vacina Oxford,AstraZeneca

Agora é hora de os prefeitos voltarem a falar de cuidados com a Covid-19, depois de promoverem ações de aglomerações e ajudarem  o vírus voltar a crescer, é momento de falar de adquirir vacinas. Em diversos municípios muitos políticos são protegidos por boa parte dos formadores de opiniões  que recebem apoio do poder e precisam calar-se diante da hipocrisia estabelecida no processo eleitoral.

Sobre a MP

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (2) a Medida Provisória 994/20, que abre crédito extraordinário de R$ 1,995 bilhão para compra de tecnologia e a produção de uma vacina contra a covid-19. Os recursos serão destinados para custear contrato entre a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), vinculada ao Ministério da Saúde, e o laboratório AstraZeneca. A empresa desenvolve um imunizante em parceria com a Universidade de Oxford, no Reino Unido. A matéria segue agora para análise do Senado, e precisa ser aprovada até esta quinta-feira (3) para não perder a validade.

O projeto foi aprovado sem emendas ao texto original do governo, por votação simbólica, em sessão virtual. Em virtude da urgência do tema, a oposição retirou a obstrução aos trabalhos em curso há cerca de dois meses. De acordo com a relatora, deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO), do valor total da MP, ainda faltam R$ 400 milhões para serem aplicados. Dessa forma, a matéria precisa ser aprovada pelo Congresso para assegurar o repasse final de recursos.

“Essa vacina é realmente algo que traz esperança à população, algo esperado há muito tempo, não só pelo Brasil e pelos brasileiros, mas por todo o mundo. Hoje posso dizer que estamos votando uma medida provisória que traz a esperança de que possamos voltar a nos abraçar, a ter uma convivência e, principalmente, de que possamos salvar vidas no nosso país”, disse a deputada.

Segundo a MP, a transferência de tecnologia na formulação, envase e controle de qualidade da vacina será realizada por meio de um acordo da empresa britânica com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), vinculada ao Ministério da Saúde. Com isso, caso a eficácia do imunobiológico seja comprovada, o Brasil deverá produzir 100 milhões de doses.

Acordo


A Polícia Federal (PF) cumpre nesta quinta-feira, 18, seis mandados de prisão, além de 16 mandados de busca e apreensão, na sede da Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab), em Salvador, e nos municípios de Castro Alves, Guanambi e Juazeiro. A ação, batizada de Metástase, possui apoio da Controladoria-Geral da União (CGU) e tem objetivo de desarticular um esquema de fraude em licitações e desvio de recursos públicos que seriam destinados para a gestão do Hospital Regional de Juazeiro. A medida ocorre por conta de inquérito instaurado em setembro deste ano pelo Ministério Público Federal (MPF) com objetivo de apurar supostos desvios no Hospital Regional de Juazeiro.

Hospital Regional de Juazeiro

No dia 8 de setembro o MPF abriu um inquérito para apurar supostos desvios no Hospital Regional de Juazeiro, na região do Vale do São Francisco.

A base do inquérito são possíveis desvios, incluindo recursos federais, atribuídos à empresa que gere o hospital. O MPF suspeita que a terceirizada não cumpriu metas estipuladas no contrato de gestão com o Estado.

Procuradoria responde

Em nota, a Procuradoria Geral do Estado da Bahia (PGE) afirmou estar acompanhando o cumprimento do mandado e que a orientação é a de “garantir o fiel cumprimento da decisão judicial, considerando que o Estado da Bahia é o maior interessado nos esclarecimentos dos fatos”.


Com o investimento superior a R$ 8,1 milhões entre obras e equipamentos, o vice-governador, João Leão, e o secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, inauguraram nesta sexta-feira (13), em Jaguaquara, a duplicação do Hospital Municipal, que é fruto de um convênio entre a prefeitura e o governo baiano.

O vice-governador João Leão destaca que o investimento demonstra o compromisso do Governo do Estado com o povo. “Principalmente com aqueles que dependem exclusivamente do SUS”, afirma João Leão, ao destacar que a unidade passou de 30 para 50 leitos.

Já o titular da pasta estadual da Saúde, pontua que “o governador Rui Costa tem ampliado e descentralizado a assistência à saúde, possibilitando que a população residente na região Sul, cujos municípios de referência são Jequié, Itabuna e Ilhéus, tenham acesso a todas as áreas, desde a maternidade, passando pela pediatria e cirurgias de alta complexidade cardiológicas e neurocirúrgicas e em oncologia”, destaca Vilas-Boas.

