O prefeito de Itaquara, Marco Aurélio (PSB), assinou, na última terça-feira, 19, em Salvador,  um convênio com a  Secretaria de Saúde da Bahia, voltado para a Reforma do Hospital Municipal do município. Os recursos foram  viabilizados através do Deputado Victor Bonfim, no valor de R$ 250 mil reais. “Estive em Salvador assinando um convênio no valor de R$ 250 mil reais para reforma do CAMOI, nosso hospital municipal com o apoio do deputado estadual Vítor Bonfim. O governador Rui Costa atendeu a  nosso pedido e essa importante se tornará uma  realidade. Sabemos o quanto   a saúde é, sobretudo,  a prioridade das prioridades e,  por isso,  não vamos medir esforços para melhorar cada vez mais os serviços que são  prestados para a nossa população. Contem comigo para ir atrás de recursos onde eles estiverem. O objetivo é melhorar a vida das pessoas, em todos os cantos de nossa Itaquara, mantendo  atenção para quem mais precisa”, disse o gestor.


A prevenção é o cuidado mais importante em relação às queimaduras, especialmente com a chegada das festas juninas, quando a tradição das fogueiras e dos fogos de artifício toma conta de todo o estado. Na Bahia, dois hospitais são referência no atendimento de queimaduras. O Hospital Geral do Estado (HGE), em Salvador, é unidade de referência e um dos poucos equipamentos no país dotados de centro cirúrgico e UTI próprios, e, no interior, a especialidade é encontrada no Hospital Regional, em Santo Antônio de Jesus.

A unidade em Salvador vem se preparando para o período. A equipe está desde o mês de abril se atualizando sobre os métodos de atendimento. Segundo o diretor-geral do HGE, André Luciano Andrade, é preciso atenção especial com as crianças. “Os pais precisam estar presentes, não deixar essas crianças manusearem fogos de artifício mais potentes e, mesmo com os de baixo risco, é preciso atenção, para que elas não se queimem”. Andrade explica que as partes do corpo mais afetadas pelos acidentes com fogos de artifício são as mãos. “Mas uma explosão de bomba pode afetar a visão, ou provocar queimaduras em outras partes do corpo”, acrescentou.

O diretor informa que o HGE possui o maior centro de queimados da Bahia, inaugurado em 2016. “O HGE não tem uma preparação específica para esta época do ano, mas tem uma estrutura e uma equipe multidisciplinar preparadas no dia a dia para qualquer situação. Nós somos também referência no setor de cirurgia de mãos, que podem ser atingidas especialmente por acidentes com bombas”.

Em 2017, o Hospital Geral do Estado, realizou 53 atendimentos entre os dias 23 e 25 de junho, sendo 24 de queimaduras por fogos e 29 por explosão de bomba. O hospital é referência no estado e um dos poucos serviços no país dotados de centro cirúrgico e UTI próprios, o Centro de Tratamento de Queimados do HGE, possui 28 leitos de internamento e mais quatro de UTI.

No interior do estado, devido ao número de casos relacionados à queimadura no período do São João, o Hospital Regional de Santo Antônio de Jesus promoveu um simpósio visando conscientizar os profissionais de saúde sobre a importância da prevenção, do tratamento e terapia curativa aos pacientes vítimas de queimaduras.

As equipes assistenciais do município estão participando de atualizações em técnicas avançadas na terapia curativa e tratamento aos pacientes vítimas de queimaduras por fogos de artifício. No período festivo, o quadro de profissionais médicos e assistenciais recebe reforço em plantões estratégicos.

Primeiros Cuidados

Em caso de queimadura, não devem ser usadas pomadas nem soluções caseiras. A região afetada deve ser lavada com água corrente e protegida com uma compressa úmida. Em seguida, o paciente deve buscar atendimento em uma unidade de saúde.

Estudo divulgado pela Associação Brasileira de Cirurgia da Mão (ABMC) mostrou que ao menos 50% das mãos mutiladas no Brasil poderiam ser preservadas, caso o primeiro atendimento fosse especializado. No período de festas juninas, cerca de 90% dos acidentes graves, relacionados à explosão de bombas, resultam em amputações.


