A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu na noite deste domingo (17), aproximadamente 100kg de substância com características semelhantes à maconha no compartimento de bagagem de ônibus de passageiros que seguia de São Paulo (SP) com destino a cidade alagoana de Arapiraca. O flagrante ocorreu durante fiscalização da Operação Proclamação da República no KM 677 BR 116, em Jequié, região sudoeste da Bahia.

Dada ordem de parada ao veículo, foi realizado pelos agentes os procedimentos de fiscalização. No compartimento de bagagens foi encontrado em duas malas 183 tabletes contendo a substância entorpecente.

Foi realizada a checagem das bagagens e identificado a responsável pela maconha. Ao ser questionada, a mulher de 34 anos, informou que recebeu o entorpecente na região do Brás em São Paulo (SP) e pretendia levá-la até a capital sergipana de Aracaju. Disse ainda que receberia 6.000 reais pelo transporte da droga.

Diante dos fatos, foi dada voz de prisão em flagrante e a mulher e o produto apreendido foram apresentados a autoridade de plantão da Delegacia de Polícia Civil em Jequié (BA). Inicialmente, ela responderá pelo crime previsto no artigo 33 da Lei 11.343/2006.


Após um desentendimento em um estabelecimento comercial de bebidas, um homem conhecido por Guil foi atingido por golpes de faca na cidade de Maracás, no estabelecimento BAR DO GILSON. A Vítima chegou a ser socorrida ao Hospital Álvaro Bezerra, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.  A Polícia foi acionada para registrar  o crime e através de informações fornecidas por testemunhas busca o agressor, que responderá pelo crime de assassinato.


Uma pessoa morreu e outras oito ficaram feridas, entre elas uma criança, após a queda de um jatinho durante o pouso na pista de um resort de luxo no distrito de Barra Grande, município de Maraú, no sul da Bahia.

Segundo informações da Prefeitura da Maraú e da Polícia Militar, que confirmou a morte de um dos ocupantes da aeronave, o acidente ocorreu por volta das 14h desta quinta-feira (14). De acordo com a prefeitura, as vítimas foram socorridas para um posto de saúde de Barra Grande.

Os feridos aguardam a chegada de uma aeronave do Grupamento Aéreo da Polícia Militar (Graer) para transferi-los para a capital baiana, de acordo com a prefeitura local, que ainda não divulgou informações sobre o quadro de saúde dos pacientes.

Segundo a prefeitura, os ocupantes da aeronave foram socorridos por funcionários do resort, que passa por uma reforma e não está em funcionamento. Nem os nomes das vítimas nem as idades dos pacientes foram divulgados pela prefeitura.


O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) resistiu de forma “injustificável” à federalização da investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), segundo o ex-ministro da Defesa e Segurança Pública, Raul Jungmann. Em entrevista ao Estado, Jungmann disse que a Procuradoria-Geral da República (PGR) precisou de um mandado de busca e apreensão numa agência dos correios do Rio, em agosto do ano passado, para ter acesso aos documentos da investigação.

Na opinião do ex-ministro, se o caso tivesse sido investigado na esfera federal já se saberia hoje quem foram os mandantes do crime e qual sua motivação. Marielle foi executada em 14 de março de 2018 junto com o motorista Anderson Gomes. A investigação apontou os ex-PMs Ronnie Lessa e Elcio Vieira de Queiroz como autores dos disparos. Ambos negam participação no crime. “Se tivesse remetido o processo para a PGR desde o primeiro momento, nós hoje, muito provavelmente, saberíamos tanto quem foram os executores como o mandante”, disse o ex-ministro.

