A Equipe da Polícia Rodoviária Federal, apreendeu cerca de 930 quilos de cocaína na madrugada desta segunda-feira (14) em Feira de Santana, distante 116 quilômetros de Salvador. Um homem e uma mulher foram presos em flagrante.

O flagrante ocorreu durante fiscalização da PRF de combate a criminalidade no KM 429 da BR 116, após ordem de parada a um veículo I/M.BENZ, do tipo caminhonete baú, conduzido por um homem de 39 anos. Ele estava acompanhado de uma mulher de 23 anos de idade. Durante a fiscalização, os agentes estranharam o comportamento e a história contada pelos ocupantes da caminhonete, e diante das contradições na entrevista decidiram aprofundar a fiscalização no veículo, quando encontraram os 930 tabletes de cocaína escondidos em compartimento oculto em meio a carga de caixas de isopor.

Questionado, o motorista disse que ‘pegou’ o caminhão em Barreiras (BA) e que o destino da carga seria a cidade turística de Valença, no recôncavo baiano.

Diante dos fatos, a droga e os presos foram conduzidos a Delegacia de Polícia Judiciária, para os trâmites legais.

Entre 01 de janeiro e 14 de outubro 2019, a maconha segue liderando o ranking das drogas mais apreendidas pelos PRFs na Bahia. No total, foram 10,1 toneladas de maconha retiradas de circulação, seguida da cocaína (1,3 toneladas) e do crack (103 quilos).


Notas fiscais da empresa Viu Mídia entregues pelo PSL de Minas Gerais à Justiça Eleitoral reforçam a suspeita de caixa dois na campanha do partido em 2018. Os documentos, que integram a prestação de contas da legenda, corroboram dados de uma planilha apreendida pela Polícia Federal na sede da empresa.

O arquivo encontrado pela PF sugere que parte do dinheiro do esquema de candidaturas de laranjas foi desviado e abasteceu, por meio de caixa dois, campanhas de outros candidatos do PSL –entre elas a do presidente Jair Bolsonaro e a de seu hoje ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, como revelou a Folha no último domingo (6). Os dois negam irregularidades. O caixa dois é a movimentação de recursos sem o conhecimento da Justiça Eleitoral e pode ser punido com até cinco anos de prisão.

A planilha apreendida pela PF na Viu Mídia durante a investigação tem oito colunas, entre elas o nome do candidato para o qual o material teria sido realizado, o tipo de material e as quantidades. Nas colunas que tratam de valores, há uma intitulada “NF”, interpretada por investigadores como sendo “nota fiscal”, e outra intitulada “out”, que, ainda segundo policiais, indica pagamento “por fora”.

Aproximadamente 70 nomes de candidatos aparecem na coluna “out”.

Em pesquisa em fontes abertas do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a reportagem localizou dez notas fiscais da Viu Mídia entregues à Justiça pelo PSL, no valor total de R$ 48,4 mil. Esses documentos trazem em seu campo de discriminação materiais e valores que coincidem com os materiais e valores descritos na coluna “NF”. Não há, nos papéis encaminhados à Justiça, registro dos materiais e valores constantes na coluna “out” da planilha apreendida, reforçando o indicativo de caixa dois.

O caso relacionado à campanha de Bolsonaro é ilustrativo: na planilha apreendida, há registro da confecção de 2.000 “laminados” (possivelmente adesivos em papel laminado), com custo total de R$ 5.750, sendo R$ 1.550 na coluna “NF” e R$ 4.200 na “out”.

Nos documentos apresentados pelo PSL-MG em prestação de contas eleitoral, há na nota fiscal de número 2018/65 a descrição da produção de 300 laminados de 50 por 70 centímetros para a campanha de Bolsonaro, ao custo unitário de R$ 2,50, totalizando R$ 750. Já na nota de número 2018/66, há o registro da produção de outros 200 laminados de 50 por 70 centímetros para a campanha do presidente, ao custo unitário de R$ 4, totalizando R$ 800.

A soma, R$ 1.550, é exatamente a mesma da descrita em nome da campanha de Bolsonaro na coluna “NF” da planilha apreendida pela PF. A Viu Mídia foi investigada porque duas das candidatas laranjas declararam à Justiça Eleitoral ter gastado R$ 30 mil na empresa. Na busca e apreensão, a polícia não encontrou nenhum sinal de que a empresa tenha produzido material para Naftali Tamar e Camila Fernandes, duas das acusadas de candidatas de fachada.