A três dias do final da campanha de vacinação da gripe, 10,8 milhões de brasileiros ainda não se vacinaram. Apesar do prazo ter sido prorrogado até o dia 22 de junho, a meta do Ministério da Saúde de ter 54, 4 milhões de pessoas vacinadas ainda não foi alcançada.  Nesta terça-feira, 19, o “vacinômetro” do Programa Nacional de Imunizações apontava que 81,5% da população prioritária que deveria receber as doses foi vacinada. A vacina contra a gripe é indicada por pessoas em maior risco de transmissão (como profissionais da saúde) ou pessoas com maior possibilidade de desenvolver complicações mais graves (como é o caso de idosos).

Alerta sobre a cobertura

Para o Ministério da Saúde, a baixa cobertura registrada até o período “acendeu um alerta”. A preocupação, segundo a pasta, é com a proximidade do inverno, período considerado de maior circulação do vírus da gripe. Dentre as regiões, a Sudeste é a que teve a menor cobertura vacinal contra a gripe até o momento, com 70,9%. Em seguida, as regiões Norte (72%), Sul (81,3%), Nordeste (84%) e Centro Oeste (91,4%). Ainda segundo o boletim do Ministério, as crianças de seis meses a cinco anos e as gestantes registram o menor índice de vacinação contra a gripe. Um dado preocupante devido a vulnerabilidades de ambos. Já o público com maior cobertura é dos professores com 96,32%, seguido pelas puérperas, mulheres que deram à luz há pouco tempo, (94,78%). Cobertura da vacinação da gripe por grupos, em %.

Alerta sobre a cobertura

Para o Ministério da Saúde, a baixa cobertura registrada até o período “acendeu um alerta”. A preocupação, segundo a pasta, é com a proximidade do inverno, período considerado de maior circulação do vírus da gripe. Dentre as regiões, a Sudeste é a que teve a menor cobertura vacinal contra a gripe até o momento, com 70,9%. Em seguida, as regiões Norte (72%), Sul (81,3%), Nordeste (84%) e Centro Oeste (91,4%). Ainda segundo o boletim do Ministério, as crianças de seis meses a cinco anos e as gestantes registram o menor índice de vacinação contra a gripe. Um dado preocupante devido a vulnerabilidades de ambos. Já o público com maior cobertura é dos professores com 96,32%, seguido pelas puérperas, mulheres que deram à luz há pouco tempo, (94,78%). Cobertura da vacinação da gripe por grupos, em %. ( G1/Bahia).


Fotos: Manu Dias/GOVBA

Para fortalecer o combate ao câncer de mama na Bahia, um acordo foi assinado, na manhã desta terça-feira (12), pelo governador Rui Costa e o Instituto Avon, por meio da Fundação Pio XII, entidade mantenedora do Hospital do Câncer de Barretos. Serão investidos R$ 12 milhões pelo Instituto na implantação e operação do Programa de Rastreamento do Câncer de Colo de Útero e Mama no estado, que tem como objetivo aumentar o diagnóstico precoce da doença, melhorando as chances de cura das pacientes. Como contrapartida, o Estado arcará com a manutenção de unidades fixas e móveis, ao custo superior a R$ 16 milhões por ano.

“A Bahia está em primeiro lugar no rastreamento do câncer de mama, e nós vamos ampliar esse serviço. Hoje nós chegamos a esse resultado com uma unidade móvel do Hospital da Mulher e com as policlínicas, e com a parceria com o Hospital de Barretos e o Instituto Avon, teremos mais quatro unidades móveis para realização de exames para prevenção ao câncer de mama e ao câncer de colo do útero nos municípios. Além disso, o Instituto Avon e o Hospital da Mulher assumem, nas policlínicas, a parte de diagnóstico de câncer de mama e colo do útero. Nós estamos, portanto, montando uma rede de assistência à mulher”, afirmou o governador.

O investimento irá expandir o rastreamento mamográfico na Bahia por meio da realização de exames em mulheres que não apresentam sintomas da doença. A detecção do câncer de mama no estágio inicial eleva as chances de cura em até 95% dos casos. “É uma felicidade fazer parte desse convênio que irá mudar a história do rastreamento do câncer na Bahia, levando mais saúde e qualidade de vida para tantas mulheres”, afirmou a diretora executiva do instituto, Daniela Grelin.