O MP-RJ repudiou as declarações de Jungmann e afirmou que o acionou formalmente para dar explicações à Justiça. Logo após o crime, a então procuradora-geral, Raquel Dodge, sugeriu a federalização da investigação. O MP-RJ foi contra e conseguiu manter a apuração sob sua competência. Desde então, o caso passou por várias reviravoltas, com troca de delegados e promotores e suspeitas de obstrução. No último dia de mandato, Dodge apresentou denúncia criminal contra o ex-deputado e conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado do Rio (TCE-RJ) Domingos Brazão e quatro pessoas – um delegado federal, um policial federal aposentado, um PM e uma advogada – por tentativa de obstrução da Justiça. No mesmo dia, a PGR pediu a federalização das investigações.


A Polícia Rodoviária Federal realizará a Operação Proclamação da República 2019 a partir da próxima quinta-feira (14) e segue até as 23h59 de domingo (17). Com quatro dias de Operação a estratégia da PRF é oferecer reforço concentrado no policiamento preventivo e orientado em locais e horários de maior incidência de acidentes graves e de criminalidade.

O final de semana prolongado pelo feriado é marcado pelo aumento do fluxo de veículos e usuários circulando pelas rodovias federais para os mais diversos destinos. Atento a esta situação, agentes federais reforçarão trechos estratégicos nas 19 Brs que cortam o estado, priorizando ações preventivas para redução da violência no trânsito.

A previsão é que o fluxo dos veículos nas rodovias aumente em até 40% em relação a média dos dias normais. O pico de movimento na saída para o feriado deve se concentrar entre o fim da tarde e início da noite de quinta-feira e na manhã de sexta-feira. Já o retorno deve ter um fluxo maior de veículos durante a tarde e a noite de domingo.

A fiscalização e o policiamento orientado serão intensificados por meio de rondas ostensivas nas rodovias e do posicionamento estratégico das viaturas e policiais ao longo dos trechos mais movimentados e considerados pontos críticos, pelo alto índice de acidentes e pela elevada taxa de cometimento de infrações de trânsito.

Os policiais trabalharão em escalas de revezamento e as ações desenvolvidas pela PRF serão focadas para combater as infrações de trânsito, em especial às condutas geradoras de acidentes como: as ultrapassagens proibidas, dirigir sob a influência de álcool, transitar pelo acostamento, excesso de passageiros, dentre outras.


Uma carga de 3,2 toneladas de maconha foi apreendida escondida em um caminhão, na manhã deste domingo (10), na BR-116, trecho da cidade de Jequié, no sudoeste da Bahia. Segundo informações da Polícia Rodoviária federal (PRF), a droga estava escondida em meio a caixas de verdura vazias. A PRF informou que, durante fiscalização de rotina, policias rodoviários abordaram o caminhão na altura do Km-677. Eles observaram que o compartimento de carga do veículo estava repleto de caixas de verdura vazias.

Ao perguntar ao motorista sobre os detalhes da viagem e solicitar os documentos obrigatórios para fiscalização, ele informou que fora contratado para buscar castanhas em Feira de Santana, cidade que rica a cerca de 100 quilômetros de Salvador, e que, em seguida, retornaria para a cidade paranaense de Paranavaí, de onde saiu. Os agentes então realizaram uma busca minuciosa no caminhão e, no compartimento de carga, quando flagraram 160 pacotes da droga escondidos abaixo das caixas vazias. O entorpecente foi pesado, totalizando 3.250 quilos.

Ao ser questionado sobre a maconha encontrada, o homem de 39 anos revelou que havia sido contratado para levar o caminhão até Feira de Santana e que receberia R$ 30 mil reais. Diante do flagrante, os policiais deram voz de prisão ao condutor. O motorista, o caminhão, uma quantia de R$ 364 em espécie, três aparelhos celulares uma sacola de cor preta com roupas de uso pessoal e as 3,2 toneladas de maconha foram encaminhadas para a Polícia Civil local.


