Liberada alça de ligação entre a BR-324 e a Avenida Luís Eduardo

ruicosta

A nova alça de ligação da BR 324 com a Avenida Luís Eduardo Magalhães (LEM) oferece uma opção mais rápida para o motorista que chega a Salvador e deseja acessar a Paralela sem ter que passar pela região do Iguatemi. Entregue nesta terça-feira (6) pelo governador Rui Costa, a intervenção faz parte do Programa Mobilidade Salvador, conjunto de obras estruturantes que somam R$ 8 bilhões em investimentos na capital baiana.

luizeduaro

Para quem faz este percurso já pode utilizar o retorno sob o viaduto do largo do Retiro e seguir via LEM para acessar os dois sentidos da Paralela (Centro e Aeroporto) ou a orla, através da Estrada do Curralinho, que liga a Paralela ao Stiep. O condutor que se desloca no sentido inverso, indo da Paralela em direção à BR-324, conta com uma ligação direta entre a LEM e a rodovia desde abril do ano passado. “Essa obra viabiliza a retirada de fluxo de carros e ônibus no ponto mais crítico de Salvador, que é a região do Iguatemi, levando esses veículos à Paralela e Imbuí ou Boca do Rio e Stiep, via Curralinho, tornando mais rápido, inclusive, o trajeto da BR-324 para a Rodoviária”, disse o governador.

10924743_755687914485248_8597452968040344640_n

A ligação facilita ainda a chegada à estação Retiro do Metrô, permitindo o acesso rápido no terminal de integração com o sistema de ônibus coletivos, bem como o trânsito no entorno. A redução no tempo de percurso é de até dez minutos em relação ao acesso atual pela Avenida Barros Reis. A alça possui 518 metros de extensão e incluiu obras de urbanismo, com investimento de R$ 1,8 milhão, executado sob supervisão da Companhia de Transportes do Estado da Bahia (CTB). “São 518 metros que dão uma fluidez ao tráfego nesta região, e as pessoas que vêm da Região Metropolitana de Salvador pela BR-324 ganham em torno de 20 minutos deixando de fazer o percurso tradicional, eliminando cinco semáforos e indo direto para a Paralela”, afirmou o secretário de Desenvolvimento Urbano do Estado, Carlos Martins.


Comentários

Os comentários estão fechados.

Notícias Relacionadas