Serão construídas quatro unidades móveis adaptadas, vinculadas às policlínicas regionais de Jequié, Irecê, Teixeira de Freitas e Guanambi. Duas unidades já existentes receberão suporte, uma em Salvador, no Hospital da Mulher, e outra no município de Juazeiro. Além destas, seis unidades fixas serão equipadas nos mesmos municípios. O Governo do Estado, através da Secretária de Saúde (Sesab) irá arcar com os custos de pessoal, manutenção e operação das unidades.


Caso foi descoberto depois que o falso médico solicitou a transferência de um paciente (Foto: Reprodução/TV Bahia)

Uma ação de improbidade administrativa foi ajuizada pelo Ministério Público (MP-BA) contra um falso médico que atuou como plantonista por pelo menos quatro dias na Policlínica de Humildes, distrito de Feira de Santana, entre setembro e outubro de 2015. A ação foi impetrada na terça-feira (5). Segundo o promotor de Justiça Tiago Quadros, autor da ação, Dorian Cristian Gomes dos Santos foi contratado pela Cooperativa de Trabalho Redesaúde, terceirizada pela prefeitura, e utilizou credenciais de um médico cooperado que não atuava pela Redesaúde há mais de dois anos. O falso médico chegou a ser preso em 2015, quando a fraude foi descoberta.

Além de Dorian Cristian, são acusados de causar prejuízos aos cofres públicos municipais o coordenador médico da cooperativa, Thiago Abade Cotinguiba; o coordenador da Policlínica, Celimário Rodrigues da Silva e a própria Redesaúde. O G1 entrou em contato com a Secretaria de Saúde de feira de Santana, que ficou de se posicionar sobre o caso. A reportagem também tentou falar com a Redesaúde, mas não conseguiu contato. Segundo a ação, o falso médico confessou a fraude em depoimento prestado à polícia.

Já a cooperativa é responsabilizada por disponibilizar ao coordenador da unidade de saúde a sua estrutura empresarial como forma de disfarçar a contratação de falso médico. Conforme a ação do MP-BA, Dorian Cristian teria se passado por médico com o aval deliberado de Thiago Cotinguiba, responsável por organizar as escalas de plantão dos profissionais de saúde terceirizados e pela contratação ilegal do falso plantonista. Dorian Cristian não utilizava crachá e se apresentava apenas com um carimbo que continha o nome de um médico e a respectiva inscrição dele no Conselho de Medicina da Bahia (Cremeb).

 

Ainda segundo o MP-BA, por plantão prestado, Dorian Cristian recebeu R$ 500, quando os valores oficiais pagos aos prestadores de serviços são de R$ 1,5 mil nos dias úteis e R$ 1,7 mil nos finais de semana. O promotor de Justiça Tiago Quadros afirma que o coordenador da unidade de saúde, Celimário Rodrigues da Silva, “facilitou o dano ao erário decorrente dos pagamentos ilícitos”, pois deixou de realizar a “necessária fiscalização”. Quando o caso foi revelado, em 2015, a polícia informou que Dorian Christian Gomes dos Santos era formado em Medicina na Bolívia e usava carimbo de outro médico. O caso foi denunciado à polícia por um médico do Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA), que recebeu a solicitação do falso profissional para transferir pacientes para o hospital. De acordo com a assessoria do HGCA, o carimbo que o falso médico usava era do irmão do médico do hospital, que estava viajando.


Entre os três tipos de câncer de pele (carcinoma basocelular, carcinoma espinocelular e melanoma), o melanoma se destaca como o mais perigoso representando 3% dos casos de tumores malignos, com alto nível de mortalidade e metástase, de acordo com dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). No Brasil, o câncer já é a segunda causa de morte por doenças, atrás apenas das enfermidades do aparelho circulatório.

