A cada 60 minutos, uma criança ou um adolescente morre no Brasil em decorrência de ferimentos por arma de fogo. Entre 1997 e 2016, mais de 145 mil jovens com até 19 anos faleceram em consequência de disparos acidentais ou intencionais, como em casos de homicídio e suicídio. Os dados fazem parte de um levantamento divulgado hoje (20) pela Sociedade Brasileira de Pediatria.

De acordo com o estudo, que considerou dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade do Ministério da Saúde, em 2016, ano mais recente disponível, foram registrados 9.517 óbitos entre crianças e adolescentes no país. O número é praticamente o dobro do identificado há 20 anos – 4.846 casos em 1997 – e representa, em valores absolutos, o pico da série histórica.

O levantamento mostra que, a cada duas horas, uma criança ou adolescente dá entrada em um hospital da rede pública de saúde com ferimento por disparo de arma de fogo. Entre 1999 e 2018, foram registradas quase 96 mil internações de jovens com até 19 anos no Sistema Único de Saúde (SUS).

Despesas

As principais causas externas de morte por arma de fogo nessa faixa etária estão relacionadas a homicídios (94%), seguidos de intenções indeterminadas (4%), suicídios (2%) e acidentes (1%). No caso das internações, embora as tentativas de homicídio continuem na liderança (67%), é bastante expressivo o volume de acidentes (26%) envolvendo arma de fogo.

A avaliação contabilizou ainda as despesas diretas do SUS com pacientes atendidos após contato com armas de fogo. Nos últimos 20 anos, as internações de crianças e adolescente provocadas por disparos custaram mais de R$ 210 milhões aos cofres públicos.

O estudo considerou causas de morbidade hospitalar e mortalidade identificadas nas bases oficiais do Ministério da Saúde como acidentais, suicídios ou tentativas de suicídio, homicídios ou tentativas de homicídio e intenções indeterminadas. EBC.


Um veículo VW/24.280 CRM, com ocorrência de roubo registrada em fevereiro/2015, foi recuperado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) na manhã desta terça-feira (19), em Jequié na Bahia. Abordado pelos policiais no Km 677 da BR 116, o veículo era conduzido por um homem de 66 anos. Durante a fiscalização no caminhão, foram encontradas indícios de adulterações nos registros identificadores do veículo. Após consulta ao sistema de dados, os agentes constataram se tratar na realidade de um VW/24.280 roubado em fevereiro/2015, na cidade de Maricá (RJ).

Para não levantar suspeitas, as placas originais foram trocadas por outras “clonadas” de um caminhão com características semelhantes. Questionado o condutor informou desconhecer qualquer irregularidade com o veículo e disse ter sido contratado para realizar o transporte da carga. O veículo apreendido e o motorista foram apresentados na Delegacia de Polícia Civil em Jequié.


O Ministério Público da Bahia (MP-BA) notificou o Google e o WhatsApp para que removam das redes sociais conteúdos que exibam imagens da Boneca Momo. A informação foi divulgada no site do MP-BA. A boneca, que tem olhos esbugalhados, pele pálida e um sorriso sinistro, ficou famosa em diversos países, depois de ser disseminada em um vídeo.

Por conta da repercussão da boneca, a personagem é utilizada por criminosos da internet para convencer crianças e jovens a aplicarem golpes, como roubos de dados e extorsão. Na Bahia, a notificação ao Google e ao WhatsApp foi feita por meio do Núcleo de Combate a Crimes Cibernéticos (Nucciber). Em entrevista ao G1, o promotor Moacir Nascimento, que coordena o Nucciber, informou que, até o momento, não há casos registrados na Bahia de crianças ou adolescentes que cometeram algum delito por conta do vídeo.

Entretanto, o MP-BA resolveu instaurar procedimento, por conta da dimensão que o vídeo está tomando nas redes sociais. “Houve ampla repercussão do vídeo e, como havia a possibilidade de repercussão na Bahia, foi instaurado o procedimento, para colheita de dados, provas, e a manifestação das empresas”, afirmou o promotor.

“O vídeo está circulando em inglês e espanhol pelo WhatsApp. O que estamos buscando é que eles adotem providencias para que não seja mais compartilhado”, acrescentou. O pedido do MP-BA vai ao encontro de discussões realizadas em publicações especializadas no público infantil. De acordo com essas publicações, é importante que os responsáveis fiquem atentos aos vídeos consumidos pelas crianças, pois muitos deles começam com o conteúdo infantil normal, mas depois inserem a figura da boneca.

O caso da boneca Momo lembra o chamado “Jogo da Baleia Azul”, uma corrente on-line de 2017 que teria levado mais de cem crianças ao suicídio (o número nunca foi confirmado). Assim como a “Momo” é japonesa, a “Baleia Azul” era russa. Se a “Momo” usa uma foto macabra, a “Baleia Azul” era uma série de desafios a serem realizados na madrugada. Esses elementos contribuem para despertar interesse, o que faz a história ser mais divulgada, seja através das redes sociais ou da imprensa. Quem fica exposto a essa informação acaba tendo ainda mais interesse em interagir com uma “Momo”, caso alguma apareça.

