O Papo Online recebe nesta terça-feira (02), a Secretária de Educação de Itiruçu, professora Ana Paula Santos. A entrevista pode ser acompanhada através de nosso Canal no YouTube e no Site Itiruçu Online, a partir das 19h30.

Entre os assuntos, o retorno às aulas no município.

Inscreva-se no Canal para participar ao Vivo e concorrer a prêmios, além de interagir com a entrevistada através do chat.
Clique e inscreva-se:https://www.youtube.com/watch?v=YUC15IhnKpE
Participe também através do WhatsApp: 73 991775984.


Os critérios necessários para a volta às aulas presenciais na Bahia foram discutidos entre o governador Rui Costa e demais autoridades municipais e estaduais, nesta sexta-feira (5), em uma reunião por videoconferência com membros da União dos Municípios da Bahia (UPB). O Governo do Estado decidiu prorrogar o decreto que suspende shows e aulas nas unidades de ensino das redes pública e privada em toda a Bahia. A prorrogação será publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) deste sábado (6) e vale até o dia 14 de fevereiro de 2021.
“Ainda estamos vivendo um crescimento que começou no mês de novembro, e o retorno das atividades escolares deve levar em conta as taxas de ocupação de leitos e de mortalidade pela covid-19. A Secretaria de Educação do Estado, em conjunto com a UPB e as secretarias municipais de educação, irá criar um protocolo único de educação e saúde para o retorno às aulas. Solicitei um levantamento dos profissionais da educação acima de 55 anos em todo o Estado, que fazem parte do grupo de maior vulnerabilidade, para que, possivelmente, possam ser incluídos num próximo lote de uma das vacinas que estão sendo aplicadas na Bahia”, afirmou Rui.
O governador acrescentou que “o Estado prevê que quando as aulas forem retomadas, dividiremos as turmas em 50%. O retorno se dará, inicialmente, em um modelo híbrido e com aulas em dias alternados. No dia em que o jovem ou a criança não estiver na escola, ele teria material pedagógico digital e impresso para utilizar em casa”.
Rui ainda disse que irá convidar representantes do Ministério Público Estadual, da Defensoria Pública e do Tribunal de Justiça da Bahia para uma reunião. “Vamos apresentar nossos protocolos, juntamente com a UPB, para que possamos unificar as frentes e criar uma linha de trabalho em prol da educação e priorizando a saúde das pessoas”, concluiu.
Participaram da reunião os secretários estaduais da Saúde, Fábio Vilas-Boas, e da Educação, Jerônimo Rodrigues, e o presidente da UPB, Eures Ribeiro, além do prefeito de Salvador, Bruno Reis, acompanhado dos secretários municipais de Saúde e de Educação, Léo Prates e Marcelo Oliveira, respectivamente. Outros prefeitos do interior também participaram virtualmente.
Decreto
O decreto, que passa a valer a partir deste sábado (6), proíbe ainda a realização de atividades com público superior a 200 pessoas, como passeatas, feiras, circos, eventos científicos, desportivos e religiosos. Shows e festas, públicas ou privadas, seguem proibidos independentemente do número de participantes.
Cerimônias de casamento e solenidades de formatura podem ser realizadas desde que limitadas a até 200 pessoas. A parte festiva desses eventos não está permitida.

O governador Rui Costa descartou nesta terça-feira, 2, mais um ano sem aulas e deve divulgar os critérios para o retorno das atividades escolares na sexta-feira, 5, após reunião com a União dos Municípios da Bahia (UPB), da qual participará o prefeito de Salvador, Bruno Reis. No encontro, será apresentado um estudo feito pela Secretaria de Saúde do Estado e discutidos conjuntamente os parâmetros para a volta às aulas em todo o estado em meio à pandemia do novo coronavírus.

Em transmissão nas redes sociais, Rui reforçou que, quando houver o retorno das aulas, as unidades de ensino funcionarão sempre com metade de cada turma. “Metade da turma vai para a escola às segundas, quartas e sextas. A outra, às terças, quintas e sábados”, disse. Além disso, já foram instaladas pias adicionais nas escolas. “Mas queremos ainda considerar, por exemplo, taxa de ocupação de UTIs, mortes diárias, crescimento da doença”, elencou o governador, sobre possíveis critérios para determinar a volta das aulas.

“Vamos retomar antes da maioria da população ser vacinada, com certeza”, afirmou o chefe do Executivo baiano, ao informar que mais 30% dos estudantes baianos moram na zona rural, muitas vezes sem sinal de internet, o que dificulta o processo de aprendizado por aulas virtuais. Segundo o governador, manter as escolas fechadas por mais um ano seria “sepultar os sonhos” de milhares de jovens, sobretudo dos mais pobres.

