A Justiça Federal no Rio de Janeirodeterminou que o governo federal e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) tomem as medidas necessárias para incluir a população de rua de todo o país no censo de 2020. A decisão foi motivada por uma ação movida pela Defensoria Pública da União (DPU). No processo, a DPU alegou na Justiça que o Decreto nº 7.053/2009, editado pela Presidência da República, estabeleceu a política nacional para a população de rua e prevê a realização de uma contagem oficial, no entanto, a medida não foi aplicada até o momento. A norma previu o apoio do IBGE e da antiga Secretaria dos Direitos Humanos, atual Ministério dos Direitos Humanos, para realização do trabalho.

Ao decidir o caso, no dia 17 deste mês, a juíza federal Maria Alice Paim Lyard entendeu que há inércia do Estado em colocar o decreto em prática e determinou que a União e o IBGE tomem as medidas necessárias para incluir a população no censo. “Considerando o longo prazo desde a edição do decreto, entendo que restou caracterizada a inércia prolongada e omissão dos réus, que comprometem o planejamento e efetivação de políticas pública direcionadas à população de rua.” Na ação, a defensoria ressaltou que especialistas na área estimam que a população de rua no pais é de aproximadamente 100 pessoas. A Agência Brasil procurou a assessoria de imprensa do IBGE, mas não conseguiu contato. Na ação, a defesa do instituto informou à Justiça que não tem capacidade operacional para incluir a população no próximo censo.


Vasco e São Paulo são os finalistas da Copa São Paulo de Futebol Júnior, na próxima sexta-feira (25). Os cariocas eliminaram o Corinthians, em disputa de pênaltis, após empate por 2 a 2 no tempo regulamentar na noite desta terça-feira (22). O São Paulo, por outro lado, chegou à sua 11ª decisão de Copinha, após superar o Guarani, na Arena Fonte Luminosa, em Araraquara, por 5 a 2. A final será disputada no estádio do Pacaembu. O jogo é celebrado o aniversário de São Paulo.


O embaixador chinês no Brasil Yang Wanming disse nesta 3ª feira (22.jan.2019) que a China está disposta a motivar suas empresas a participar dos programas de privatizações e de parcerias de investimentos que venham a ser propostas pelo presidente Jair Bolsonaro.  “Pelo trabalho conjunto, acredito que o nosso relacionamento com o novo governo brasileiro, do presidente Jair Bolsonaro, vai beneficiar o desenvolvimento dos 2 povos”, disse o embaixador chinês, após visita ao ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes.

“Temos pressa de fazer a cooperação em todas as áreas. Nas áreas de científica e tecnológica, e na área de defesa, e os intercâmbios na área de defesa, têm obtido um desenvolvimento fluido e saudável, atendendo aos interesses comuns dos 2 países”, completou. Wanming disse que, durante o encontro, Pontes propôs que os 2 países realizem cooperação em ciência e tecnologia para uso civil e militar. O embaixador acrescentou que a parte brasileira ainda não colocou na mesa os projetos específicos para a possível futura cooperação.

“Temos pressa em ver e discutir as propostas que venham a ser feitas pela parte brasileira”, disse. O embaixador chinês disse ser importante “fortalecer a cooperação econômica, comercial, de investimentos em infraestrutura e até de cooperação financeira”. O diplomata visitou o ministro da Economia, Paulo Guedes, na semana passada. De acordo com Yang Wanming, os campos de cooperação são amplos. Abrangem, por exemplo, as áreas digital, de novas energias, de biotecnologia, espacial, de mudanças climáticas e de novos materiais. “A China e o Brasil são grandes economias do mundo. Temos responsabilidade de promover a economia mundial. Não só o desenvolvimento conjunto dos dois países, mas pode contribuir para a prosperidade mundial”, afirmou. (com informações da Agência Brasil)


Para promover a conscientização sobre a importância do cuidado com a saúde mental, a Prefeitura de Jequié, através da Secretaria de Saúde, realizou nesta terça-feira, 22, no Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS AD), no Centro da cidade, uma palestra sobre o tema, como parte da campanha ‘Janeiro Branco’, que tem por finalidade disseminar o conhecimento relacionado à saúde mental por meio de diversas atividades, em uma programação articulada pelos setores de atuação da saúde municipal. Estiveram na ocasião, a coordenadora do CAPS AD, Jéssica Maia; o psicólogo, Jorge Sampaio, que ministrou a palestra; a equipe de profissionais do CAPS AD, e os atendidos pelo Centro.