O mês de Junho, denominado Junho Preto, foi escolhido para conscientizar a população sobre a condição e também fazer um alerta sobre a importância do diagnóstico precoce. A Medicina Nuclear conta com dois exames que identificam as metástases provocadas pelo melanoma antes das alterações anatômicas, ou seja, antes que elas estejam visíveis. É a Linfocintilografia com SPECT/CT e o PET/CT para Melanoma.

Linfocintilografia com SPECT/CT

A Linfocintilografia é realizada com a injeção de um radiofármaco, para extrair o linfonodo sentinela, que, se estiver acometido pelas células cancerígenas, indica que existem outros gânglios comprometidos (micrometástase) e determina a retirada de todos os linfonodos presentes no local por meio de cirurgia.

As imagens tomográficas do linfonodo sentinela são captadas pelo equipamento SPECT/CT (Cintilografia Tridimensional e Tomografia Computadorizada), tecnologia de diagnóstico por imagem mais rápida, precisa e com menos radiação.

PET/CT para Melanoma

Neste exame, injeta-se um análogo da glicose na veia do paciente, que se concentra nas lesões tumorais, localizando os focos de metástases. Uma análise do corpo inteiro é realizada com alta precisão graças ao equipamento PET/CT (Tomografia por Emissão de Pósitrons e Tomografia Computadorizada), tecnologia de diagnóstico por imagem mais sensível, que permite determinar o tratamento mais adequado.

De acordo com o médico nuclear e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear, George Barberio Coura Filho – responsável clínico da Dimen SP (www.dimen.com.br), o PET scan não é útil para pacientes com melanoma em estágio inicial, mas pode ajudar a diagnosticar se a doença evoluiu para determinar qual o melhor tratamento para combater o câncer e garantir maior qualidade de vida ao paciente. “Esta tecnologia nos permite conhecer a localização exata do câncer e determinar sua extensão, o que possibilita escolher o tratamento correto para o tipo de lesão”, explica o especialista.

Medicina Nuclear

Ainda pouco conhecida pelos brasileiros, a especialidade analisa a anatomia dos órgãos e também seu funcionamento em tempo real, permitindo diagnósticos e tratamentos mais precoces e precisos. A prática atua na detecção de alterações das funções do organismo acometidos por cânceres, doenças do coração e problemas neurológicos, entre outros.

A medicina nuclear conta com exames de alta tecnologia, como o PET/CT, que é capaz de realizar um mapeamento metabólico do corpo e captar imagens anatômicas de altíssima resolução, com reconstrução tridimensional, localizando com exatidão nódulos, lesões tumorais e inúmeras outras condições clínicas. O SPECT/CT é a tecnologia de diagnóstico mais rápida, precisa e com menos radiação, que permite melhor localização anatômica dos achados de cintilografia, permitindo um procedimento mais preciso e menos invasivo.


Em razão da greve dos caminhoneiros, e com a finalidade de atender a demanda de vacinação contra Influenza, o vírus da gripe, no município, a Prefeitura de Jequié, através da Secretaria de Saúde, atendendo a uma solicitação do Ministério da Saúde, via Secretaria de Vigilância em Saúde, prorrogou o período de vacinação, que vai até o dia 15 deste mês. Aqueles que fazem parte do grupo prioritário a ser vacinado devem procurar as Unidades de Saúde, para serem imunizados: crianças de 6 meses a menores de 5 anos; gestantes; puérperas (até 45 dias após o parto); trabalhadores de Saúde; povos indígenas; indivíduos com 60 anos ou mais de idade; população privada de liberdade; funcionários do sistema prisional; professores da rede pública e privada; pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis; pessoas portadoras de outras condições clínicas especiais (doença respiratória crônica, doença cardíaca crônica, doença renal crônica, doença hepática crônica, doença neurológica crônica, diabetes, imunossupressão, obesidade, transplantados e portadores de trissomias). O objetivo é alcançar a meta estabelecida pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), atingindo a média de 90% das pessoas que residem no município e fazem parte do grupo prioritário.


