Bomba sobre a Lama no segundo açude da Barragem do Baixão.

Há alguns anos Itiruçu e Lajedo do Tabocal passou a conviver com notas da embasa pedindo que economizem água em virtude do colapso no abastecimento. Entre as notas, o grande problema é que assim que as chuvas enche o manancial dorme para as questões pelo comodismo de ter uma barragem cheia. Capta toda água por alguns meses e o manancial volta a secar e todo dilema é retomado. Por algumas vezes a água foi captada de outro manancial, mas por falta de entendimento com a empresa, a captação era suspendida da Barragem Tourinho de Abreu, situada na cidade de Lajedo do Tabocal.

Desde a primeira vez que secou o manancial, apenas uma única vez e,  por ação do Convale,  foi iniciada  uma limpeza, que não foi feita nem 15% do esperado, cessando todo o serviço após chover forte e encher a Barragem do Baixão. Foram perfurados poços tubulares, mesmo assim insuficientes para o abastecimento. Em 2018 mais dois poços foram perfurados e com vazão agradada, mas ainda não estão em operação por questão de organização de gestão.

Nesta quinta-feira (11), o assunto foi à pauta do Programa Giro Total na Itiruçu FM (das 12h00 às 13h30), com a participação do advogado e ex-prefeito de Itiruçu, Dr. Aílton Cezarino, que conclamou o apoio de todos os políticos eleitos na cidade para angariar recursos por meios de emendas para custear projetos alternativos que solucionem a falta de água na cidade. Apesar de deixar claro que o problema da falta de água não é dos políticos, e sim pela seca prolongada, o ex-gestor conclamou os políticos eleitos e os gestores de Itiruçu, Lajedo, Maracás, Nova Itarana e Planaltino para lutar por projetos viáveis. Para Cezarino, se tratando de Itiruçu, a atual prefeita Dra. Lorenna poderia assumir o protagonismo das ações e unir todos os eleitos numa mesa e pedirem empenho.

Confira no áudio abaixo a íntegra da entrevista:

Informativo da Embasa

Com o agravamento da estiagem na região dos municípios de Lajedo do Tabocal e Itiruçu, o abastecimento de água destas cidades e seus povoados atendidos pela Embasa, passou a ser executado por manobras com redução da oferta em cerca de 30%. Com os mananciais de superfície bastante comprometidos em termos de produção de água, a Embasa vem recorrendo a perfuração de poços profundos desde o ano passado para garantir o abastecimento. Recentemente foram perfurados 2 (dois), que encontra-se fase de teste de vazão para posterior montagem dos equipamentos.

A previsão para conclusão dos serviços é até 20/10/2018, podendo ocorrer antes e a normalização do abastecimento em 30 dias.

Informamos ainda que no momento o abastecimento foi interrompido devido a um rompimento na adutora de água bruta, no qual será corrigido ainda hoje 11/10.

Maiores informações no Escritório Local de Itiruçu.


As principais vacinas do calendário infantil no Brasil seguem abaixo dos percentuais de 90% a 95% recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Dados preliminares divulgados hoje (11) pelo Ministério da Saúde mostram que, até agosto, a cobertura vacinal das doses indicadas para crianças com até 23 meses de vida variava de 53% a 75%.

Entre as vacinas com menor cobertura até o momento estão a primeira dose da tetra viral, que protege contra sarampo, caxumba, rubéola e varicela, com 53,5%; a dose contra a hepatite A, com 57,1%; e a pentavalente, que protege contra coqueluche, difteria, tétano, meningite e hepatite B, com 59,6%.

Já as vacinas com melhor cobertura são a BCG, que protege contra a tuberculose, com 75,9%; a primeira dose da tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola, com 68,7%; e a pneumo 10V, que previne cerca de 70% das doenças graves (pneumonia, meningite e otite) causadas por dez sorotipos de pneumococos, com 67,3%.

Cenário

Levantamento de rotina do ministério feito com estados e municípios, em visitas domiciliares na busca de não vacinados, indica como principais causas para a redução das coberturas vacinais o próprio sucesso do Programa Nacional de Imunizações, visto que não há mais circulação de algumas doenças no país, como a poliomielite.