Ao explanar sobre a importância da saúde mental para a promoção da estabilidade psíquica e emocional, em benefício à qualidade de vida, o psicólogo, Jorge Sampaio, além de levar informações técnicas da área de psicologia contribuiu para um momento de autoanálise e reflexão, um espaço de reconhecimento das emoções, pensamentos e propósitos da vida. Em sequência, foi realizada uma roda de conversa entre o profissional e os atendidos do CAPS AD. Logo depois foi servido um café da manhã, no encerramento da ação.


Segundo relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), a saúde mental é um estado de bem-estar em que o indivíduo percebe suas próprias habilidades, consegue enfrentar as situações estressantes que são comuns nas rotinas diárias e é capaz de ter uma vida ocupacional produtiva. Sendo assim, a campanha ‘Janeiro Branco’ tem como princípio valorizar o equilíbrio mental e alertar sobre o risco de doenças que afetam a qualidade de vida, sendo algumas delas a depressão, a ansiedade e o estresse, entre outras.

“A campanha ‘Janeiro Branco’ foi criada em janeiro de 2014 e é articulada no primeiro mês do ano, por ser um período que motiva as pessoas a realizarem uma autoanálise e reflexão sobre as emoções, pensamentos e propósitos de vida. A campanha tem a missão de difundir conhecimentos sobre a saúde mental e sua importância para o ritmo equilibrado da vida. É preciso falar sobre saúde mental em nosso município e também sobre as doenças que impactam a qualidade de vida, gerando inúmeros transtornos para que possamos identificar e garantir atendimento para todos aqueles que precisam.”, disse o secretário de Saúde, Vítor Lavinsky.


Foto/Blog Itiruçu Online.

Um incêndio ainda com origem desconhecida foi percebido por volta das  8h35 desta terça-feira (22), com origem no segundo andar da loja Via 4, pertencente ao grupo Delms, localizada na Rua Alves Pereira, esquina da rua 21 de abril. Duas viaturas bomba-tanque do 8º Grupamento de Bombeiros Militar estão no local. Os bombeiros  utilizaram duas escadas e máscaras de proteção para chegarem até o andar onde a fumaça se propaga, sendo necessário para terem acesso à área interna que os vidros das janelas fossem quebrados. Um dos bombeiros que trabalha no local informou ao repórter Sérgio Monteiro (Povo FM – 96,3), que até as 9h30 ainda não tinha sido identificadas as chamas em razão do local servir de armazenamento de peças de vestuário, além de possuir uma cozinha. Os bombeiros utilizam cilindros de oxigênio. As demais  instalações da loja foram evacuadas,  com a retirada de todos os funcionários e o perímetro do prédio isolado. Duas pessoas que transitavam pela calçada em frente a loja teriam sido feridas com estilhaços de vidros projetados em face a alta temperatura e a pressão nas janelas localizadas no andar onde teve origem o fogo. Até o momento, os bombeiros continuam no local tentando apagar o fogo. Jequié Repórter.


Em discurso “curto” e “objetivo” como havia anunciado, com duração de 6 minutos e 36 segundos, o presidente Jair Bolsonaro reafirmou hoje (22), no Fórum Econômico Mundial, em Davos na Suíça, os compromissos de campanha. Ele destacou a determinação de abrir a economia, atrair investidores, fazer reformas, diminuir o peso do Estado e combater a corrupção. “Representamos um ponto de inflexão.”
Bolsonaro citou três de seus ministros Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública), Paulo Guedes (Economia) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores). Após o discurso, ele respondeu a perguntas dos organizadores do fórum sobre preservação do meio ambiente e desenvolvimento econômico, combate à corrupção e crescimento da América Latina.