A 20ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza será estendida até o dia 15 de junho. A determinação foi do Ministério da Saúde, em função da greve do transporte rodoviário. Também foi informado que a partir do dia 18 de junho, os municípios que não atingirem a meta, estabelecida pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), de vacinar 90% da população-alvo, deverão buscar estratégias para continuar vacinando os grupos prioritários, em especial, crianças, gestantes, idosos e pessoas com comorbidades, uma vez que a vacinação contra a influenza contribui sobremaneira para a redução das complicações, das internações e, consequentemente, da mortalidade decorrente das infecções pelo vírus da gripe, nos grupos alvos já definidos.

Outra medida adotada também será a de que, a partir do dia 18 de junho, caso haja disponibilidade de vacinas na Bahia ou nos seus respectivos municípios, a vacinação poderá ser estendida para crianças de cinco a nove anos de idade e adultos de 50 a 59 anos. Nesses grupos não será avaliada a cobertura vacinal, somente as doses aplicadas.

Na Bahia, até o momento foram vacinadas 2.128.795 pessoas, dando um percentual de cobertura de 68,65%. A meta da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) é imunizar 90% da sua população alvo, que é de 3,6 milhões de pessoas dos grupos prioritários: indivíduos com 60 anos ou mais; crianças de seis meses a menores de cinco anos; gestantes e puérperas (até 45 anos dias após o parto); trabalhadores da saúde; professores; povos indígenas; portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional.

 

Casos de H1N1

A Sesab informa que até o dia 26 de maio deste ano foram notificados 1.090 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), com 82 óbitos. Dentre esses casos, 209 foram confirmados para Influenza, sendo 164 pelo subtipo A H1N1, com 19 deles evoluindo para óbito. No mesmo período de 2017 foram notificados 275 casos de SRAG, com 21 óbitos. Dentre eles, 23 foram confirmados para Influenza, sendo dois casos de Influenza A H1N1 e nenhum óbito por A H1N1.

Foram confirmados casos de A H1N1 em 43 municípios e os óbitos ocorreram em nove deles. Salvador registrou onze (11) óbitos. Os outros municípios foram Apuarema (1); Camaçari (1); Irará (1); Lauro de Freitas (1); Retirolândia (1); Saúde (1); Serrinha (1) e Vitória da Conquista (1). A faixa etária de maior ocorrência ficou entre os menores de cinco anos (57 casos e sete óbitos) e maiores de 60 anos (24 casos e cinco óbitos), sendo que 66,6% dos óbitos ocorreram no grupo dos menores de cinco anos.


O número de casos confirmados da gripe H1N1 subiu de 114 para 153, segundo informações da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) divulgadas nesta quarta-feira (23). No último boletim, do dia 15 de maio, foram contabilizadas 15 mortes e agora são 18 óbitos por conta da doença. A Sesab informou ainda que até o dia 19 de maio foram notificados 966 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), com 76 óbitos. Desse total de casos, 193 foram confirmados para Influenza, sendo 153 pelo subtipo H1N1.

No mesmo período de 2017, a Sesab informa que foram notificados 241 casos de SRAG, com 20 óbitos. Dentre eles, 20 casos de Influenza, sendo dois casos de H1N1. Foram confirmados casos de H1N1 em 39 municípios baianos e os óbitos ocorreram em oito deles. Salvador (11), Camaçari (1), Irará (1), Lauro de Freitas (1), Retirolândia (1), Saúde (1), Serrinha (1) e Vitória da Conquista (1). A faixa etária de maior ocorrência ficou entre os menores de cinco anos (57 casos e sete óbitos) e maiores de 60 anos (24 casos e cinco óbitos), sendo que 66,6% dos óbitos ocorreram no grupo dos menores de cinco anos.

Segundo especialistas, a transmissão da H1N1 é feita pelo contato (saliva, espirro ou objetos contaminados). Os sintomas são dores mais fortes no corpo do que as provocadas pela gripe comum, febre alta e intensa dor de cabeça. A orientação é que quem apresentar os sintomas procure atendimento médico imediato.  A Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe começou no dia 23 de abril e vai até 1º de junho. Na Bahia, a meta é imunizar 90% do público alvo, formado por 3,6 milhões de pessoas dos grupos prioritários. Esses grupos são formados por indivíduos com 60 anos ou mais; crianças de seis meses a menores de cinco anos; gestantes e puérperas (até 45 anos dias após o parto); trabalhadores da saúde; professores; povos indígenas; portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional.