Outra causa verificada pelas equipes de saúde é a desinformação provocada por boatos de que as vacinas não funcionam ou que trazem graves efeitos colaterais. A população, segundo a pasta, também indica que o horário de funcionamento das unidades de saúde atualmente é incompatível com a jornada de trabalho de pais e responsáveis.

“O perigo é que o aumento do fluxo migratório da população [sobretudo de países onde essas doenças ainda existem] e a interrupção da vacinação podem provocar a volta ou elevado número de casos de doenças como sarampo, pólio e rubéola, como tem sido identificado em países que estavam livres dessas doenças”, alertou o ministério.

Campanha

Diante das baixas coberturas vacinais, o governo federal lançou hoje campanha publicitária que alerta para a importância de se manter a vacinação em dia. O objetivo é mostrar que os baixos índices podem ser perigosos, uma vez que abrem caminho para a reintrodução de doenças já eliminadas no país e que podem matar.

Sob o conceito Porque contra Arrependimento não Existe Vacina, as peças publicitárias são classificadas pela própria pasta como impactantes e mostram casos reais de pessoas que sofrem até hoje pela não vacinação. Pela primeira vez, a mascote das campanhas de vacinação do ministério, Zé Gotinha, aparece em tom sério e preocupado.

A campanha conta com dois filmes, de 60 segundos e de 30 segundos, spots de rádio, anúncios de jornal e revista, mobiliários urbanos, painéis e ações na internet e nas redes sociais. Além disso, serão produzidos materiais com o calendário de vacinação para serem distribuídos para todas as unidades de saúde do Brasil. O conteúdo pode ser acessado procurando pela hashtag #FalaGotinha  e no sitesaude.gov.br/vacinacao.


Apesar dos figurões que estão aderindo à sua campanha na Bahia, o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) decidiu colocar exclusivamente nas mãos da deputada federal eleita Dayane Pimentel, presidente estadual de seu partido, o comando de sua campanha no Estado neste segundo turno, exatamente da mesma forma como funcionou no primeiro. A professora de Feira de Santana foi eleita com quase 137 mil votos surfando na onda do capitão reformado e é considerada sua figura de maior confiança por estas bandas.


O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, durante entrevista coletiva após encontro com dirigentes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília.

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad (PT), destacou hoje (11) que o seu adversário Jair Bolsonaro (PSL) sempre foi crítico do programa de transferência de renda Bolsa Família.

“Se tem alguém que criticou o Bolsa Família e, de certa maneira, humilhou os seus beneficiários, ao longo dos últimos 10 anos, foi o meu adversário. Não é fake news, basta ver na internet as frases que ele pronuncia sobre nordestinos que recebem o Bolsa Família”, disse Haddad, lembrando que seu adversário se referiu de forma “muito agressiva” aos beneficiários do programa.

A reação de Haddad foi uma resposta à afirmação de Bolsonaro que anunciou a pretensão de pagar o 13º salário para os beneficiários do programa.

CNBB

O presidenciável passou a manhã em Brasília onde teve reuniões na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Em nota, dom Leonardo Steiner disse que a CNBB é uma instituição aberta ao diálogo com pessoas e grupos da sociedade brasileira e que é comum, em período eleitoral, que candidatos de diversos partidos e grupos políticos solicitem agenda e sejam recebidos. “O candidato não veio pedir apoio e a CNBB não tem partido nem candidato.”

Para a CNBB, é fundamental expor as preocupações da Igreja Católica no Brasil. “Da minha parte, abordei com o candidato assuntos que preocupam os bispos do Brasil: a não legalização do aborto, a proteção do meio ambiente, atenção especial à questão indígena e quilombola, a defesa da democracia e o combate rigoroso à corrupção. Também lembrei ao candidato o trabalho realizado pela CNBB durante a Campanha da Fraternidade deste ano que tratou, de forma profunda, da mobilização pela superação da violência”, afirmou.

Debate

Haddad voltou a questionar a ausência de Bolsonaro nos debates, criticando o fato de ele conceder entrevistas, mas não participar de situações em que sejam colocados frente a frente. Em entrevista, o candidato do PSL afirmou que pretende participar de dois debates. Na próxima quarta-feira (18), ele será submetido a novos exames médicos.

