Itiruçu Online – Aqui Bahia Jornalismo de Qualidade e Responsabilidade Social

“Não estamos aqui pra comemorar”, afirma secretário sobre redução de crimes

 Secretário de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), Maurício Barbosa, afirmou que, apesar da redução da crimes no estado nesse semestre, não há o que comemorar. O secretário participou do programa se Liga Bocão, da Itapoan FM, na noite desta quinta-feira (2).

“Não estamos aqui pra comemorar, não se comemora se teve x mortes a mais ou a menos. A intenção nossa sempre é a preservação da vida em todos os aspectos. É diferente de uma situação como o Carnaval, uma operação restrita, que ao término do Carnaval sem uma pessoa morta a gente tem que comemorar. Agora, no contexto usual de um estado grande como é a Bahia, que ainda tem muita morte, muitos assaltos, temos que demonstrar o esforço que a polícia está tendo para a diminuição dessas ocorrências”, afirmou Barbosa.

Ele explicou que a redução ultrapassou a meta estipulada inicialmente pelo Programa Pacto pela Vida, que foi de 6%, registrando 6,8% de decréscimo.

Barbosa também explicou que as áreas mais desassistidas são as mais críticas, onde ocorre mais facilmente a cooptação para o crime.

“A análise pura e simples de aumento e diminuição da criminalidade tem que ser recheada de outros fatores e o desempenho econômico de um estado, de um município reflete muito na tendência da criminalidade”, ressaltou o secretário.

Descriminalização das drogas

O secretário de Segurança falou também sobre a descriminalização das drogas. Segundo Barbosa, esse é um assunto muito polêmico. Ele questionou se seriam liberadas todas as drogas ou só a maconha e a venda seria feita pelo Estado ou ao setor privado. “A maconha, ao meu ver, é uma droga que traz um efeito social controlável, do ponto de vista de se educar e de se combater de uma melhor forma possível como é o tabaco hoje”.

Segundo Barbosa, 80% da movimentação financeira do tráfico no nordeste é a maconha. “Se pensarmos em uma política de prevenção e deesclarecimento a esses usuários estaríamos não tirando totalmente os 80% de faturamento da quadrilha, mas com certeza tiraríamos um grande poder econômico por parte desses traficantes, mas tem que ser muito bem pensava, avaliada, ponderada com outros setores não só da polícia”. Bocão News.


error: Conteúdo protegido !!