“Essa análise demonstra indícios de que os valores pagos para a produção de material gráfico para Naftali e Camila foram utilizados para a produção de material gráfico para outros candidatos do PSL”, diz relatório dos investigadores. Leia mais aqui


Você já embarcou em algum tipo de transporte clandestino? Normalmente são veículos do tipo van, que cobram valores abaixo daqueles praticados pelo sistema regular de transporte. Se nunca usou, deve conhecer alguém que usa. Estes veículos não são autorizados para prestar esse tipo de serviço. E por que os preços são mais baixos? Porque, por trás deles existem uma série de irregularidades que acabam elevando, e muito, os riscos aos passageiros. E se o transporte escolar for clandestino? Você confiaria o seu filho a um transportador pirata? A partir de hoje (7), com a alteração da Lei nº 9.503 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), sancionada pela Presidência da República, as punições para esses tipos de transportes irregulares estão mais duras.

O que mudou na Lei? – O Artigo 231, que trata do transporte remunerado de pessoas ou bens, estabelecia como punição para os casos onde o veículo não era licenciado para tal uma infração de natureza média, com multa prevista de R$ 130,23. Agora, para casos assim a infração é gravíssima, com valor de R$ 293,47, além da remoção do veículo. Já para o Artigo 230, que é aquele que trata do transporte de escolares, a infração passa da natureza grave para gravíssima com multiplicador vezes cinco, o que eleva o valor da multa de R$ 195,23 para R$ 1.467,35, além da medida administrativa de recolhimento do veículo.

Barato que sai caro – O normal, no universo do transporte clandestino, é a total falta de compromisso com os regulamentos estabelecidos pelo CTB. Os principais problemas encontrados estão ligados a ausência de inspeção veicular prévia, antecedência criminal dos motoristas, itens e equipamentos obrigatórios (pneus, extintor de incêndio, cinto de segurança) e, principalmente, a não observância aos direitos dos usuários, colocando em risco a vida dos passageiros. O não cumprimento dessas exigências ainda dificulta alguma indenização da empresa ou proprietário do veículo em caso de acidentes, já que a informalidade prejudica a obtenção de informações.


A Polícia Rodoviária Federal apreendeu 3 ambulâncias de cidades da região durante a operação Asclépio (na mitologia grega e na mitologia romana, é o deus da medicina e da cura), que aconteceu em todo Brasil,  visando coibir irregularidades praticadas pelas prefeituras que deixam de pagar o licenciamento obrigatório e na maioria dos casos colocam pessoas sem nenhum preparo para dirigir esses veículos.

A operação aconteceu na quinta feira (10) na Rodovia Santos Dumont, trecho de Jequié, onde foram apreendidas e retidas para regularização as ambulâncias das cidades de Manoel Vitorino, Itiruçu e Maiquinique. Em todos os casos os veículos estavam com o licenciamento atrasado e os motoristas não possuem o Curso Obrigatório para Veículos de Emergência.

As ambulâncias foram levadas para o pátio da empresa de guinchos e só serão liberadas após sanadas as irregularidades. A multa por dirigir no licenciamento é gravíssima, acúmulo de 7 pontos na carteira e custa R$ 293,47. A multa por dirigir sem o Curso Obrigatório para Veículos de Emergência é leve e cada motorista vai pagar R$ 88,00.

Por Júnior Mascote.


Quatro policiais militares autores de ataques terroristas e ligados ao movimento que busca implantar uma greve comandado pela Aspra foram interceptados, na noite desta quinta-feira (10), após atacarem dois ônibus, em Salvador. O caso ocorreu na Avenida Suburbana, na região do bairro de Itacaranha. Equipes da Operação Gemeos patrulhavam na área quando ouviram disparos de arma de fogo. As guarnições flagraram dois carros em tentativa de fuga, depois de atravessarem coletivos na pista. Durante aproximação e voz de prisão, o quarteto de vândalos atirou nos PMs da Gemeos.

Houve confronto e o policial militar Anselmo Souza dos Prazeres, lotado na 18ª CIPM (Periperi) e ligado à Aspra, acabou ferido. Ele foi socorrido para o Hospital do Subúrbio, onde está custodiado.


Por volta das 09h15 de hoje (10), na BR 324, trecho do município baiano de Simões Filho, uma equipe da PRF foi informada que acabara de ocorrer um assalto a um posto de combustível e que quatro indivíduos haviam empreendido fuga a bordo de um veículo, de cor preta, em direção a capital baiana. Imediatamente os agentes iniciaram buscas pela região, oportunidade em que no Km 608 da BR 324, os Prfs avistaram em sentido contrário, o automóvel suspeito com quatro ocupantes no seu interior.

