Foto/Blog Itiruçu Online.

Durante reunião virtual com os prefeitos membros do Consórcio Regional de Saúde, que agrega os Territórios de identidade do Vale Jiquiriçá e Médio Rio das Contas, nesta sexta-feira (18), foi renovada a direção até então chefiada pelo prefeito de Jitaúna Patrik Lopes, sendo ele substituído pela prefeita de Itiruçu, Lorenna Di Gregorio, eleita presidente na videoconferência por unanimidade.

O Vale Jiquiriçá e o Médio Rio de Contas foi o segundo consorcio de saúde do estado oficializado em 2015, que já beneficiou mais 600 mil habitantes dos territórios.  Através dele – Consórcio- foi reforçada a saúde no estado, descentralizando a assistência médica na região e desonerando a administração pública de cada município. Um ganho importante foi a construção de uma policlínica em Jequié, custeada inteiramente pelo Governo do Estado, ofertando a população 15 novas especialidades e diversos exames de média e alta complexidade.

Os Consórcios de Saúde são organizações sem fins lucrativos e consistem na união de municípios por Regiões para juntar esforços e analisar os custos com a assistência à Saúde nos municípios.

Os municípios de Aiquara, Apuarema, Barra do Rocha, Boa Nova, Brejões, Cravolândia, Dário Meira, Ibirataia, Ipiaú, Irajuba, Iramaia, Itagi, Itagibá, Itamari, Itaquara, Itiruçu, Jaguaquara, Jequié, Jitaúna, Lafaiete Coutinho, Lajedo do Tabocal, Manoel Vitorino, Maracás, Nova Itarana, Planaltino e Santa Inês formam o consórcio.


A ordem de serviço para a terceira e última etapa das obras do Hospital Martagão Gesteira, em Salvador, foi assinada pelas Voluntárias Sociais da Bahia (VSBA) nesta terça-feira (1º), em solenidade na sede do hospital. Participaram do evento a primeira-dama e presidente das VSBA, Aline Peixoto, o representante do Instituto Ivete Sangalo e sócio da Iesse, Fábio Almeida, e o presidente da Liga Álvaro Bahia Contra a Mortalidade Infantil, Carlos Emanuel Melo.
Será investido R$ 1,3 milhão nas obras. O valor, assim como os recursos das duas etapas anteriores, foi arrecadado por meio de shows beneficentes da cantora Ivete Sangalo, promovidos em parceria entre as VSBA e a Iessi, empresa que administra a carreira da artista.
Segundo o presidente da Liga Álvaro Bahia, entidade mantenedora do Martagão Gesteira, a parceria com o Governo do Estado e com as VSBA possibilitou o investimento da ordem de R$ 5 milhões na instituição, sendo R$ 3 milhões provenientes dos shows beneficentes de Ivete Sangalo. “Todos esses investimentos têm o objetivo de aumentar a quantidade e a qualidade dos atendimentos realizados aqui no hospital”, afirma.
As Voluntárias Sociais já viabilizaram a construção de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pediátrica, além da reforma e ampliação da enfermaria da oncologia. “O resultado disso é um aumento considerável no número de atendimentos em oncologia. Em 2019, somente esse hospital foi responsável por 50% de todo o atendimento oncológico para crianças abaixo de 16 anos. Isso é uma comprovação indiscutível e efetiva de que os recursos foram aplicados na sua finalidade principal”, acrescenta.
Das cirurgias oncológicas feitas pelo SUS em pacientes da faixa pediátrica em 2019, o Martagão Gesteira foi responsável pelo maior quantitativo: 44,54%. Se forem analisadas as neurológicas, nas mesmas condições, o hospital realizou a maior parte (31,68%). A liderança nos procedimentos de alta complexidade se repetiu ainda no tratamento em oncologia (49,18%) e na produção de diárias em UTI Pediátrica (20,85%).
Corrente do bem
O porta-voz das VSBA, Gustavo Urpia, explica como foram realizados os shows beneficentes. “Nós começamos um projeto com a Ivete Sangalo em 2015. Fizemos um show para 25 mil pessoas na Arena Fonte Nova. Depois fizemos mais dois eventos no Teatro Castro Alves. Agora nós vamos finalizar a terceira etapa dos investimentos dessa grande parceria, que é uma corrente do bem”.
Nesta etapa final das obras, será feito um reforço das medidas de combate a incêndio e princípio de pânico, além de requalificação da fachada lateral do hospital. De acordo com Urpia, durante a assinatura desta terça-feira (1º), foi discutida a possibilidade de realização de novos shows de Ivete Sangalo em benefício do Martagão Gesteira.
Repórter: Raul Rodrigues

