Itiruçu II: Operação da PF investiga fraude contra benefícios previdenciários do INSS

Operação visa investigar fraude em benefícios do INSS.

Outra operação da Polícia Federal investiga suspeitos de fraudarem benefícios previdenciários rurais de pensão por morte e aposentadorias. Itiruçu, Lafaiete Coutinho e Lajedo do Tabocal estão, neste momento, entre os alvos dos Policiais Federais. O objetivo é desarticular fraudes contra o INSS, que já deu prejuízo aos cofres da Previdência.

 

Três Viaturas da PF pararam na Câmara de vereadores de Itiruçu na manhã desta terça-feira (27), onde apenas teve um mandado de buscas para ser  revistado o gabinete de um  vereador. Outras pessoas da cidade serão ouvidas. A ação é resultado de denúncias.

 

Estão sendo cumpridos um mandado de prisão preventiva, sete mandados de condução coercitiva, três mandados de busca e apreensão e três medidas cautelares de suspensão de atividade. Não foi possível, ainda, apurar o montante total da fraude, resultado Operação Inredux, visando desarticular esquema ilícito de fraudes à Previdência Social na região centro-sul da Bahia.

 

As investigações iniciaram em 2014, a partir de informações de que uma pessoa estaria atuando de forma irregular na intermediação de requerimentos de benefícios junto à agência de Itiruçu da Previdência Social. Após o cumprimento de mandado de busca no escritório do investigado e a obtenção de informações adicionais com a referida agência, foram identificados vários requerimentos de benefícios previdenciários de natureza rural feitos pelo investigado e instruídos com documentos falsos, em especial certidões de nascimento e contratos de comodato. Também se constatou a falsificação de declarações de atividade rural, as quais eram obtidas junto aos sindicatos dos pequenos produtores rurais de Itiruçu, Lajedo do Tabocal e Lafaiete Coutinho, cujos responsáveis, suspeita-se, tinham participação no esquema criminoso.
Ainda de acordo com a PF, mesmo após o cumprimento do referido mandado de busca, verificou-se que o investigado continuou com sua atuação ilícita, passando, ainda, a orientar testemunhas a mentir aos investigadores para acobertar seu envolvimento nas fraudes. Aliás, esta atitude irredutível do investigado, persistindo na prática criminosa, foi o que justificou o nome da operação: Inredux (em latim, irredutível).
Durante toda a fase de investigação e na deflagração da operação policial, a Polícia Federal contou com o apoio da Agência da Previdência Social de Itiruçu. Os investigados, na medida de sua participação, vão responder pelos crimes de estelionato previdenciário, associação criminosa, falsificação de documentos públicos, falsidade ideológica e falso testemunho.
Atualizadas às 10h34min para implementação de informações.

Comentários

Os comentários estão fechados.

Notícias Relacionadas