Rui critica “conduta irracional” de Bolsonaro após polêmica sobre vacinas chinesas

O governador Rui Costa criticou mais uma vez o presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) pelo que chamou de “conduta irracional” na gestão do combate à pandemida do Covid-19. Em entrevista para a rádio Metrópole nesta quinta-feira, 22, Rui comentou sobre a decisão de Bolsonaro de desautorizar o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, a comprar 46 milhões de doses da vacina Coronavac desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o governo de São Paulo.

“Mais uma vez o presidente dá mais uma entrevista desastrosa e irresponsável, não só com a saúde pública, mas com a vida das pessoas. São mais de 150 mil brasileiros que já morreram fruto dessa atitude irresponsável liderada por ele”, afirmou o petista que comentou sobre o constante atrito do presidente com os titulares da pasta durante a gestão da pandemia.

“Bolsonaro tem algum complexo. Tinha ciúmes do ex-ministro da Saúde, o Mandetta, agora tem ciúmes do Pazuello, é complicado. No exercício da presidência ele desautoriza um general do exército, que não vou entrar no mérito se é prudente ou não ter um general como ministro da Saúde, mas já que ele botou ele não pode desmoralizar e desqualificar dessa forma”, avaliou.

Segundo Rui, após o Fórum dos Governadores, que contou com a presença de Eduardo Pazuello, o ministro foi elogiado pela inclinação a deixar de lado “as ideologias políticas” em busca de melhoras na saúde pública.

“Tivemos uma reunião com 24 governadores e o Pazuello foi enfático, sensato e adotou a medida racional que qualquer brasileiro adotaria nesse momento. Nos disse que o Ministério da Saúde não faria perseguição ideológica a qualquer vacina. Que qualquer uma que se provasse eficiente e aprovada pela Anvisa seria comprada pelo Ministério da Saúde, o que foi aplaudido por todos os governadores presentes”, disse Rui que avaliou ainda que as declarações de Bolsonaro acabam pondo em xeque o relacionamento com um dos mais importantes parceiros comerciais do país.

“Um presidente da República que dá declaração que não quer relação comercial com a China? Não tem noção nenhuma da economia brasileira. Se a China aceitasse a provocação e dissesse que vai reduzir pela metade as compras que faz do Brasil, como ficariam os empregos? O agronegócio? A indústria brasileira? É uma conduta irracional”, pontuou.

Aglomerações

O governador voltou a demonstrar preocupação com as constantes aglomerações em festas e eventos políticos registradas no estado durante as últimas semanas. De acordo com ele, a equipe de saúde já trabalha com possibilidades de uma “imunização de rebanho” e os resultados epidemiológicos das próximas semanas deverão responder a questão.

“As vezes eu tenho essa sensação de que alguém assinou algum decreto que a pandemia acabou. Ou nós alcançamos o que os especialistas chamam de imunidade de rebanho ou está tendo alguma imunidade cruzada já que estamos tendo fortes aglomerações tanto em festas quanto em eventos políticos. Espero que não haja uma explosão de casos na próxima semana e não havendo, os cientistas vão precisar explicar o que tá acontecendo”. Por Por Fernando Valverde/Atarde.


Comentários

Os comentários estão fechados.

Notícias Relacionadas