Deu entrada na tarde desta quinta-feira (7), no IML (Instituto Médico Legal) em Jequié, para ser submetido à necropsia, o corpo de um homem, que teria sido decapitado, com golpe de facão. Daniel da Silva Osório Filho, 29 anos, era natural e morador da região de Água Vermelha, distrito de Florestal, em Jequié. De acordo informações, Daniel estava envolvido com drogas na localidade. A Polícia Civil, investiga as causas e autoria do bárbaro crime. Do Jequié Repórter.


Um homem de 41 anos foi preso por manter a esposa em cárcere privado por 10 anos, na tarde desta quinta-feira (7), no bairro de Tubarão, no subúrbio ferroviário de Salvador. Conforme a Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), a vítima foi agredida com um facão na quarta (6) por não ter arrumado a cama. Segundo informações da SSP, Edilton Pereira Santos agredia a companheira constantemente. A mulher era proibida de sair de casa desacompanhada, além de ser impedida de ir ao dentista e usar anticoncepcional.

De acordo com o órgão, policiais da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) foram até a casa do casal após receberem uma denúncia anônima. A mulher correu em direção a viatura e pediu socorro. A SSP informou que a vítima foi encaminhada para perícia e que uma medida protetiva foi solicitada. Edilton vai responder por cárcere privado, ameaça e lesão corporal. O suspeito vai passar por audiência de custódia, na sexta-feira (8).


Moradores da Rua Consuelo Pinheiro, bairro Euclides Neto, acordaram na manhã desse domingo (03/11) com o barulho de tiros. Conforme populares informaram ao GIRO, foram ouvidos três disparos de arma de fogo. Poucos minutos depois foi constatado o assassinado de Juarez Lima dos Santos, de 38 anos, conhecido como “Juarez Rasta”. Ele foi executado dentro de casa. Moradores disserem que não viram o autor ou autores do homicídio. Conforme informações policiais, a vítima era usuária de drogas e o crime pode ter ligação com o tráfico. A PM isolou o imóvel até a chegada do DPT para realizar a perícia técnica no local e encaminhar o corpo para o IML. Juarez morava sozinho na casa. O crime será investigado pela Polícia Civil. (Giro Ipiaú)


O homem que chutou a namorada enquanto ela dançava no palco durante o show do cantor de pagode ‘O Poeta’ está proibido de se aproximar da jovem. Uma medida protetiva que impede o agressor de se aproximar mais de 150 metros da vítima foi assinada por um juiz nessa quarta-feira (30). Tanto Rafael Alves, 18, quanto a adolescente e sua mãe já prestaram depoimento na Delegacia de Pojuca, cidade onde ocorreu a agressão. O homem está em liberdade e segue sendo investigado com base na Lei Maria da Penha.

Durante o depoimento, o agressor parecia tranquilo, respondeu aos questionamentos do delegado e foi liberado em seguida. O conteúdo da fala do suspeito não pôde ser divulgado para a imprensa a pedido de seu adovogado, que o acompanhou na delegacia. Na manhã desta quinta-feira (31), a vítima e sua mãe compareceram novamente à delegacia. De acordo com o delegado João Piton, a adolescente terminou o seu relacionamento com Rafael e não deseja nenhum tipo de aproximação com ele, por isso, o pedido pela medida protetiva.

De acordo com o produtor da festa, Jhon Santana, a segurança do clube AIP, onde ocorria a apresentação, era formada por policiais militares, que detiveram o agressor. “O que aconteceu é que o homem, que é namorado da moça, ficou com ciúmes ao vê-la dançando e, em um momento de distração da segurança, invadiu o palco e a agrediu. Entretanto, toda a segurança do evento, que era formada por policiais militares, imediatamente entrou em ação e deteve o elemento”, relatou Jhon.

A Delegacia de Pojuca continua investigando o caso. A expectativa é que nos próximos dias novas testemunhas sejam ouvidas – o que, segundo o próprio delegado, dificilmete irá alterar a linha de investigação, visto que diversos vídeos provam a agressão. Caso condenado, Rafael Alves poderá pegar de três meses a três anos de prisão. Leia mais sobre o assunto.