Ainda de acordo com o secretário, a unidade duplicou a área construída, passando de 1,5 mil metros quadrados para mais de 3 mil. Por se tratar de uma construção antiga, foi realizada uma reforma completa para adequar o hospital as normas sanitárias vigentes. “As intervenções contemplaram rede de gases, alvenaria, pintura, serviços elétricos, hidráulicos, climatização, além da ampliação do centro cirúrgico e da emergência, com a implantação de uma sala de estabilização, bem como a readequação das áreas do ambulatório, cozinha e refeitório”, detalha Vilas-Boas.


O Ministério Público Estadual, por meio da promotora de Justiça Mari Salete Jued Moysés, recomendou, dia 11,a adoção de uma série de normas sanitárias para o dia da votação nos municípios de Barra da Estiva, Ibicoara e Iramaia, que integram a 169ª Zona Eleitoral. Voltadas aos eleitores, mesários e fiscais de partidos, as recomendações levam em conta as orientações nacionais e internacionais de combate à pandemia de Covid-19.

A todos os presentes no dia da votação, o MP recomenda a obrigatoriedade do uso de máscara de proteção, cobrindo boca e nariz, podendo o mesário ou o juiz eleitoral impedir que pessoas sem máscara votem. A promotora recomenda ainda que, no dia do pleito, até o término do horário da votação, seja vedada a aglomeração de pessoas com roupas ou materiais de propaganda eleitoral que caracterizem manifestação coletiva. Os locais de votação devem dispor de álccol gel, para que os eleitores limpem as mãos antes e depois de votar, não sendo permitida no local de votação alimentação, ingestão de bebidas ou qualquer outra atividade que exija a retirada das máscaras. Todos os presentes devem guardar entre si uma distância mínima de um metro.

A recomendação orienta os eleitores a, no dia do voto, levarem sua própria caneta e manifestarem suas preferências por partidos, candidatos ou coligações somente de forma individual e silenciosa, pelo uso de bandeiras, broches, dísticos e adesivos. Deve ser dada preferência apenas aos casos previstos em lei, como integrantes da Justiça eleitoral em serviço, idosos com mais de 80 anos e, das 7h às 10h, eleitores com 60 anos ou mais.

O MP recomenda que não seja permitida aglomeração de fiscais nos arredores  das seções eleitorais e dos locais de votação. Para isso, orienta que apenas dois fiscais fiquem ao mesmo tempo numa mesa da seção eleitoral, cabendo a organização do revezamento entre integrantes de partidos e agremiações ao presidente da mesa da seção. Cada partido deverá nomear até dois delegados por município ou zona eleitoral e até dois fiscais por cada mesa. Nos crachás de fiscais de partidos e coligações devem constar apenas o seu nome, o do partido político e a sigla do partido ou da coligação, sem referência que possa ser interpretada como propaganda.


Tornar melhor a vida das pessoas em cada um dos quase 6 mil municípios brasileiros será o desafio dos novos prefeitos a partir de 1º de janeiro de 2021. Entre os temas de destaque está a saúde, que ganhou ainda maior repercussão devido ao contexto da pandemia de covid-19. Especialistas ouvidos pela Agência Brasil apontam a transversalidade quando o assunto é saúde – trazendo à tona problemas relacionados à moradia, transporte e saneamento básico como fatores determinantes na garantia da saúde dos cidadãos – e revelam alguns dos desafios da pasta na esfera municipal.

“Saúde é um conjunto de ações sociais, ele não é só assistência médica. São atividades de infraestrutura que não dependem só do prefeito, mas que ele pode começar a articular os recursos federais e estaduais para trabalhar essas três coisas que eu acho cruciais para a gente poder melhorar as condições de saúde, que é moradia, água e esgoto”, disse Oswaldo Tanaka, docente do departamento de Política, Gestão e Saúde da Faculdade de Saúde Pública da USP.

Tanaka destacou a importância das unidades básicas de Saúde (UBS) no contexto da pandemia, como forma de atender pacientes no início da infecção e evitar que se tornem casos mais graves. “Do ponto de vista assistencial, acho que nós vamos ter que fortalecer ainda as unidades básicas de Saúde, que, com a covid-19, se mostraram uma porta de entrada muito importante para a gente pegar os casos leves, evitando que eles prossigam.”