O presidente se comprometeu a colocar o Brasil “no ranking dos 50 melhores países para se fazer negócios”, atrair capital estrangeiro, explorar recursos naturais, fazer as reformas tributária e da Previdência Social, investir em educação, incentivar turismo e manter a sustentabilidade do agronegócio. “Avançar na compatibilização entre a preservação do meio ambiente e da biodiversidade com o necessário desenvolvimento econômico.”

Compatibilização
Bolsonaro enfatizou que o Brasil é “o país que mais preserva o meio ambiente. Nenhum outro país do mundo tem tantas florestas como nós. A agricultura se faz presente em apenas 9% do nosso território e cresce graças a sua tecnologia e à competência do produtor rural. Menos de 20% do nosso solo é dedicado à pecuária”, destacou.

“Essas commodities [produtos primários com cotação internacional], em grande parte, garantem superávit em nossa balança comercial e alimentam boa parte do mundo”, acrescentou o presidente. Ele também assegurou a vontade de “aprofundar” as relações comerciais.


O Ministério Público Federal (MPF) pediu na Justiça Federal o bloqueio de bens do ex-prefeito de Poções, Otto Wagner de Magalhães, acusado de envolvimento em fraudes em licitação e contratos com a empresa Rhumo Prestação De Serviços. De acordo com o Ministério Público Federal, o ex-prefeito Otto Wagner de Magalhães participou do esquema criminoso de desvio de dinheiro público nos exercícios de 2013 a 2014.

Otto Magalhães, foi responsável pela malversação de recursos federais por meio da contratação ilegal e pagamentos indevidos à empresa, acarretando prejuízo ao erário, enriquecimento ilícito, além de violar os princípios legais e constitucionais que regem a administração pública.
De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), o ex-prefeito de Poções, Otto Wagner de Magalhães, e o proprietário da empresa Rhumo, Fagner Almeida Santos, devem ser enquadrados nas sanções previstas na Lei de Improbidade Administrativa, que preveem perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio; ressarcimento integral do dano; suspensão dos direitos políticos; pagamento de multa civil; e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios.

“Com o escopo de implementar a medida constritiva, pugna para que se determine seja oficiado, inaudita altera parte, aos Cartórios de Registro de Imóveis de Poções e Vitória da Conquista, ao Detran, e às instituições financeiras oficiais, para que se proceda à identificação de bens, contas corrente, contas poupança e investimentos existentes em nome dos demandados’, diz o pedido. Os valores dos contratos entre a Prefeitura Municipal de Poções e a Rhumo Prestação de Serviços somam R$ 10.011.796,70 (dez milhões, onze mil setecentos e noventa e seis reais e setenta centavos). Na época, a denuncia foi feita na sede do Ministério Público Federal, em Vitória da Conquista, pelo vereador Davi Soares. Por Portal Poções.


Na noite do último domingo (20), a TV Globo deixou o público confuso com uma interrupção na programação normal no encerramento do “Fantástico”. Como se estivesse sendo hackeada e com cenas dos bastidores, a emissora transmitiu uma série de memes e sátiras de situações muito conhecidas por nós no quadro “Isso a Globo Não Mostra”.

Com o nome de “Isso a Globo não mostra”, a atração usou imagens editadas do acervo da emissora para ironizar o cenário político do país e a própria empresa.

Aqueles que assistiam ao “Show da Vida” na noite deste domingo ficaram surpresos na hora do encerramento do programa. Isso porque ocorreu uma espécie de invasão, deixando o público sem entender NADA!

Durante 5 minutos, cenas dos bastidores da TV Globo foram usadas como memes e até mesmo sátiras da vida real. Trata-se do quadro de humor “Isso a Globo Não Mostra”, uma mistura de “Vídeo Show” e do programa “Tá No Ar”.

