Efeito ignorância: Jovem foge de casa para não tomar Vacina com medo de tornar-se um mutante em Ubatã

O jovem Dionatas Silva de Jesus, 25 anos de idade, morador da rua 4, número 61 no Bairo Reliquia na cidade de  Ubatã, saiu para trabalhar na manhã de segunda feira (18) e não retornou para casa. Seus pais estão aflitos com o  desaparecimento.

Considerado bom filho e bastante estudioso, Dionatas escreveu uma carta para os pais onde alega que “fugiu de casa para não tomar a vacina contra o coronavírus”. Na carta pede aos familiares que não tomem a vacina para que não se tornem “mutantes “. No dia do seu desaparecimento chegou a ligar para o irmão perguntando se os pais já tinham lido a carta e reiterando que tinha saído de casa para não ser vacinado.

O pai de Dionatas, Edmar, é cantor gospel da Igreja Assembléia de Deus de Ubatã. Em contato com a reportagem do Blg  Ipiaú Online, ele solicitou a quem tiver qualquer notícias do paradeiro do filho que entre em contato com a família. “Ele é um menino criado mais dentro de casa, estudando e indo para a igreja. Aí aconteceu isso”, comentou.

Contatos: 73 98869 4421

Ataques e ignorância contra a vida Humana. 

No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro questionou, por briga política com o governador de São Paulo João Dória, jogando para seu eleitorado possíveis efeitos colaterais das vacinas contra o coronavírus, tomando como exemplo a da Pfizer/BioNtec, e afirmou que não há garantia de que ela não transformará quem a tomar em “um jacaré”.

“Lá no contrato da Pfizer, está bem claro nós (a Pfizer) não nos responsabilizamos por qualquer efeito colateral. Se você virar um jacaré, é problema seu”, disse Bolsonaro, à época, que questionou em várias ocasiões as vacinas e a gravidade da pandemia que já deixou mais de  200 mil mortos no Brasil.

“Se você virar Super-Homem, se nascer barba em alguma mulher aí, ou algum homem começar a falar fino, eles (Pfizer) não têm nada a ver isso. E, o que é pior, mexer no sistema imunológico das pessoas”, disse Bolsonaro quando a vacina estava sendo estudada em SP.

Após a provação do imunizante contra a covid-19, as redes sociais já ganharam campanhas integracionistas contra a vacina e diversos links falsos de mortes de pessoas que teriam tomando vacinas no Brasil e em outros países. Os negacionistas estão jogando contra a vida humana e torcendo para que as pessoas não tomem a Vacina financiada pelo Governo de São Paulo, mesmo sendo aprovada pela Anvisa e já comprada pelo próprio Bolsonaro, que de fato ajudou nas campanhas de informações desencontradas contra a Vacina.


Comentários

Os comentários estão fechados.

Notícias Relacionadas