Foi iniciado o acompanhamento tático e após uns dez quilômetros, a equipe conseguiu interceptar o Fox e realizar os procedimentos de abordagem e fiscalização.  Com um deles foi encontrado um revólver calibre 38, com seis munições do mesmo calibre. Já no porta-malas do automóvel foi encontrada uma segunda arma de fogo de calibre 32 (tipo revólver), também municiada, além de certa quantidade de munições. Foram apreendidos 07 aparelhos de telefonia celular e 790 reais.

Entre os quatro suspeitos que se encontravam no veículo, havia um menor de 17 anos, os demais tinham entre 18 a 25 anos de idade. Os revólveres, munições, dinheiro, veículo e todo material apreendido foram apresentados à Delegacia de Polícia local para os procedimentos cabíveis.


Um homem identificado como Eldeir Oliveira dos Santos, de 23 anos, vulgo ‘Di’, tombou em confronto com guarnições do Pelotão de Emprego Tático Operacional (PETO) nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira (10), no Bairro Dois de Julho, em Ubatã. Eldeir é foragido do sistema prisional: estava preso no Conjunto Penal de Jequié, saiu no ‘saidão’ da Independência em setembro e não retornou. Eldeir, segundo informações colhidas pelo Ubatã Notícias, tinha passagens por tráfico, homicídio e era suspeito ainda de praticar diversos assaltos e tráfico no município. Ainda nesta quinta mais informações. *Com informações do Ubatã Notícias.

 


Fabiano Aurich será substituído por Cristiano Mangueira na coordenação da 9ª Coorpin

O delegado da Polícia Civil Fabiano Santos Aurich, está deixando o cargo de Coordenador Regional da 9ª Coorpin, com sede em Jequié. O decreto simples assinado pelo governador Rui Costa, está publicado no Diário Oficial da Bahia, desta quinta-feira (10). O delegado Fabiano Aurich, que estava em Jequié desde março de 2013, foi nomeado para assumir a Coordenadoria Regional da 10ª Coorpin, com sede em Vitória da Conquista.  Para a coordenadoria da 9ª Coorpin de Jequié, foi nomeado o delegado Cristiano Marcos Pitangueira Mangueira, que estava em Salvador, exercendo função no Departamento de Polícia do Interior-Depin. Cristiano Mangueira, foi delegado na cidade de Ipiaú, posteriormente assumiu a Delegacia Territorial em Jequié, até ser transferido para a capital de onde retorna. do Jequié Repórter*


Um homem foi assassinado a golpe de faca na cidade de Jaguaquara na noite desta terça-feria (08). A Polícia conseguiu prender o autor do crime,  Jurandir dos Santos Silva, que  assumiu ter matado  Evanildo Dias Santos, de 41 anos. De acordo com informações,  os dois entraram em luta corporal ,  quando Jurandir aplicou as facada. A Polícia Militar de Jaguaquara localizou Jurandir por volta das 23h30, de terça feira, na Rua da Lagoa. O corpo de Evanildo foi encaminhado para o IML e Jurandir apresentado na Delegacia.


As denúncias contra postos de combustíveis envolvidos com possíveis irregularidades relacionadas à qualidade do produto comercializado e à quantidade real entregue ao consumidor, entre outras fraudes, serão direcionadas com prioridade para a força-tarefa à frente da Operação Posto Legal. A decisão dará mais celeridade nas fiscalizações dos estabelecimentos com indícios de irregularidades.
O cidadão que mora na capital, na Região Metropolitana de Salvador (RMS) ou no interior pode denunciar por meio dos telefones 3235-0000 (Salvador e RMS) e 181 (interior). As informações serão repassadas para as equipes operacionais.
Compõem a força-tarefa da Posto Legal três órgãos estaduais — a Secretaria da Segurança Pública (polícias Militar, Civil e Técnica), a Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-BA) e o Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade (Ibametro) —, além da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), do governo federal. Apoiam a operação a Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz-BA) e a Procuradoria Geral do Estado (PGE).
Iniciada no mês de agosto, a operação se estenderá a todos os postos do estado nos próximos meses, podendo também retornar a postos já fiscalizados, a depender do que for apurado pelos órgãos participantes. Ao todo, a operação já fiscalizou 68 postos de diversas regiões da Bahia e não tem data para terminar.  “As equipes estão prontas para, de maneira rápida e precisa, atestar irregularidades e indiciar os responsáveis”, afirma o diretor do Departamento de Polícia Técnica (DPT), o perito criminal Élson Jeffeson.