Ao lado do governador, o secretário de Saúde, Fábio Vilas-Boas, pediu o reforço das medidas de higiene e isolamento, ao demonstrar preocupação com as variantes do vírus que passaram a circular. Ele também deu mais informações sobre o avanço da vacinação no estado.


Os gabaritos da versão impressa do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 foram divulgados nesta quarta-feira (27), no site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Clique aqui para acessá-los.

É importante lembrar que o número de acertos do candidato não indica sua nota final, por causa da Teoria de Resposta ao Item (TRI). O sistema de correção detecta a coerência no desempenho do estudante – ele reconhece o “acerto ao acaso”, ou seja, o “chute”, e atribui uma pontuação menor.

No Enem, cinco candidatos podem acertar exatamente a mesma quantidade de questões, mas tirarem notas bem diferentes. Um exemplo: se o aluno acertou as 5 questões mais difíceis, mas errou as mais fáceis, provavelmente “chutou” as alternativas. Seu desempenho é considerado incoerente, e a pontuação para cada acerto é reduzida.

As notas finais das provas objetivas e da redação serão divulgadas pelo Inep no dia 29 de março, inclusive para quem participará da reaplicação do Enem (em 23 e 24 de fevereiro).

Cronograma do Enem

  • Prova digital: 31 de janeiro e 7 de fevereiro
  • Reaplicação da prova: 23 e 24 de fevereiro
  • Resultados: 29 de março

Foram tantas inspirações maravilhosas das nossas convidadas e convidados que contribuíram com a Jornada Virtual Undime Bahia, realizada no período de 20 a 22 de janeiro, através da Web TV Undime Bahia, em seus canais do YouTube e Facebook, que foi difícil selecionar uma frase que pudesse expressar tanta riqueza de troca de experiências e aprendizagens.

Mas, escolhi a frase “Flexibilizar é alongar sem dor”, da professora Gerusa Oliveira Moura, que contribuiu com o Painel Formacional 6, dialogando sobre a temática “Ensinar e Aprender: elegendo o que é fundante no conjunto de Saberes presentes no Referencial Curricular Municipal”.

Nesta pressão que as redes, sistemas de ensino e escolas tem se colocado quanto a finalização de ano letivo, cômputo de carga horária, fica nossa mensagem de que o foco deve ser a aprendizagem, o direito de aprender. A flexibilização de dias letivos e/ou carga horária devem estar a serviço do direito de aprendizagem, do desenvolvimento de nossos estudantes.

Quando falamos que “Flexibilizar é alongar sem dor”, precisamos compreender que a flexibilização preconizada pela Lei 14.040/2020 e pelas normativas do Conselho Nacional de Educação, quanto a carga horária e dias letivos, vêm acompanhadas de vários aspectos que precisam ser garantidos em qualquer iniciativa de flexibilização.

No artigo anterior, “Prudência, sensibilidade e bom senso: requisitos necessários na hora de planejar o ano letivo em 2021”, trouxemos estes aspectos que seriam justamente o “alongar sem dor”.  “Alongar sem dor”, significa que na flexibilização de carga horária e/ou dias letivos é preciso incluir no planejamento e desenvolvimento de ações, o cuidado com a igualdade de condições para realização das atividades, o cuidado com o cumprimento dos objetivos de aprendizagem e desenvolvimento vinculados a cada etapa e modalidade, a observação das orientações pediátricas pertinentes quanto ao uso de tecnologia da informação e comunicação, o cuidado em assegurar aos alunos e professores que tenham acesso aos meios para realização das atividades e a obediência aos protocolos das autoridades sanitárias no desenvolvimento destas atividades. Todos estes aspectos estão contidos nas normativas vigentes sobre esse contexto de excepcionalidade.

Dentro da perspectiva de compreender a educação escolar como um direito social fundamental e de responsabilidade de sua oferta pelo poder público, acreditamos que não há mais condições, de neste contexto de pandemia, não realizar atividades mesmo que remotas, com todos os desafios que temos. A grande maioria dos municípios tem mostrado que sim, é possível manter o vínculo com os estudantes, manter rotinas de estudos e aprendizagem. Acho que essa discussão deve estar superada.


