Major Denice: aposta de Rui em Salvador provoca princípio de incêndio no PT baiano

Desde que o presidente do Bahia, Guilherme Bellintani, avisou que não pretende disputar a Prefeitura de Salvador, o PT perdeu o seu candidato dos sonhos e a escolha do nome que vai representar o partido do governador Rui Costa vem sendo marcada por uma série de idas e vindas. No decorrer desta semana, esta reportagem precisou ser reescrita algumas, para se adequar às movimentações nos bastidores da disputa pelo Palácio Thomé de Souza.  Enquanto o prefeito ACM Neto (DEM) indicou ainda nos primeiros dias de janeiro o seu vice, Bruno Reis, como o seu pré-candidato, o maior partido que lhe faz oposição ainda vai precisar de alguns dias, pelo menos, antes de apresentar a sua aposta para a disputa de outubro. Nos últimos dias, o nome da major Denice Santiago ganhou força, graças ao apoio explícito de Rui ao seu nome, em detrimento dos outros quatro pré-candidatos que já estavam posicionados.  Nos bastidores do Partido dos Trabalhadores o que se diz é que questão de tempo até que a policial militar, notabilizada pela criação da Ronda Maria da Penha, seja apontada como o nome petista. Diante do cenário, os defensores dos outros quatro pré-candidatos se dividem entre a resignação ante a vontade do governador e o desejo de protelar a fase de discussões para, quem sabe, conseguir um desfecho diferente.

Em entrevistas recentes, o governador e Wagner indicaram o desejo ter já neste 2 de fevereiro, quando a Bahia homenageia Iemanja o nome do partido para a disputa. Oficialmente, Rui disse que Denice se junta aos outros pré-candidatos. Afirma ainda que Salvador precisa ser governada por uma mãe. Reservadamente, apontou ela como a sua candidata durante um encontro com o ex-presidente Lula, noticiado pela Revista Veja.  Nos corredores do PT, o que se diz é que o governador já tem maioria para fazer valer o seu desejo de indicar Denice. E que isso vai acontecer em questão de dias. Da próxima semana não passa é o que se chega a dizer, mesmo entre quem defende outros nomes. “Se a major não puder aparecer como a pré-candidata no 2 de fevereiro, aparece no Carnaval”, brinca um aliado de Rui.

Desde 24 de janeiro, a reportagem vem tentando manter, sem sucesso, contato com a major Denice. Numas das ligações, ela chegou a sinalizar via SMS que não podia falar. Além dela, estão entre os pré-candidatos do partido o deputado estadual Robinson Almeida, o ex-ministro da Cultura Juca Ferreira, a socióloga Vilma Reis e a secretária de Promoção da Igualdade Racial, Fabya Reis.  Clique aqui e leia mais sobre o assunto.


Comentários

Os comentários estão fechados.

Notícias Relacionadas