“Eu sou leigo no assunto [médico], mas me parece contraditório uma pessoa não poder debater, mas poder dar entrevista. Uma entrevista é um debate com o jornalista, qual a diferença entre um debate com jornalista e com um adversário?”, afirmou Haddad, ressaltando que, da sua parte, trataria o candidato com deferência e respeito.

Pesquisa

Questionado sobre o resultado da pesquisa divulgada ontem (10) pelo Instituto Datafolha, que apontou Jair Bolsonaro com 58% dos votos válidos contra 42% de Haddad, o candidato do PT afirmou que pode reverter a vantagem do adversário no segundo turno. “Em 30 dias, eu saí de 4% e estou com 42% dos votos válidos na pesquisa (…). Quem saiu de 4% para 42% tem chance de chegar a 50% ou mais com duas semanas de trabalho.”

Haddad recebeu apoio do PSB e citou o empenho dos governadores Ricardo Coutinho (Paraíba) e Paulo Câmara (Pernambuco) em sua campanha. PDT e PSOL também declararam apoio formal no segundo turno.

“Eu penso que as forças democráticas estão ganhando impulso nesse segundo turno. Chegamos na quinta[-feira] com rol de personalidades e de pessoas que percebem o risco que a democracia no Brasil está correndo, então é uma grata satisfação ter tido o apoio dos governadores Ricardo Coutinho, do Paulo Câmara, do Ciro Gomes, do Guilherme Boulos. São pessoas de referência na sociedade.”


O candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), admitiu, em conversa com a imprensa nesta quinta-feira (11), que está considerando a possibilidade e não participar de debates com opositor Fernando Haddad (PT). “Existe a possibilidade sim estratégica (de não ir a debate)”, disse.

Nesta quinta, o petista convocou Bolsonaro para os debates que estavam programados nesta quinta, na TV Bandeirantes, no domingo, na TV Gazeta, e na segunda, no SBT. Todos esses foram cancelados pelos organizadores. “Deputado Bolsonaro, vem contar para o povo brasileiro o que você fez durante 28 anos no Congresso Nacional. Vem pro debate“, convidou Haddad.

Em resposta, o capitão da reserva ironizou a possibilidade de participar dos debates e provocou o opositor. “O Haddad fica me desafiando: quero que você diga o que fez por 28 anos no Parlamento. Vou responder agora: não roubei ninguém, Haddad. Como presidente, você aceitaria que o crime organizado continuasse sendo comandado de dentro dos presídios? (…) Não adianta debater com alguém que não é quem vai indicar os ministros. Não adianta debater com um ventríloquo do Lula. Qual é a autenticidade do Haddad?”, questionou.


Clique aqui e confira fotos da Gincana. Registrou momentos, envie ao nosso WhatsApp. 73991775984.

A Escola Estadual Maria Cândida, em Itiruçu, utilizou de muita criatividade para envolver toda a comunidade com tema: Educação, Escola e transformação Social.

A programação da Gincana envolveu jogos entre as equipes no Campo Society, Boleado, Passeio Ciclístico, Carro-Madrinha, Sala Temática, Grito de Guerra, Vídeos, Mascote, Tarefas surpresas e  Paródias.

Equipe azul foi à campeã. Fotos Itiruçu Online

Por uma diferença de apenas 20 pontos para a equipe Verde, a equipe  azul venceu a gincana. A intenção da escola foi de promover a cidadania entre os alunos e estimular o conhecimento pelos meios adotados à realização da Gincana.

A gincana iniciou as atividades na última segunda-feira (08) e finalizou na tarde desta quinta-feira (11).


O número de pessoas cegas ou com visão comprometida no mundo chega a 253 milhões, segundo dados da Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) e a Agência Internacional de Prevenção da Cegueira (IAPB, do nome em inglês International Agency for Prevention Of Blindness). Segundo o presidente do CBO, José Ottaiano, desse total, estima-se que em torno de 75% dos casos podem ser reversíveis. Hoje (11) é comemorado o Dia Mundial da Visão. Segundo Ottaiano, um indivíduo que tem uma miopia de 4 ou 5 graus, por exemplo, se ele não corrigir esse erro refrativo, é enquadrado como deficiente visual ou sem uma visão adequada. Ele também explicou que a catarata é considerada uma cegueira reversível. “No entanto, se você não operar, o indivíduo fica com uma deficiência visual”.