Laboratório

A possibilidade de retorno da aulas presenciais nas escolas da rede pública de ensino da Bahia, previsto por alguns gestores municipais para o início do mês de março deste ano, é vista com cautela pelo governador Rui Costa (PT). Em entrevista ao programa Isso é Bahia, na rádio A TARDE FM, na manhã desta quarta-feira, 27, o petista disse se alinhar e concordar com aqueles que veem urgência no retorno das atividades nas escolas, mas pretende analisar a curva de novos caso da Covid-19 para tomar a decisão.

“Eu já pretendia desde outubro (retornar com as aulas presenciais). Estava tudo pronto, mas os técnicos da Secretaria de Saúde do Estado nos chamaram a atenção sobre o aumento de casos e o relaxamento por parte da juventude. Resolvi esperar a eleição para ver como o quadro ficaria. Os técnicos tinham razão”, afirmou.

Rui Costa disse que o avanço da contaminação pelo coronavírus na Bahia é observado de forma crescente desde o mês de novembro, assim como os óbitos. “Vamos fechar o mês de janeiro com uma média de 35 mortes por dia. Então, estamos na curva ascendente. Vamos ter que aguardar mais duas ou três semanas para decidir sobre o retorno às aulas. Eu tenho, no meu horizonte, a necessidade de urgência da volta às aulas. Quero fazer isso o mais rápido possível. Mas só farei na medida em que eu sinta o mínimo de segurança para professores, funcionários e para os próprios jovens”, pontuou.

O gestor estadual aproveitou a oportunidade para reforçar o apelo aos jovens, sejam da periferia ou classe média, para terem consciência, evitarem festas, bares e aglomerações. Fonte: Atarde.


Candidatos que não puderam participar do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) por estarem com sintomas de covid-19 ou de outra doença infectocontagiosa e aqueles que não conseguiram fazer as provas por problemas logísticos podem, a partir desta segunda-feira, 25, pedir para participar da reaplicação do Enem na Página do Participante. O sistema ficará aberto até o dia 29.

As provas do Enem impresso foram aplicadas nos dias 17 e 24 de janeiro. Nas semanas que antecederam cada uma das aplicações, os candidatos puderam enviar exames e laudos médicos ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Aqueles que ainda não o fizeram poderão, agora, acessar o sistema online. As provas da reaplicação serão nos dias 23 e 24 de fevereiro.

Além da covid-19, podem solicitar a reaplicação participantes com coqueluche, difteria, doença invasiva por Haemophilus influenza, doença meningocócica e outras meningites, varíola, Influenza humana A e B, poliomielite por poliovírus selvagem, sarampo, rubéola, varicela.

Segundo o Inep, para a análise da possibilidade de reaplicação, a pessoa deverá inserir, obrigatoriamente, no momento da solicitação, documento legível que comprove a doença. Na documentação, deve constar o nome completo do participante, o diagnóstico com a descrição da condição, o código correspondente à Classificação Internacional de Doença (CID 10), além da assinatura e da identificação do profissional competente, com o respectivo registro no Conselho Regional de Medicina (CRM), do Ministério da Saúde (RMS) ou de órgão competente, assim como a data do atendimento. O documento deve ser anexado em formato PDF, PNG ou JPG, no tamanho máximo de 2 MB.

Problemas logísticos


O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 tem abstenção de 51,5% dos candidatos inscritos, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Do total de 5.523.029 inscritos para a versão impressa do Enem, que começou a ser aplicada hoje (17), 2.842.332 faltaram às provas.

Segundo o ministro da Educação, Milton Ribeiro, a abstenção recorde se deve principalmente ao medo da pandemia e a campanhas contrárias à realização do exame. Apesar disso, considera a aplicação vitoriosa. No ano passado, a abstenção no primeiro dia do Enem foi 23%. “Fico satisfeito com o que fizemos no meio de uma pandemia”, diz, “[Quero] qualificar o Enem no meio de uma pandemia como algo vitorioso para não atrasar mais a vida de milhões de estudantes”. Em 2009, o segundo ano de aplicação do Enem com a maior abstenção, a porcentagem de inscritos que não compareceram foi de 37%.

Foram eliminados do exame 2.967 candidatos por não respeitarem as regras do Enem, entre elas, não cumprirem as medidas de segurança para evitar o contágio pelo novo coronavírus, como usar máscara cobrindo a boca e o nariz durante toda a aplicação. Ao todo, 69 participantes foram afetados por questões logísticas, como emergências médicas, falta de energia elétrica, entre outros. Os dados tanto de presença, quanto das eliminações, segundo o presidente do Inep, são preliminares.

