Poluição do ar já mata mais do que cigarro e HIV, aponta estudo

O impacto da poluição do ar sobre a expectativa de vida da população mundial é consideravelmente maior e mais letal do que o cigarro, acidentes de automóvel e até mesmo a pandemia do HIV. É o que revela o novo relatório desenvolvido por professores e pesquisadores da Universidade de Chicago, mostrando que a poluição poderá tirar 2,2 anos de vida de cada ser humano em média, confirmando assim a péssima qualidade do ar que respiramos como a maior ameaça externa contra a vida humana em todo o planeta.

Intitulado Air Quality Life Index (AQLI), o estudo detalha em números comparativos o efeito nocivo da poluição sobre nossas saúdes, bem como revela o ganho em anos de vida que determinadas populações receberiam, caso os níveis de poluição fossem reduzidos – na Índia, por exemplo, tal número chega a impressionantes 5,9 anos de vida. “Nós não estamos apenas deixando isso acontecer, estamos causando isso”, afirmou o professor Michael Greenstone, da Universidade de Chicago, e um dos líderes do estudo. “O mais impressionante é que em grandes países há efetivamente a combinação de normas governamentais e sociais que permitem que as pessoas vivam vidas dramaticamente mais curtas e menos saudáveis”, comentou. Leia mais aqui


Comentários

Os comentários estão fechados.

Notícias Relacionadas