mil pessoas em 125 municípios e revela a avaliação dos brasileiros sobre o desempenho do governo federal. No último levantamento, divulgado em março, 10% dos entrevistados avaliaram o governo como ótimo ou bom, 31% como regular, 55% como ruim ou péssimo e 4% não souberam ou não responderam.

A margem de erro da pesquisa é de 2% e o nível de confiança utilizado é de 95%.

A popularidade do presidente Michel Temer caiu a seu nível mais baixo. Segundo a CNI, o nível de pessoas que avaliam o governo como ótimo ou bom é o pior desde o final do governo de José Sarney, em julho de 1989, que foi de 7%. “Dentro da margem de erro é tão pior quanto Sarney”, disse o gerente executivo de Pesquisa e Competitividade da CNI, Renato da Fonseca. “Em termos de ruim ou péssimo, está igual a avaliação da presidente Dilma próximo do impeachment, 70%”, disse.

Segundo a pesquisa CNI-Ibope, o percentual dos entrevistados que confiam em Temer caiu de 17%, em março, para 10%, em julho. Já 87% não confiam no presidente; na última avaliação, esse percentual era de 79%. O nível de pessoas que desaprova a maneira do presidente Temer governar também subiu de 73% para 83%. Entre os que aprovam a maneira de governar, eram 20% em março, agora são apenas 11%.

Para Fonseca, a crise econômica teve um peso muito forte na avaliação ruim do presidente, aliada à intensificação da crise política após a delação premiada dos executivos da JBS. “O desemprego continua elevado e, por mais que a inflação esteja caindo, as pessoas não percebem a queda nos preços, porque com inflação menor, os preços continuam subindo, só que menos”, ressaltou.
“A popularidade já era baixa em razão da crise econômica, mas tinha grande parte da população acreditando na retomada, na continuidade das reformas e que a solução estaria próxima. Na medida que a crise política se intensifica, você começa a gerar dúvidas nessas soluções e isso fez com que a popularidade caísse esse montante”, disse o gerente executivo da CNI.

Áreas de atuação

A queda na provação do governo Temer alcança todas as nove áreas de atuação avaliadas na pesquisa. A área com pior avaliação é impostos, com 87% de desaprovação e 9% de aprovação. “Cabe ressaltar que a pesquisa foi realizada antes do aumento no PIS-Cofins sobre combustíveis”, informou a CNI.

A saúde foi a segunda área pior avaliada com 85% de desaprovação e 13% de aprovação. Taxa de juros conta com 84% de desaprovação e 11% de aprovação. Segurança pública e combate ao desemprego também registraram percentuais de desaprovação superiores a 80%.

Perspectiva

As perspectivas para o tempo restante do governo também não são positivas, segundo a CNI. Para 65% dos entrevistados, o restante do governo será ruim ou péssimo, para 22% será regular e para 9% será ótimo ou bom.

Para 52% dos entrevistados, o governo Temer está sendo pior que o governo da presidente Dilma Rousseff. Em março, esse índice era de 41%. Já 11% acham que o governo Temer está sendo melhor e 35% consideram igual ao governo Dilma.

Para Fonseca, a recuperação econômica pode ajudar a aumentar a popularidade. “Ontem teve a redução de juros novamente pelo Banco Central e a economia vai começar a responder a esses juros menores. À medida que a população perceber efetivamente, ou seja, que o emprego voltar a crescer e que a rende deixar de ser reduzida pela inflação, vai começar a mudar os índices de popularidade do governo”, disse.

A pesquisa completa está disponível no site da CNI.


Fotos: Camila Peres
A parceria que o Governo da Bahia quer lançar com investidores da China ganhou força a partir de um novo encontro entre o governador Rui Costa e empresários das principais empresas de infraestrutura daquele país. As conversas ocorreram na residência oficial do embaixador Li Jinzhang, em Brasília, nesta última  quarta-feira (26), com os representantes da CREC10, CREC4, ERG, CCCC, Concremat Engenharia, China Minmetals e Bamin.
Rui não hesitou em colocar a Bahia como porta de entrada dos investimentos que a China tem interesse em fazer no país. O atrativo é o tripé já conhecido pelas empresas chinesas – finalização da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), construção do Porto Sul e o minério de ferro. Projetos que serão parte de um consórcio a ser formado pelas empresas interessadas.
Governador Rui Costa se reúne com o embaixador da China, Li Jinzhang e empresários chineses
“Este projeto é o número um na área de infraestrutura. A viabilidade econômica de cada um depende do todo. Por isso, reafirmo o compromisso do Governo da Bahia e o nosso total empenho para o sucesso desta parceria”, afirmou Rui. O cronograma é apertado e o governador baiano quer definir prazo para cada etapa.
O governador assegurou que estará na China em setembro e pretende documentar esta parceria, assinando termo de compromisso. “Que esses investimentos comecem pela Bahia, afinal foi lá que o Brasil nasceu”, acrescentou.
As empresas reafirmaram o interesse na Bahia e querem iniciar as obras em breve. Para o embaixador chinês, a apresentação de Rui foi estratégica. “Este projeto vai estimular o desenvolvimento e beneficiar o povo local”, destacou Li Jinzhang. Também participaram do encontro, representado o governo baiano, os secretários de Desenvolvimento Econômico, Jaques Wagner, da Casa Civil, Bruno Dauster, e de Infraestrutura, Marcus Cavalcanti, além do coordenador de obras estruturantes da Casa Civil, Eracy Lafuente.

Brasília – O procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury, cobrou do ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, a manutenção das fiscalizações de combate ao trabalho escravo e ao trabalho infantil em todo o Brasil. Em reunião realizada nesta quarta-feira (26), marcada a pedido de Fleury, o ministro afirmou só ter recursos garantidos até o mês de agosto. No entanto, comprometeu-se em buscar soluções que assegurem as ações até fim do ano.

No encontro, o procurador-geral também questionou o ministro sobre a suspensão de fiscalizações em outras áreas, como as decorrentes de acidentes de trabalho. Segundo, Fleury, procuradores do Trabalho em vários estados teriam recebido informação de que as Superintendências Regionais do Trabalho estariam praticamente paradas devido ao contingenciamento.

Segundo Ronaldo Fleury, a própria queda do número de regaste de trabalho escravo nos últimos anos se deve à presença marcante do Estado na fiscalização e às multas elevadas impostas aos empregadores. “Os próprios fazendeiros, sabendo que podem ter suas fazendas inspecionadas, já começam se preocupar. Mas, o Estado saindo, naturalmente tende a haver um relaxamento. Isso também poderia ocorrer na indústria, em que há trabalho escravo, por exemplo, por meio da exploração de bolivianos em São Paulo. Eu diria que, em havendo o afastamento do Estado [na fiscalização], nós estaríamos sujeitando a relação do trabalho a terra de ninguém. O Estado não pode sair dessa operação. Se ele sair, todo trabalho feito até agora será perdido, mas volto a dizer que o ministro garantiu que não vai haver paralisação. Espero e conto com isso”, afirmou.

O ministro Ronaldo Nogueira garantiu que as fiscalizações continuarão. “Nós asseguramos ao procurador-geral que o Ministério do Trabalho está trabalhando no sentido de readequar o seu orçamento para que essas ações não sejam paralisadas. São ações importantíssimas. Aquilo que foi realizado até o mês de junho deverá ter continuidade no mês de julho, do mês de agosto, no mês de setembro, outubro, novembro e dezembro, assim como foi planejado”, disse.