A pandemia tem feito muita gente mudar hábitos, entre eles o consumo frequente de comida caseira e fresca. É o que mostram as primeiras análises do Estudo NutriNet Brasil, que envolveram 10 mil participantes e indicam aumento generalizado na frequência de consumo de frutas, hortaliças e feijão (de 40,2% para 44,6%) durante a pandemia.

Segundo o professor Carlos Monteiro, coordenador do NutriNet Brasil, essa mudança positiva no comportamento alimentar pode ser explicada por alguns fatores. “As novas configurações causadas pela pandemia na rotina das pessoas podem tê-las estimulado a cozinhar mais e a consumir mais refeições dentro de casa. Além disso, uma eventual preocupação em melhorar a alimentação e, consequentemente, as defesas imunológicas do organismo, podem ser consideradas”. O Estudo NutriNet é executado pelo Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da Universidade de São Paulo (Nupens/USP).

A evolução positiva na alimentação, no entanto, foi acompanhada por um aumento no consumo de alimentos ultraprocessados nas regiões Norte e Nordeste e entre as pessoas de escolaridade mais baixa. Esses resultados sugerem desigualdades sociais na resposta do comportamento alimentar à pandemia.


Prefeito destacou a valorização dos profissionais de saúde. Foto/Itiruçu Online.

A Prefeitura de Planaltino pagou na nesta última terça-feira (12), o incentivo a Agentes Comunitários de Saúde que obtiveram êxito na conclusão do Curso de Formação Técnica de Agente Comunitário de Saúde (ACS) de 400h, pela Escola de Saúde Pública da Bahia Prof. Jorge Novis (ESPBA).

O inventivo contemplou 17 profissionais que concluíram com êxito a formação. O curso foi fruto de um termo de cooperação entre a Prefeitura Municipal e o Governo do Estado da Bahia.

O Prefeito Zeca Braga destacou a ação de valorização dos ACS.  “Esta é mais uma ação da formação continuada de profissionais, fruto de diálogo permanente com a categoria. Quem ganha é a população que passa a ter profissionais cada vez mais qualificados para atender as necessidades da população planaltinense”, disse.


O ex-secretário estadual da Cultura, professor Jorge Portugal, 63 anos, que estava internado em estado grave no Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), em Salvador, morreu na noite desta segunda-feira (03), às 20h15, por falência cardíaca aguda, conforme informado pela assessoria do hospital.  “O Hospital Geral Roberto Santos (HGRS) comunica, com pesar, o falecimento de Jorge Portugal, por volta das 20h15 (horário de Brasília), de falência cardíaca aguda. O professor e ex-secretário de Cultura da Bahia estava internado na unidade de terapia intensiva (UTI) cardiovascular da instituição. A diretoria do HGRS apresenta sua solidariedade aos familiares e amigos ao tempo que se coloca em oração”, diz a nota da unidade.

Ele, que completaria 64 anos na próxima quarta-feira (5), foi levado ao local no início da tarde desta segunda-feira (3), pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Só durante o trajeto, ele sofreu quatro paradas cardíacas.

Segundo a assessoria da unidade, Portugal foi admitido “em estado crítico” e estava em coma induzido até o início da noite. Assim que foi admitido no hospital, foi colhido material para teste RT-PCR, exame que identifica o novo coronavírus, o que tem sido uma medida protocolar.  Jorge Portugal era também compositor, poeta e apresentador. Natural de Santo Amaro, no Recôncavo, Portugal era um compositor e letrista aclamado, com parcerias de sucesso com Roberto Mendes, em ‘Só Se Vê Na Bahia’, e com Raimundo Sodré, em ‘A Massa’.