A região do sudoeste do estado agora passa a contar com oferta de serviços de oncologia concentrada no Hospital do Câncer de Caetité. A unidade foi inaugurada pelo governador Rui Costa na manhã desta quarta-feira (11). A entrega do hospital é fruto de parceria entre Governo do Estado e Prefeitura. A gestão estadual investiu mais de R$ 2,8 milhões, valor que corresponde a mais de 90% dos recursos aplicados.
Na oportunidade, o governador falou sobre a atuação do Governo do Estado na área da saúde em toda a Bahia. “Fizemos da saúde uma área de absoluta prioridade do nosso governo. Com o objetivo de salvar vidas, estamos fazendo uma verdadeira revolução na saúde pública da Bahia. Há alguns anos, começamos a apresentar e colocar em prática o conceito da regionalização da saúde em nosso estado, fazendo um esforço grande para superar uma concepção que, historicamente, esteve atrelada a uma política eleitoreira de uso da saúde como instrumento de captação de votos. Hoje, temos contribuído para o fortalecimento da rede básica de saúde nos municípios, destacando também a importância da saúde preventiva”, ressaltou.
De acordo com o secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas, o Hospital do Câncer de Caetité começa a funcionar nesta quinta-feira (12). “Já para a sexta-feira [13 de novembro], a unidade tem cinco cirurgias programadas. Os atendimentos aqui serão regulados a partir da Central Estadual de Regulação, a partir do sistema lista única do Governo do Estado, atendendo, também, a demanda regional a partir das secretarias municipais de outros municípios do entorno de Caetité”, explicou.
O Estado ainda investiu R$ 10 milhões em equipamentos para o hospital, que  irá atender 48 municípios da região via Central Estadual de Regulação, evitando o encaminhamento de pacientes para a capital baiana ou grandes centros distantes da cidade de origem do usuário.
Leitos e serviços
Foram implantados 80 leitos distribuídos entre 10 UTI adulto, 13 Clínica Geral, 19 Cirurgia Geral, 18 Ortopedia e 20 Oncologia Clínica e Cirúrgica.
A unidade oferece consultas e exames para acompanhamento, diagnóstico e tratamento, e também conta com centro cirúrgico e serviço de quimioterapia. Ainda faz parte da estrutura do hospital salas de raio-x , tomógrafo, endoscopia, eletrocardiograma, entre outras especialidades.
Visita a escolas
Após a entrega do Hospital do Câncer , o governador visitou as instalações do Instituto de Educação Anísio Teixeira. A unidade, que faz parte da rede estadual de ensino, passará por reformas para modernização da estrutura. Rui também esteve no Complexo Integrado de Educação de Caetité e no Centro Territorial De Educação Profissional Do Sertão Produtivo (Cetep).

Fotos: Mateus Pereira/GOVBA


Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) revelam que, no Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens, atrás apenas do câncer de pele não-melanoma. A idade é o principal fator de risco da doença: a incidência e a mortalidade aumentam significativamente após os 50 anos. Cerca de 75% dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. O INCA estima que até o final de 2020 quase 66 mil novos casos de câncer de próstata sejam diagnosticados no país, impulsionados, principalmente, pelo aumento da expectativa de vida.

De acordo com o oncologista clínico do Hospital Sírio Libanês, Dr. Denis Jardim, junto com a predisposição genética e histórico familiar de câncer de próstata, a idade avançada compõe a lista de fatores de risco chamados não modificáveis. “O tabagismo, alto consumo de gorduras animais e baixa ingestão de vegetais são os fatores de risco modificáveis que podem estar associados ao desenvolvimento da doença”, completa o especialista.

O diagnóstico precoce é a principal estratégia para detectar o tumor em fase inicial. Segundo o INCA, nesses casos, a chance de cura é de 90%. Os principais exames para detecção precoce de câncer de próstata são o PSA, de dosagem sanguínea e o de toque retal, indicados geralmente a partir dos 50 anos. Apesar de rápido e indolor, o exame de toque ainda é um tabu e causa de resistência entre os homens. O desconhecimento pode culminar na negligência com a saúde. “Um estudo da Prostate Cancer Foundation¹, realizado em 2018, aponta que mais da metade dos pacientes avaliados deixavam de fazer o exame sanguíneo de PSA, com receio da necessidade de realizar o exame de toque retal combinado”, relata Jardim.

Em caso de alteração nestes exames, o especialista afirma que é indicada uma investigação adicional. Segundo ele, “pode ser solicitada uma ressonância e até mesmo uma biópsia”. Quando há confirmação do diagnóstico, a escolha do tratamento mais adequado deve ser individualizada e definida após médico e paciente discutirem os riscos e benefícios de cada um. O oncologista esclarece que “os métodos de tratamento mais comuns, para tumores em estágio inicial, são a cirurgia (prostatectomia) e a radioterapia. A doença em estágio mais avançado, principalmente quando há metástase, requer o bloqueio hormonal da testosterona do paciente”.