O presidente do CBO disse que a grande maioria das pessoas com cegueira ou visão comprometida no mundo, cerca de 90%, moram em países em desenvolvimento, que não dispõem de sistemas de saúde básica mais avançados.  As principais causas de cegueira são os chamados erros refrativos, como miopia, astigmatismo, hipermetropia, que são corrigidos por graus de óculos; catarata; glaucoma; e degeneração macular relacionada à idade (DMRI).

Campanha

Nesta quinta-feira, o CBO e a IAPB lançaram a campanha Saúde Ocular em Todo Lugar em comemoração ao Dia Mundial da Visão, data que é celebrada toda segunda quinta-feira de outubro. Segundo Ottaiano, trata-se de um programa de interiorização, ou seja, fazer com que a saúde ocular chegue a todos os lugares. “O Conselho Brasileiro de Oftalmologia vem fazendo isso há dez anos”.

A entidade tem 102 serviços credenciados na área de oftalmologia, com maior concentração nas capitais. “Só três estados não têm [esse serviço]”. Segundo o presidente do conselho, isso acaba criando uma cultura na população e os profissionais se fixam nas regiões e onde se desenvolvem. “Na realidade, isso é uma maneira de ter saúde ocular em todo lugar, principalmente aqueles com difícil acesso”.

Queda

Ottaiano disse que, de 1990 para 2015, houve uma queda de 4,58% para 3,37% nos problemas visuais em termos de cegueira na população mundial. “A população mundial vem andando para a frente, apesar das diferenças e particularidades entre os países”. No Brasil, de acordo com o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 45,6 milhões de brasileiros têm alguma deficiência visual, dos quais 6 milhões teriam deficiência visual importante. O restante é cegueiras ou deficiência reversíveis.

De acordo com Ottaiano, o Brasil necessita de uma média de 600 mil cirurgias de catarata por ano e realiza entre 400 mil a 500 mil cirurgias. “Os pacientes passam a se acumular para o ano seguinte”, disse.

Prevenção

Como forma de tratamento, o médico disse que a prevenção é muito melhor, mais eficaz e barata, e pode ser feita, inclusive, desde antes do nascimento. A ideia é que as pessoas procurem o oftalmologista, considerando a prevenção como uma prática regular, para evitar o aparecimento de doenças visuais.

“A prevenção é a palavra mágica porque, na realidade, a gente tem que tratar antes da doença. A doença já é a consequência, o indesejável”. Os esforços devem ser concentrados na educação e conscientização da população em relação aos cuidados com a visão.


O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, anunicou nesta quinta-feira, 11, o nome de três ministros em um eventual governo. Ao lado de apoiadores como o filho, Flávio Bolsonaro, o senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ) e a deputada federal eleita Joice Hasselmann (PSL-SP), o candidato do PSL confirmou os nomes de Onyx Lorenzoni, do DEM,para Casa Civil, do general Augusto Heleno para a Defesa e o do economista Paulo Guedes para a Economia

“Ainda não temos nome para outros ministérios, até porque temos de esperar com prudência o dia 28 de outubro, onde podemos ter a certeza de anunciar nomes”, afirmou Bolsonaro.

Em sua primeira entrevista após o primeiro turno, ele iniciou o discurso agradecendo a Deus por sobreviver ao atentado de Juiz de Fora, onde recebeu uma facada. O candidato à vice-presidência, general Hamilton Mourão, e o assessor econômico Paulo Guedes não participaram da coletiva, que aconteceu em menos de meia hora numa sala reservada do hotel Windsor Barra, na zona oeste do Rio. Em entrevista recente, o presidenciável afirmou que evitará que os dois tenham contato com a imprensa, por não terem “traquejo”. No mesmo local, acontece um encontro de Bolsonaro com os seus apoiadores.