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), decretou luto no estado nesta terça-feira (4). “Imensamente entristecidos, lamentamos a morte do ex-secretário de Cultura do Estado Jorge Portugal. Educador, poeta, compositor, Jorge era um homem de múltiplos talentos, exercidos com a energia e a simpatia que inspirava todos à sua volta. Era, antes de tudo, um homem apaixonado pela Bahia e pelo seu povo que estiveram sempre no centro do seu trabalho, fosse como administrador público, professor e artista. Como diz um dos seus versos: “Uma nação diferente, toda prosa e poesia, tudo isso finalmente, só se vê, só se vê na Bahia”. Nossos sentimentos para seus amigos e familiares por essa grande perda”.


O novo boletim epidemiológico de Itiruçu divulgou os dados deste sábado (01), com uma criança de 05 meses tendo contraído o novo coronavírus. De acordo com a Secretaria de Saúde do município, a criança é contactante de caso positivo e apresentou sintomas leves, sendo diagnosticada através do teste RT PCR para Covid-19. O mesmo encontra-se bem, estável e recuperando em casa.

Mais duas pessoas tiveram casos confirmados, sendo um homem 33 anos, contactante de caso positivo, e uma mulher 42 anos, profissional de saúde, que atua no município e no Hospital Prado Valadares, sendo que estava de férias das suas atividades no município e apresentou sintomas leves. Ambos estão se recuperando em casa, sem a necessidade de internação.;

O boletim apresenta 35 casos diagnosticado, sendo que 21 foram recuperados. 04 pessoas ainda aguardam o tempo correto para realizar o teste, 05 já aguardam o resultado e 84 estão  sendo monitoradas.


Itiruçu receberá nova ambulância por emenda de Zé Coca.

O pré-candidato pelo PP, Alender Correia, anunciou, na noite de ontem, segunda-feira (26), uma nova ambulância que fará parte da frota de saúde do município de Itiruçu. O veículo foi uma promessa do deputado estadual para o município.

No vídeo, divulgado em redes sociais, Alender agradece o parlamentar pela destinação da ambulância. Correia diz ainda que segue firma nas articulações de sua pré-candidatura pelo partido progressistas.


A Anvisa publicou, no Diário Oficial da União (D.O.U) desta quinta-feira (23/7), a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 405/2020, que estabelece regras de controle específicas para a prescrição, dispensação e escrituração de quatro fármacos: cloroquina, hidroxicloroquina, nitazoxanida e ivermectina. De acordo com a Agência, essa lista poderá ser revista a qualquer momento para a inclusão de novos medicamentos, caso seja necessário. O objetivo da norma é coibir a compra indiscriminada de medicamentos que têm sido amplamente divulgados como potencialmente benéficos no combate à infecção humana pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), embora ainda não existam estudos conclusivos sobre o uso desses fármacos para o tratamento da Covid-19.

A medida visa também manter os estoques destinados aos pacientes que já possuem indicação médica para uso desses produtos, uma vez que os fármacos elencados na Resolução são usados no combate e controle de outras doenças, como a malária (cloroquina e hidroxicloroquina); artrite reumatoide, lúpus e outras (hidroxicloroquina); doenças parasitárias (nitazoxanida); e tratamento de infecções parasitárias (ivermectina).

A compra desses produtos em farmácias e drogarias somente poderá ocorrer mediante apresentação da receita médica em duas vias, devendo a primeira via ser retida no estabelecimento. Cada receita terá validade de 30 dias, a partir da data de emissão, e poderá ser utilizada apenas uma vez. Cabe ressaltar que os medicamentos à base de cloroquina, hidroxicloroquina e nitazoxanida já estavam sujeitos à retenção de receita, pelo fato de terem sido anteriormente incluídos no Anexo I da Portaria 344/1998, do Ministério da Saúde (MS), que trata do regulamento técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. Com a publicação da RDC 405/2020, estes medicamentos foram excluídos da Portaria 344/1998.

A Anvisa destaca que a Resolução será revogada automaticamente a partir do reconhecimento pelo Ministério da Saúde de que não mais se configura a situação de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional, declarada pela Portaria 188/2020, do MS.


Paciente faleceu enquanto era transferida. Foto: Blog Marcos Frahm

Uma jovem oriunda da localidade de Itíuba, na área rural de Jaguaquara, que teria dado entrada no Centro de Saúde do bairro Murutiba [unidade de saúde que substitui o Hospital Municipal que está fechado para reforma] foi a óbito na noite esta quarta-feira (22), quando era transferida para o Hospital Geral Prado Valadares – HGPV, em Jequié.

