Bastou à história da Edilene Botelho, de 33 anos, ganhar notoriedade na imprensa e na rede social que todo tipo de ajuda começaram a chegar: orações, mensagens positivas a tentativas de vagas em hospitais.

Animada com a possibilidade de realizar o procedimento cirúrgico para tratar uma à endometriose profunda – que corresponde à forma mais grave da endometriose- Edilene recebeu ligações na última segunda-feira, dia 22, avisando que haviam conseguido uma regulação para o Hospital da Mulher, em Salvador, mesmo sem ter sido avaliada presencialmente pelo médico solicitante, o qual iria atendê-la no dia seguinte no Hospital de Itiruçu para ter um diagnóstico mais preciso e, assim, fazer o pedido de regulação ao procedimento cirúrgico.

Na central de regulação do Estado o motivo da solicitação de transferência foi para uma avaliação Ginecológica e não procedimento cirúrgico.

Nesta quinta-feira (25), após dois dias apenas internada sob observação médica, mas sem realizar todos os tipos de exames como é divulgado em rede social, conforme a enferma, o Hospital da Mulher decidiu e avisou pela alta da paciente, depois te ter feito o que pedia a regulação. As cirurgias estão suspensas nos hospitais públicos. A paciente no entanto ainda segue na unidade médica.

Edilene vinha pedindo ajuda para realizar a cirurgia no sistema privado e busca atingir os custos através da Vakinha Virtual para chegar ao valor de R$ 60.000,00. Depois da frustração do internamento no Hospital da Mulher, agora a Campanha ganha mais importância, pois a enfermidade já consome a funcionalidade de órgãos de seu organismo.

Para realizar o procedimento na Unidade Particular, ela precisará passar por uma nova ressonância e custear os valores dos procedimentos. Se você puder ajudá-la, clique aqui e continua cm qualquer valor.


Foto/Blog Itiruçu Online

A Prefeitura de Itiruçu confirmou, na noite dessa quarta-feira (24), mais 20 novos casos de coronavírus e chegou a 449 confirmações da doença.

O município soma ainda 53 aguardando resultados, 127 monitorados, 53  ativos e 14 aguardando coleta. 05 pessoas estão hospitalizadas. São 5 óbitos desde o inicio da pandemia.  Do total de casos confirmados, 391 estão recuperados.

Abaixo, confira os dados no Vale Jiquiriçá: 


O vice-prefeito de Itiruçu, Júnior Petrúquio (PSD), esteve, nesta segunda-feira (22) na capital do estado, Salvador, reunido com o diretor do DBOCS, Lucas Lobão, acompanhado do deputado federal Antonio Brito (PSD), onde deixou acertados benefícios para o município.

De acordo com Petrúquio ao Itiruçu Online, as tratativas garantiram ao município 300 caixas d’água, poços artesianos. Ainda segundo ele, foi feita a solicitação de pavimentação asfáltica e equipamentos agrícolas, que devem ser atendidas no segundo semestre do ano.

“Em busca de investimentos para Itiruçu nas áreas de infraestrutura, agricultura e combate à seca, me reuni hoje, em Salvador, com o diretor do DNOCS, Lucas Lobão, e o deputado federal Antonio Brito. Na ocasião, consegui para o nosso município 300 caixas d’água, poços artesianos, como também solicitei pavimentação asfáltica e equipamentos agrícolas”. Disse.


Foto/Blog Itiruçu Online.

A Prefeitura de Itiruçu confirmou, na noite dessa quinta-feira (18), mais 22 casos de coronavírus e chegou a 420 confirmações da doença. O município soma ainda 50 aguardando resultados, 102 monitorados, 32 ativos e 04 aguardando coleta. 04 pessoas estão hospitalizadas. São 5 óbitos desde o inicio da pandemia.  Do total de casos confirmados, 383 estão recuperados.