O promotor Moacir Nascimento, contudo, destaca que a responsabilidade maior sobre o conteúdo que chegam a crianças e adolescentes é dos pais. “O problema é criança e adolescente de 12, 13 anos, com smartphone, usando a internet sem nenhuma supervisão de um adulto. A boneca não causa suicídio. O que leva ao suicídio é o distanciamento dos pais e responsáveis”, finalizou. *G1.


O repórter Irlan Vieira, que integra a equipe “Bola de Ouro” do Falando de Esportes, transmitido pela Povo FM Jequié, registrou queixa na noite de domingo (17), na Delegacia Territorial-DT, denunciando o vice-presidente da Associação Desportiva Jequié-ADJ Camilo Barbosa e o conselheiro Jean Maicom que o teriam agredido, inclusive com um tapa no rosto, ato presenciado por várias pessoas e cronistas esportivos,  após a partida Jequié x Bahia, no Estádio Waldomiro Borges.  Irlan recebeu guia para exame de corpo de delito e estará registrando queixa na Corregedoria da Polícia Militar, em razão de um dos agressores ser policial militar. A diretoria da ADJ ainda não divulgou nota pública acerca do assunto, conforme informações do Jornalista Wilson Novaes.

Irlan Vieira é repórter esportivo e acompanha o time do Jequié há 15 anos. O profissional disse ter apenas feito críticas sobre a gestão do clube, o que é aceitável, pois todo trabalho é passível de elogios e críticas.

De acordo com informações ao Itiruçu Online, a motivação da agressão é que o repórter teria acusado um dos dirigentes de Bandido, o que gerou o revide. O caso agora será ouvido pela Polícia.


A Polícia Rodoviária Estadual tem intensificado as ações nas estradas, tanto na fiscalização de imprudências, irregularidades e contra crimes de trânsito. A presença constate da Polícia nas estradas inibe ações de bandidos.  Nesta sexta-feira (15) na BR-330 mais uma ação da Guarnição da PRE, sob comando do Sub Tenente Everaldo Júnior, uma moto  modelo Honda Titan CG 250, de placa OZN-2885, licenciada de Jequié e com restrição de roubo,  foi recuperada pelos policiais durante abordagens de rotina. A moto e o piloto foram apesentados na DP de Jequié da 9ª Coorpin para adoção de medidas cabíveis.


Uma moto modelo Bros, cor vermelha e placa NZU-2191, licenciada de Itiruçu, foi tomada de assalto por dois elementos na zona rural de Itiruçu na tarde desta quinta-feira (14). O assalto aconteceu por volta das 14h20, quando a vítima de nome Paula Araújo pilotava a motocicleta ao retornar do Assentamento Primavera com destino ao Povoado da Tiririca. Paula levava na garupa a filha de 05 anos  quando  foi abordada por dois elementos, que de acordo informações vieram do Povoado da Angélica e, com uma arma de fogo ameaçaram a vítima, obrigado  entregar a moto. Os dois meliantes levaram a moto e a deixou com a filha na estrada. O destino tomado pelos elementos foi a estrada que dá acesso ao Povoado da Várzea, onde há diversos pontos de fugas por estradas viciais.

A Polícia Militar foi acionada e iniciou rondas para tentar chegar aos criminosos, alertando assim as viaturas de toda região. Quem souber do paradeiro ou de algum detalhe que possa chegar aos assaltantes, basta entrar em contato com a Polícia mais próxima.

O pelotão de Itiruçu disponibiliza um contato com uso do WhatsApp para receber denúncias, que pode ser feito de forma anônima.7399119-4942.

Policiais da 9° COORPIN, em Jequié, prendeu um caminhoneiro e um comerciante da cidade de Manoel Vitorino por furto de carga. JULIANO DE LIMA MIRANDA é acusado de ser o autor de furto de uma carga de variedades e GIVALCIO ALVES DE OLIVEIRA é comerciante na cidade de Manoel Vitorino e figura como suspeito de ter comprado a mercadoria furtada. Segundo a Polícia Civil, a investigação se iniciou no dia 12/03/2019, quando Juliano de Lima Miranda, motorista da transportadora MANN, compareceu na Delegacia de Jequié informando que teria sido vítima de roubo e que o caminhão que conduzia havia sido tomado de assalto juntamente com a carga avaliada em R$ 580.000,00, quando estava trafegando na BR116 nas proximidades da Cidade de Manoel Vitorino/BA. Os policiais começaram a desconfiar da versão mau contada de Juliano, a equipe da Policia Civil iniciou investigação e durante as diligências, verificou que na verdade Juliano forjou um suposto roubo, subtraiu parte da carga e revendeu ao comerciante Givalcio Alves de Oliveira, dono do supermercado Oliveira, em Manoel Vitorino. A Polícia Civil localizou a mercadoria adquirida por Givalcio, a qual estava no interior do supermercado, a mercadoria foi apreendida e Givalcio preso em flagrante por receptação qualificada. O motorista Juliano de Lima Almeida também foi preso em flagrante por furto qualificado. FONTE: DT JEQUIÉ


No combate a crimes contra o meio ambiente, policiais rodoviários federais resgataram 27 pássaros silvestres, na BR 116, trecho do município baiano de Jequié. Por volta das 18h45 de ontem (13), nas imediações do Km 677, os agentes federais deram ordem de parada a um ônibus de turismo que seguia de São Paulo (SP) com destino a Garanhuns (PE). Durante fiscalização no veículo, os policiais encontraram sacolas plásticas com alçapões contendo vinte e sete aves silvestres, escondidas no compartimento do tanque de combustível.