A jovem, de 18 anos, que aguardava por um leito de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) era cardíaca e apresentava complicações quando foi transferida após o município conseguir vaga no HGPV, mas faleceu durante o trajeto, na BR-116, enquanto era transferida de uma ambulância de Jaguaquara para uma Unidade de Suporte Avançado (USA), que a levaria até Jequié.

Vale salientar que o Prado Valadares enfrenta superlotação de leitos em decorrência do número crescente de casos de Covid-19 e as prefeituras da região encontram dificuldades na regulação e transferência de pacientes, inclusive com outras enfermidades, que foi o caso da moradora de Jaguaquara – situação que revela a importância de prevenção contra o vírus, pois já são claros os sinais de colapso na saúde pública em todas as regiões. Já são 801 casos do vírus no município, com o registro de 07 óbitos.*Com informações  do Blog do Marcos Frahm.


Itiruçu tem 23 casos positivos. Foto/Blog Itiruçu Online.

Com índice crescente em transmissão comunitária do novo coronavírus, o município de Itiruçu avalia medidas mais enérgicas para provocar o isolamento social no período de encubação do vírus, que é de 15 dias.

A Possibilidade de Lockdown ganhou força após declarações da prefeita Lorenna Di Gregorio confirmando que após a reunião conjunta entre os prefeitos do vale e o poder judiciário, que ocorre com intervalo de 15 dias no fórum da Jaguaquara, pode ser tomadas medias mais duras na próxima terça-feira, dia 28.

O assunto, no entanto, divide opiniões entre favoráveis e contra. O que tem de certo entre todas elas é que a transmissão comunitária em cidades pequenas é perigosa e precisa ser controladas para que não adoeça todos de uma vez.

Se a realidade do lockdown se confirmar, sua implementação trata de uma enorme mudança no dia a dia da população. O problema é a forma de fiscalização das restrições impostas pelo lockdown. A cidade de Itiruçu não possui um número grande de guardas municipais, caso fique sob eles a responsabilidade desta fiscalização e a GM na verdade nem existe no papel.  O município também não dispõe de efetivo policial necessário para fazer valer as medidas. Com isso, passam a contar com a boa vontade dos cidadãos para o enfrentamento a pandemia.

São 23 pessoas identificadas pelo município positivadas com a covid-19, sendo que destes 12 estão considerados curados. 12 pessoas aguardam o prazo correto para coleta e 108 estão sendo monitoradas. A preocupação é que a doença chegou no público idoso que já precisam de vagas em hospitais.

Economia X Saúde

O Brasil vive a discussão de quebrar a economia ou priorizar as ações de Saúde. Na verdade, não existe saúde sem economia e não existirá economia sem saúde. Uma é correte da outra. Mas já divide opiniões.

“Eu sou totalmente contra o lockdown. Sou a favor de uma fiscalização rígida na cidade, e quem estiver errado ser multado. Mas fechar, não. O empresário quebra, e a cidade também. Todos nós sabemos que passamos o dia inteiro esperando um cliente e temos comércios que não vende R$ 50,00 no dia. O que precisam ser fiscalizados são os grandes comércios que recebem 82% da cidade em seus estabelecimentos, os que fazem serviços de entrega. Os demais devem ser cobrados e fiscalizados com rigor. Muitos não tiveram auxílios e estão passando dificuldades. Os prefeitos fecharam muito cedo nossos comércios e agora que precisam de medidas enérgicas, já provocaram o caos financeiro em nossas vidas.  Vamos nos unir e ajudar o vírus não espalhar, cuidado e educando e cobrando de que pode contribuir mais. Tem que discutir as saídas com bastante avaliação”, disse o empresário Marcos.

Já para o cidadão Adriano, é hora de pensar em 15 dias mais duros, fazendo valer a ação para não colapsar ainda mais o sistema de saúde. “Estamos acompanhando a situação do Brasil e principalmente do sistema de saúde de nossa região. Pessoas morrendo a espera de vagas nas UTis. Sabemos que a economia se parar teremos um buraco grande, irreversível. Mas já estão sendo penalizados de forma certa ou errada desde o início. Se for preciso fechar por 15 dias, que feche, mas é  preciso fazer valer para todos e evitar o avanço do vírus. É necessário e urgente”, opinou.