Rei da “sofrência”, Pablo afirma que nunca sofreu por amor

pablo

Com quase 15 anos de carreira, dez discos e quatro DVDs lançados, os hits do cantor Pablo, 29, são cantados por fãs apaixonados em todo o Norte e Nordeste do Brasil. Por lá, ele é conhecido por títulos como “criador do arrocha”, “rei da sofrência” e, o mais sublime de todos, “a voz romântica”, o que não chega a ser um exagero: as letras de suas músicas falam de desilusões amorosas, traições e amores impossíveis.”Sofrência na Bahia é uma coisa gostosa”, diz o cantor, por telefone, ao UOL. “É aquela sensação de dor de cotovelo, de quem perdeu o amor, mas quer reconquistá-lo. Sofrência é a sensação de estar apaixonado”, explica. “Todo mundo vai viver a sofrência algum dia, quer queira ou não. A sofrência nunca acaba. É a dor da paixão proibida. Ela faz parte do cotidiano de todo mundo”.

O rei da sofrência, ironicamente, garante que nunca sofreu por amor, já que tudo em sua vida foi conquistado muito cedo. “Comecei a cantar seresta aos seis anos com meu pai em barzinhos na cidade de Candeias (a 45 km de Salvador). Com 15 anos eu me casei e estou com a mesma mulher até hoje. Tenho dois filhos e antes dos 18 anos já tinha comprado meu próprio apartamento”, lembra. O cantor explica, ainda, o que é o arrocha, o outro estilo musical que o tornou conhecido. Segundo ele, é uma seresta “com um pouco mais de suingue”. A expressão, segundo ele, surgiu porque durante os shows ele gritava “arrocha” para os casais que dançavam coladinhos músicas como “Pecado de Amor”, “Baby”, “A Casa ao Lado”, “Quase me Chamou de Amor”, ” Fui Fiel”, ” Malhado e Gostoso” e “Homem não Chora”. Informações do Uol.


Comentários

Os comentários estão fechados.

Notícias Relacionadas