Os pássaros resgatados são da espécie conhecida popularmente por trinca-ferro. Três deles estavam mortos. Os animais estavam sem água, alimentos e em ambiente sujo, demonstrando total falta de higiene e cuidados. Estavam acondicionados em compartimento escuro, de alta temperatura (devido à proximidade com o motor) e sem ventilação.

O motorista do ônibus não apresentou nenhuma documentação emitida por órgãos ambientais. Questionado, ele informou que desconhecia a origem das aves naquele compartimento. As sacolas não possuía etiquetas de identificação de bagagem. Foi lavrado um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), e o condutor responderá na Justiça por crime contra o meio ambiente previsto na Lei 9.605/98. As aves foram encaminhadas ao INEMA na cidade de Jequié (BA) para adoção das medidas administrativas pertinentes.

 


Foto original do veículo tomado de assalto na BR-116.

Mais uma ação da quadrilha especializada em roubo de carro na região de Santo Estevão foi registrada na madrugada desta terça-feira (12).  Desta vez, uma VAN de placa JPF -6024, licença de Maracás, e que fazia o transportes de pacientes da cidade de Maracás com destino a Salvador foi tomada pelos bandidos.

De acordo com informações colhidas pelo Itiruçu Online, às 03h da madrugas 04 elementos abordaram o veículo na localidade conhecida por Pau de Vela, ameaçaram o motorista com arma de fogo  e,  sem liberar os 14 pacientes que estavam no veículo, seguiram até Birimbau – Conceição do Jacuípe – onde foram liberados as 07h da manhã.

O Motorista da VAN registrou Boletim de Ocorrência na cidade onde foram liberados. Ninguém ficou  ferido. Ficou o susto de quem saiu de sua cidade para viajar por 400 km para ser atendido pelo sistema único de saúde,  numa filha gigante de atendimentos pré-agendados e são surpreendidos por ações de meliantes que não trabalham e vivem roubado patrimônio de terceiros.


Uma operação conjunta do Ministério Público e da Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu na madrugada de hoje (12) dois suspeitos de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes em 14 de março de 2018. Ronie Lessa é policial militar reformado e Elcio Vieira de Queiroz foi expulso da Polícia Militar. Segundo o Ministério Público, os dois foram denunciados depois de análises de diversas provas. Lessa teria sido o autor dos disparos de arma de fogo e Elcio, o condutor do veículo usado na execução. De acordo com o MP, o crime foi planejado nos três meses que antecederam os assassinatos.

Operação

Além dos mandados de prisão, a chamada Operação Lume cumpre mandados de busca e apreensão em endereços dos dois acusados, para apreender documentos, telefones celulares, computadores, armas e acessórios.

Na denúncia apresentada à Justiça, o MP também pediu a suspensão da remuneração e do porte de arma de fogo de Lessa, a indenização por danos morais aos familiares das vítimas e a fixação de pensão em favor do filho menor de Anderson até completar 24 anos de idade.

Segundo o MP, o nome da operação é uma referência a uma praça no Centro do Rio, conhecida como Buraco do Lume, onde Marielle desenvolvia um projeto chamado Lume Feminista. No local, ela também costumava se reunir com outros defensores dos direitos humanos e integrantes do seu partido, o PSOL. “Além de significar qualquer tipo de luz ou claridade, a palavra lume compõe a expressão ‘trazer a lume’, que significa trazer ao conhecimento público, vir à luz”, informa a nota.

Presos

Apesar de outros suspeitos terem sido apresentados anteriormente, Ronnie Lessa e Élcio Queiroz são os primeiros a serem formalmente denunciados e presos pelo crime. Ronnie Lessa foi aposentado depois de um atentado a bomba contra ele, que resultou na amputação de uma de suas pernas e que teria sido provocado por uma briga entre facções criminosas. Já Élcio Queiroz chegou a ser preso em 2011 na Operação Guilhotina, da Polícia Federal, que apurou o envolvimento de policiais militares com traficantes de drogas e com grupos milicianos. Na época, Queiroz era lotado no Batalhão de Olaria (16º BPM).

Antes de apresentar os primeiros denunciados pelo crime, a polícia suspeitava que o crime havia sido planejado por Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica, que teria envolvimento com milícias e que está preso desde outubro de 2017.

No entanto, o próprio Curicica denunciou à Procuradoria-Geral da República que ele estava sendo coagido pela Polícia Civil a assumir a autoria do crime. Por isso, em outubro, a Polícia Federal entrou no caso, para apurar a atuação da Polícia Civil.

Assassinatos