O especialista comemora que o risco de comprometimento da função sexual do paciente que faz tratamento do câncer de próstata tem diminuído muito nos últimos anos, conforme estão evoluindo os procedimentos radioterápicos e cirúrgicos.

O locutor e humorista José Luiz Almeida da Silva, o Jotinha, conhecido como o ‘Rei do Whatsapp’, faleceu no início da noite desta quinta-feira (5) por falência múltipla dos órgãos horas após ter sido confirmado o diagnóstico por Covid-19. A confirmação do óbito foi feita pelo secretário de Saúde do estado da Bahia, Fabio Vilas-Boas.

Jotinha tinha 52 anos e estava internado desde a última segunda-feira (2). Inicialmente, apresentou um quadro de falta de ar que evoluiu para insuficiência renal. Internado no Hospital INCAR, em Santo Antônio de Jesus, ele chegou a ser intubado, mas não resisitiu. Jotinha era natural de Elísio Medrado.


A campanha Novembro azul de 2020 traz um alerta para os altos índices do câncer de próstata. Em média, 42 homens morrem, por dia, em decorrência da doença e cerca de 3 milhões vivem com ela. Todos os anos, a campanha tem levado informações sobre diagnóstico, tratamento e cuidados necessários frente a esse cenário. Este ano, o tema é “Seja herói da sua saúde”.

Assim, a ideia é dar continuidade nos trabalhos e projetos de prevenção, conscientização e informação sobre a doença.
O que é Novembro Azul? Novembro Azul é o nome do movimento internacional que busca a conscientização a respeito do câncer de próstata e da saúde masculina. A campanha, mundialmente conhecida como Movember, visa alertar os homens da importância do diagnóstico precoce.

Como surgiu o Novembro Azul?

A campanha teve início em 2003, na Austrália, quando alguns amigos tiveram a ideia de deixar o bigode — que, na época, estava fora de moda — crescer com o objetivo de chamar a atenção para a saúde masculina. No começo, um grupo de 30 homens aceitou a proposta, e assim surgiu a Movember Foundation, uma organização sem fins lucrativos que busca arrecadar fundos para pesquisar e auxiliar o tratamento do câncer de próstata e outras doenças que acometem os homens frequentemente.

Conforme os anos foram passando, a campanha conquistou cada vez mais adeptos, até tornar-se mundial. Hoje, ela é feita em mais de 20 países. Durante o mês de novembro, os homens são encorajados a deixar o bigode crescer e as mulheres a participar da campanha vestindo a cor azul, escolhida para representar a ação. Por isso o nome “Novembro Azul” no Brasil.


Atento as eleições municipais de 2020, o Instituto Trata Brasil preparou um material buscando engajar candidatos(as) a colocarem o saneamento básico nos planos de governo a partir de 2021. Intitulado de “Saneamento Básico e as Eleições Municipais 2020”, o material é direcionado a todos os(as) candidatos(as) ao pleito municipal, bem como à própria população, com o intuito de informar sobre o cenário atual do país a partir das principais leis que regem o setor e as obrigações de prefeitos(as) e vereadores(as) com as operações e regulações dos serviços e o planejamento sanitário. No Brasil, saneamento básico ainda é um desafio enforme, com aproximadamente 100 milhões de pessoas vivendo em locais sem coleta dos esgotos e 35 milhões habitando residências sem acesso à água potável por rede, de acordo com o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), 2018. Em junho de 2020, o Congresso Nacional aprovou o Novo Marco Legal do Saneamento para alavancar os investimentos no setor e acelerar o cumprimento das metas de universalização dos serviços. No entanto, isso só será atingido se os municípios estiverem engajados com a pauta e as responsabilidades.

A cartilha está separada por Unidade da Federação, pois conta com indicadores básicos das principais cidades de cada estado, ajudando os(as) candidatos(as) destes municípios a entenderem a realidade do saneamento básico, além de servir como comparação para outras cidades dos estados. O material foca na responsabilidade municipal para com o saneamento, chamando atenção para titularidade do saneamento ser do executivo municipal. O Novo Marco Legal do Saneamento coloca mais responsabilidades a(os) prefeitos(as) ao reforçar a meta nacional de universalização para 2033 com 99% da população com água e 90% da população com coleta dos esgotos.