Por cerca de 15 minutos, Bolsonaro falou abertamente, em seguida, permitiu que a imprensa fizesse algumas poucas perguntas. Apesar do grande número de representantes da imprensa presentes, para poucos foi dada oportunidade de questionar o candidato. A primeira inscrita da imprensa nacional, uma repórter da Folha de S. Paulo foi vaiada e hostilizada por apoiadores de Bolsonaro que cercaram a imprensa durante a coletiva. Foi preciso que o presidente do PSL, Gustavo Bebbiano, pedisse respeito à imprensa, para que se calassem e permitissem que a repórter fizesse sua pergunta.

“Valorizaremos a família e vamos fazer negócio com o mundo todo sem viés ideológico. Vamos jogar pesado na questão de segurança. Garantiremos sim a liberdade de imprensa, não tem aquela história de controle social. Vamos garantir o legítimo direito à defesa do cidadão. Falta pouco para começarmos a mudar o nosso Brasil”, discursou Bolsonaro.

O candidato disse ainda que vai valorizar a pesquisa tecnológica e que vai “garantir o legítimo direito à defesa do cidadão”, referindo-se ao direito ao porte de arma. “Queremos que a imprensa seja independente e tenha responsabilidade no que escreve”, complementou.

Bolsonaro ainda se posicionou sobre a morte do capoeirista baiano Romualdo Rosaldo da Costa, assassinado nesta semana por um admirador. “Não podemos admitir crime nenhum; se foi uma pessoa que votou em mim, dispensamos esse tipo de voto. Quem quer que seja, cometeu um crime, tem que pagar”, afirmou.

O candidato ainda negou que seja de extrema direita e que tenha contratado o marqueteiro de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, para sua campanha. “Nós não temos recursos para pagar campanha”, disse o candidato.


Candidato à Presidência nas eleições 2018 pelo PT, Fernando Haddad apelou mais uma vez para que o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) participe de debates frente a frente no segundo turno da disputa. “Por que entrevista pode e debate não?”, questionou o petista. “Da onde saiu essa prescrição médica? Gostaria de entender melhor.”

O petista acusou ainda o candidato do PSL de espalhar mentiras dizendo que, durante os governo do PT, o Ministério da Educação distribuiu o chamado kit gay nas escolas. “Ele não conhece escola pública, ridícula essa manifestação. Por isso que foge dos debates”, atacou Haddad. “Você acha certo ganhar voto mentindo contra seu oponente? Isso não tem nenhum cabimento.”

Nesta quinta-feira, 11, pela manhã, Haddad gravou e postou em suas redes sociais nesta quinta-feira, 11, um curto vídeo desafiando o adversário a participar de um debate na TV no segundo turno. “Deputado Bolsonaro, vem contar para o povo brasileiro o que você fez durante 28 anos no Congresso Nacional. Vem pro debate!”, diz o petista.

Na quarta-feiram 10, a equipe médica que supervisiona a recuperação do presidenciável recomendou que ele não participe de nenhum debate até o próximo dia 18. Com isso, foram cancelados os debates da TV Bandeirantes, Estadão/TV Gazeta, Rede TV/IstoÉ e SBT/Folha, previstos para ocorrer antes da próxima avaliação médica, no dia 18.

Horas mais tarde, Haddad disse a jornalistas novamente que quer debater com Jair Bolsonaro. “Por que entrevista pode e debate não?”, questionou o petista. “Da onde saiu essa prescrição médica? Gostaria de entender melhor.”


A exemplo de outros partidos, o MDB também decidiu liberar seus filiados para apoiar os candidatos Fernando Haddad (PT) ou Jair Bolsonaro (PSL) na disputa no segundo turno das eleições presidenciais. O presidente nacional do MDB, senador Romero Jucá (RR), disse há pouco que a legenda se posicionou pela neutralidade na corrida pelo Palácio do Planalto. “Estamos liberando os membros do MDB de votar com sua consciência”. Perguntado como o MDB se posicionará em relação ao próximo governo, Jucá disse que o partido ficará “independente” e que a legenda votará de acordo com os interesses do país. “Ser oposição é ficar contra o Brasil”, acrescentou. O MDB teve no primeiro turno o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles como candidato à Presidência. Ele recebeu 1.288.948 votos, o correspondente a 1,2% da votação, ficando em 7º lugar na disputa.

Agência Brasil