Sintomas
Nesta edição, por conta da pandemia do novo coronavírus, participantes que apresentassem sintomas da covid-19 ou de outras doenças infectocontagiosas não deveriam comparecer ao exame. Esses participantes podem acionar o Inep e solicitar a reaplicação, que será nos dias 23 e 24 de fevereiro. Até o momento, 10.171 participantes pediram reaplicação. Desse total, o Inep aceitou o pedido de 8.180.

Quem apresentou sintomas hoje (17) ou ontem (16), pode solicitar a reaplicação, mediante a apresentação de laudo médico e documentos comprobatórios entre os dias 25 e 29 de janeiro.

O presidente do Inep, Alexandre Lopes, explica que a partir de amanhã (18), os participantes que apresentarem sintomas devem notificar o Inep e, mesmo que tenham feito a prova no primeiro dia, não devem comparecer ao segundo dia de aplicação, que será no próximo domingo (24). Eles terão direito a reaplicação.

Reaplicação
Estudantes relataram neste domingo que foram impedidos de entrar nos locais de aplicação porque as salas estavam cheias e seria preciso respeitar o distanciamento entre os participantes. Questionado, Lopes diz que a situação está sendo apurada. Esses participantes também terão direito a fazer a prova na data da reaplicação. Segundo o presidente, esse casos foram relatados em 11 locais de prova em Florianópolis (SC), Curitiba (PR), Londrina (PR), Pelotas (RS), Caxias do Sul (RS) e Canoas (RS).

Também terão direito a reaplicação os 160.548 estudantes que fariam a prova no estado do Amazonas, 2.863 em Rolim de Moura (RO) e 969 em Espigão D’Oeste (RO), por conta dos impactos da pandemia nessas localidades. Ao todo, segundo o ministro da Educação, foram quase 20 ações judiciais em todo o país contrárias à realização do Enem.

O Enem começa a ser aplicado hoje (17) na versão impressa. Os estudantes fizeram as provas de linguagens, ciências humanas e de redação. A prova segue no próximo domingo (24), quando serão aplicadas as provas de matemática e ciências da natureza. Este ano, o exame terá também uma versão online, que será aplicada nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro.


O governo da Bahia prorrogou o decreto que suspende shows e aulas nas unidades de ensino das redes públicas e privadas em todo o Estado. A prorrogação será publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) deste sábado, 16, sendo válida até 30 de janeiro de 2021.

O decreto proíbe ainda a realização de atividades com público superior a 200 pessoas, como passeatas, feiras, circos, eventos científicos, desportivos e religiosos. Shows e festas, públicas ou privadas, seguem proibidos independentemente do número de participantes.

Já as cerimônias de casamento e solenidades de formatura podem ser realizadas, no entanto, limitadas apenas a até 200 pessoas. Contudo, a parte festiva desses eventos ainda não está permitida.


Buscando o cumprimento das metas do seu plano de governo, apresentado durante a campanha eleitoral, o prefeito de Jequié, Zé Cocá, iniciou o diálogo para a elaboração do Edital de convocação para eleição direta de diretores das escolas municipais. Nesta segunda-feira, 11, aconteceu, no gabinete da Secretaria Municipal de Educação, uma reunião que contou com a participação da professora Elvia Sampaio; da diretora geral do Núcleo Territorial de Educação (NTE 22), Thaisa de Farias Pereira; do assessor da Secretaria de Governo, Marlon Pereira Santos; da vereadora Maria Aparecida Souza Santos, Professora Cida; da vice-diretora da APLB-Sindicato, Ângela Menezes; e da equipe técnica da Secretaria Municipal de Educação.

A proposta simboliza um avanço para o setor educacional do município e dispõe sobre a eleição direta para diretores das escolas públicas do Sistema Municipal de Ensino que, quando for efetivada, vai instituir uma gestão democrática nestes espaços e a participação no processo eleitoral será assegurada aos profissionais interessados em candidatar-se à respectiva função, desde que sejam professores efetivos do quadro municipal.

“Estamos iniciando esse diálogo e queremos implementar isso o mais breve possível, pois sabemos dos resultados positivos e significativos que esta mudança ocasionará. A gestão democrática nas unidades escolares é um compromisso do nosso plano de governo e, quando acontecer, será a concretização de um grande projeto de modernização que colocaremos em execução, contando com a participação de todos os segmentos da comunidade escolar. Todos nós sabemos que atualmente para estar na direção de uma unidade escolar exige-se qualificação e competência técnica e, por meio da convocação para eleição direta, independente de quem ganhar, vamos saber que tem competência para exercer a função, com dedicação e muita vontade de fazer as transformações que a escola e a comunidade escolar precisam.”, destacou o prefeito de Jequié, Zé Cocá.