Na verdade a ação é uma resposta a uma enxurrada de compartilhamentos de Fakes News nas redes sociais (conteúdos falsos) cobrando que sejam mostrados pela emissora e, também, por correntes políticas que reclamam dos temas de corrupção pautados nos telejornais da TV Globo.

Apoiadores do Governo Bolsonaro espalham diariamente imagens revelando quebra de contrato do governo com a Globo, supostas dívidas e reclamações de notícias envolvendo à família Bolsonaro em caso de corrupção. Isso a Globo não mostra deve aparecer mais vezes na telinha durante à programação.

A transmissão do programa repercutiu fortemente nas redes sociais. Um dos quadros mais compartilhados foi o em que apresentadores de telejornais repetiam exaustivamente os termos “foro privilegiado” e “mudando de assunto”. Era uma referência ao pedido do senador eleito Flávio Bolsonaro de que as investigações sobre o seu ex-assessor Fabrício Queiroz fossem suspensas , pois deveriam ser processadas pelo Supremo Tribunal Federal.

À frente do humor da TV Globo desde o segundo semestre de 2018, o comediante Marcius Melhem comentou o sucesso da atração.
— Fez muito barulho, e isso foi incrível! — afirmou Melhem sobre a repercussão nas redes. — A função do humor é expor questões, provocar e levantar o debate público. Não temos partido e somos críticos a qualquer lado. Mas é óbvio que quem governa, quem domina a máquina pública, está mais exposto, porque está influindo diretamente no dia a dia dos brasileiros — defendeu o comediante.


Com o fim da eleição presidencial de 2018, o grupo de apoio do PT nas redes sociais foi o que sofreu a maior queda relativa e tem hoje apenas 3% (foi de 2,3 milhões para 80 mil interações) de seu auge durante o período eleitoral. O partido pretende se firmar como o principal polo de oposição ao presidente Jair Bolsonaro (PSL).

O monitoramento foi realizado pelo Estadão Dados, do jornal Estado de S.Paulo, utilizando a ferramenta Crowdtangle. O levantamento mostra o engajamento das “bolhas de apoiadores” dos candidatos do último pleito e concluiu que as redes, muito ativas durante período eleitoral, tiveram queda em todos os espectros ideológicos.

O grupo petista já vinha sendo “desafiado”, ainda durante a eleição, pelo terceiro campo político nas redes sociais: o grupo de páginas de esquerda não alinhadas com o PT ou que apoiaram candidatos derrotados no 1.º turno, como Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede).

O estudo ainda deduz que a terceira rede está suplantando a presença do grupo petista como oposição ao governo Bolsonaro e nas críticas ao caso Queiroz. Após o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) apontar movimentações atípicas nas contas do ex-assessor de Flávio Bolsonaro, filho do presidente, grupos pró-Bolsonaro entraram na defensiva e perdem 88% de sua força.

Atualmente, a rede de candidatos derrotados está em ritmo de recuperação pós-eleição, atingindo os mesmos índices da enfraquecida rede de Bolsonaro. Há um empate técnico: 1,69 milhão de interações ante 1,74 milhão dos bolsonaristas, no período após a divulgação de movimentações “atípicas” de Queiroz e Flávio, senador eleito pelo Rio de Janeiro.

Durante o período eleitoral essa terceira rede não chegava nem perto do grupo pró-Bolsonaro, seja em tamanho, volume ou influência.


O deputado federal Afonso Florence (PT-BA) admitiu que o PT está coletando assinaturas para criação Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para aprofundar a investigação do caso do ex-motorista Fabrício Queiroz, que trabalhou até outubro do ano passado para o gabinete do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) na Assembleia Legislativa do Rio. “Estamos convidando todo mundo que luta contra a corrupção. Todo mundo que quer, vamos atrás. O Coaf identificou depósitos feitos numa forma que busca burlar. Valores expressivos. Não houve investigação da PF, da Coaf. O ministro Luiz Fux suspendeu a investigação na primeira instância”, disse. Questionado se iria conversar com parlamentares do DEM e do PSDB, o petista repetiu. “Todo mundo que luta contra a corrupção, vamos atrás”, contou.