Conquistense concorre ao título de musa dos Blocos do Rio no carnaval

priscillaferr

A música e o carnaval fazem parte da história de Priscilla Ferr, cantora que se apresenta no Leme, no próximo dia 7 de fevereiro, ao lado do Bloco Brasil. Nascida em Vitória da Conquista,  de um músico e de uma família onde “todo mundo tocava alguma coisa”, ela se tornou intérprete por uma consequência natural.

Priscilla Ferr é a primeira de cinco candidatas que serão apresentadas ao longo dos próximos dias e que concorrem ao título de Musa dos Blocos do Rio, em eleição promovida pelo G1 a partir da próxima sexta (30). Todas as candidatas — escolhidas pelo site — têm relação com algum bloco de carnaval de rua carioca e são foliãs apaixonadas.

Família de músicos
“Meu pai era músico e eu o perdi muito pequena. Mas, na minha infância, fui a muitos saraus aos finais de semana, onde ele escrevia poesia e tinha música de manhã, de tarde e de noite. Mesmo com a ausência do meu pai, eu cresci ao lado dos meus tios, que eram influenciados pela música”, afirma Priscilla.

A cantora veio morar no Rio com 18 anos, depois de correr por muito tempo atrás do trio elétrico, na Bahia. Quando chegou, entrou em contato com outras influências: “Eu caí em um campo mais carioca. Da bossa nova, de Elis Regina, de Cartola… Outras influências passaram a fazer parte da minha música”.

As performances na Marquês de Sapucaí também a impressionaram. “Quando eu vi uma escola de samba passar e tudo estremecer, aquela beleza artística me deixou realmente fiquei tocada. É emocionante e apaixonante. Não tem como você ir para o Sambódromo e não se deixar influenciar e envolver por aquilo. É um outro horizonte”, conta.

Inspiração baiana
Fã dos Novos Baianos e de Caetano, Gil, Gal e Bethânia, Priscilla também foi influenciada pelas cantoras de axé music. “Elas têm um jeito de cantar e dançar, onde todo o corpo dança e canta junto. São muitos expressivas, cada uma à sua maneira. E sempre têm uma mistura de sexualidade, sem ter um propósito nisso, sem ser o foco direto. O foco maior das cantoras baianas é trazer a alegria com a dança”, diz.

Ela acredita que o título de Musa dos Blocos pode a ajudar a alcançar um público maior. “O objetivo é atingir uma massa de pessoas. Eu quero que mais pessoas ouçam as nossas músicas, o máximo que a gente puder. Acho que esse título pode abrir portas profissionais. Porque a ideia é muito mais atingir o público pela alegria do que simplesmente pela beleza”.

Priscilla define os seus cuidados de beleza no dia a dia como simples. Ela afirma praticar exercícios físicos três vezes na semana, beber muita água, ter uma boa alimentação e cumprir a maioria dos seus compromissos de bicicleta. “Eu mesma faço o meu cabelo. Eu sempre me virei. A minha mãe era dona de loja. Eu acompanhava os desfiles e via como os maquiadores faziam. Fora isso, é preciso ter bons produtos”.

‘Palco é vitrine’
Vocalista do Bloco Brasil desde a fundação, ela afirma que a banda faz jus ao nome e percorre a diversidade dos ritmos da música do país. “A gente abraça todos os ritmos musicais brasileiros. Temos xote, quadrilha, frevo, rock, pop, samba. É tudo mesmo. Fazemos releituras de grandes sucessos. Impregnamos um estilo nosso”.

Priscilla acredita que o assédio é consequência de um papel de destaque. “É claro que quando você desce do palco tem gente que vem para elogiar o seu trabalho e para elogiar a sua fisionomia. Às vezes caem na paquera. O palco é uma vitrine para as pessoas nos olhares de uma maneira especial. Mas toda arte tem um pouco de brilho neste sentido”. Com informações do Portal G1


Comentários

Os comentários estão fechados.

Notícias Relacionadas