Itiruçu Online – Aqui Bahia Jornalismo de Qualidade e Responsabilidade Social

Uesb iniciará demissão em massa

UESB1

A Uesb iniciou a demissão de quase 150 servidores que atuam no regime de Prestação de Serviço Temporário (PST). A demissão destes trabalhadores começou ainda no primeiro semestre de 2015 e atinge seu ápice agora com o arrocho no orçamento das Instituições de Ensino Superior imposto pelo Governo Estadual.

A Uesb conta atualmente com cerca de 280 prestadores de serviço. A maioria dividida em setores como o SURTE (Sistema de Rádio e Televisão Educativa) e Uinfor (Unidade Organizacional de Informática). Nestes setores, onde há uma maior  concentração de PSTs, a determinação da Reitoria da Universidade é que reduza para mais da metade o número de funcionários. Nos demais, a redução será menor. Ainda assim, as demissões afetarão todos os setores de serviços da Universidade.

Uma fonte consultada pelo BLOG DA RESENHA GERAL apontou que a medida de austeridade foi forçada pelo Governo do Estado, que alterou a forma de envio da verba de manutenção das universidades baianas. Segundo esta fonte, desde o começo deste ano, todo o recurso que chega à Uesb já tem sua destinação especificada – o que impede a realocação para pagamento da maioria dos funcionários PST, como ocorria anteriormente. Ou seja, a Reitoria não tem mais como decidir quais são as principais carências da Universidade e nela investir – o que, por si só, já representa uma quebra de autonomia da Instituição.

Em contraponto, o Governo protela a realização de novos concursos para técnico e analista universitários – o último ocorreu em junho de 2010. Em consequência, os servidores PST são fundamentais para manter o funcionamento da Universidade. A fonte consultada pelo BRG garantiu que a ocupação de PSTs em alguns setores ultrapassa os 80%. Quando se considera os muitos prestadores de serviços demitidos ao longo de 2015, este dado pode ser ainda maior, apontou a fonte.

Os primeiros prestadores de serviço começaram a ser comunicados da demissão no início desta semana, mas ainda terão o mês de março para trabalhar antes da quebra do vínculo. A fonte apontou que o maior questionamento entre os trabalhadores da Uesb, principalmente os que já tomaram conhecimento da demissão, é: como ficará o funcionamento da Universidade a partir de agora, com pouquíssimos funcionários efetivos e sem poder suprir as vagas com prestadores de serviços?


error: Conteúdo protegido !!