A população de Jequié e mais 27 municípios vizinhos comemoram, nesta segunda-feira (21), a ampliação do Hospital Geral Prado Valadares (HGPV). O governador Rui Costa inaugurou um novo prédio construído anexo ao hospital, que vai dobrar a capacidade de atendimento médico da unidade, que passa a ser a maior de todo o interior do Estado. O investimento de R$ 38 milhões, entre obras e equipamentos, irá beneficiar mais de 600 mil moradores que vivem na região.

“Com esta inauguração, nós estamos trazendo ao interior do Estado, procedimentos de média e alta complexidade, com equipamentos modernos, sofisticados, e eu diria até de requinte adicional de beleza. A cidade e a região merecem. Com isso, hoje nós temos investimento na saúde pública em todas as regiões do Estado”, afirmou o governador Rui Costa.

A ampliação do HGPV contempla mais de 6 mil metros quadrados de área construída, com três pavimentos, e Urgência e Emergência funcionando no térreo. No novo prédio foram montados seis consultórios, quatro enfermarias e seis salas de cirurgias, sendo duas para procedimentos de grande porte. Novos equipamentos melhoram a qualidade do serviço prestado. Foram adquiridos aparelhos de ultrassonografia fixa e móvel; endoscópio; eletroencefalograma; ARCO C (Raio x); ventiladores pulmonares; carro de anestesia; desfibriladores; monitores cardíacos; sistema de osmose reversa para hemodiálise e bisturi elétrico.

O secretário de Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, afirma que novas intervenções devem ser feitas no Hospital Geral Prado Valadares. “A partir desta inauguração, nós iremos começar uma terceira fase de reformas no prédio antigo, ampliando a pediatria e todos esses serviços de apoio, incluindo cozinha, laboratório, centro de esterilização de materiais e reformando as enfermarias antigas”.

A emergência começa a funcionar às 7h desta terça-feira (22). O HGPV oferece emergência médica de alta e média complexidade 24h e atende nas especialidades de Clínica Médica, Pediatria, Cirurgia Geral, Psiquiatria, Neurocirurgia, Bucomaxilo, Traumato-Ortopedia, UTI adulto, Traumato-Ortopedia, além de Bioimagem. A ampliação garante o aumento na oferta dos serviços: endoscopia digestiva alta; colonoscopia; colangiopancreatografia retrógrada endoscópica; eletroencefalograma; ultrassonografia com doppler; ecocardiograma; além de cirurgias eletivas; mais leitos de UTI e Semi-intensiva. Para atender à maior demanda, 450 novos profissionais serão contratados.

O Novo Hospital Geral Prado Valadares também receberá uma ambulância e uma van para transporte de pacientes. Durante a solenidade de inauguração, o governador Rui Costa ainda fez a entrega de 18 ambulâncias que beneficiam também os municípios de Almadina, Arataca, Barra do Rocha, Brejões, Caetanos, Canavieiras, Coaraci, Gandu, Itaju do Colônia, Itapé, Itapitanga, Itaquara, Jequié, Manoel Vitorino, Nova Canaã, Planaltino e Ubaitaba.

Também foram entregues 19 equipamentos de saúde e 11 viaturas para 13 municípios, sendo 12 kits odontológicos, 4 aparelhos de raio x, carro de emergência. Para o reforço da segurança da região, o governador entregou 11 veículos para a Polícia Militar. As entregas totalizam um investimento de mais de R$ 2,7 milhões.

Escola

Além do atendimento aos pacientes, o HGPV serve de campo de estágio para alunos da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), Faculdade de Tecnologia e Ciência (FTC) e quatro escolas técnicas, e ainda de internato de Medicina. A professora da Escola de Medicina da Uesb, Yanne Montino, acredita que o novo prédio vai contribuir para a formação de profissionais ainda mais preparados. “Com o aumento do número de leitos e da capacidade do hospital os alunos terão a oportunidade de fazer a investigação completa de muitos mais que antes precisaríamos enviar para Salvador. A realização desses estudos aqui vai contribuir muito para a evolução dos profissionais da região”.