 

A vacinação contra a Covid-19 em idosos com idade de 70 a 79 anos começará nesta sexta-feira, 19, em Itiruçu. A informação foi divulgada pela prefeita Lorenna Di Gregorio (PSD).

Os idosos com a faixa etária de 74 anos devem buscar pontos de vacinação na Unidade de Saúde mais próxima de sua residência na sede do município. Ainda de acordo com a prefeita, a vacinação segue com os idosos na faixa etária de 70 a 79 anos na zona rural.

“Nós estamos avançando, cumprindo as metas para que a gente possa vencer essa pandemia”, disse a prefeita.


A história de Edilene Botelho, de 33 anos, foi enviada ao Itiruçu Online na esperança que os internautas possam ajudá-la no tratamento de uma doença que foi acometida e tem dificuldades de custear o tratamento. Edilene é casada e mãe de uma criança, além de ser de uma família humilde.

Edilene é Itiruçuense, moradora do Distrito de Upabuçu. Ela ganhou uma campanha virtual através de uma Vakinha Online que busca arrecadar o valor de R$ 60.000,00. Clique aqui para doar. 

A doença:

Trata-se de endometriose profunda que corresponde à forma mais grave da endometriose, isso porque nessa situação o tecido endometrial está espalhado em uma área maior, sendo mais espesso que o normal e fazendo com o que os sintomas clássicos da endometriose sejam mais fortes, podendo ser notada cólica menstrual intensa, menstruação abundante e dor durante a relação sexual, por exemplo.

Na endometriose profunda, o crescimento de tecido endometrial ocorre em grande quantidade para fora do útero, em locais como os intestinos, ovários, trompas de falópio ou bexiga, provocando dores pélvicas progressivas durante as menstruações. Os sintomas na Edilene já comprometeram vários órgãos e por isso o tratamento é urgente.

Link para fazer sua doação a Edilene. 

Em mensagem descritiva na Vakinha Online, Edilene conta a situação atual do quadro clínico. Confira abaixo:

Olá, meu nome é Edilene Botelho, tenho 33 anos e moro no Distrito de Upabuçu, Zona Rural de Itiruçu, no interior da Bahia. Irei contar um pouco de minha história para vocês. Descobrir recentemente uma doença que se chama endometriose profunda que já comprometeu alguns órgãos de meu corpo: reto Bixiga, intestino, os dois ovários, trompas, ureteres, vagina, útero, parede do abdômen e o umbigo. Ainda posso ter outros órgãos comprometidos e por isso preciso do tratamento.  Estou fazendo o tratamento há mais de 6 meses, mas  meu medicamento  não está  mais fazendo efeito, vivo mas em hospitais que em casa e por isso preciso fazer múltiplas cirurgias com urgência e não tenho condições de pagar.  Por isso estou fazendo esse apelo para quem puder me ajudar a viver e a cuidar de minha família. Preciso muito da ajuda de vocês. Quem puder ajudar, meus dados estão na Vakinha e o valor que preciso é estimado em R$ 60.000,00. Qualquer valor que puder me ajudar,  tenho certeza que Deus irá te retribuir muito. Me ajude a ficar livre dessa enfermidade. Preciso muito, meu pedido é para viver.


Projeto foi apresentado por Jó de Jú. Fotos/ Blog Itiruçu Online.

Antes de iniciar a leitura da matéria, é preciso entender não se tratar de ‘fechar templos religiosos’, mas da aprovação de uma Lei que os tornam serviços essênciais que poderão abrir nos momentos de maiores restrições da pandemia. Atualmente as igrejas estão autorizadas a abrirem com medidas sanitárias.

O projeto de Lei Nº 01/2021, de autoria do vereador Jocenil Andrade – PSD- foi para as comissões da Câmara depois de apresentado, sendo pedido pelo próprio propositor do PL.  O vereador recorre ao artigo 5.º, da Constituição Federal, no inciso VI para reafirmar que o poder público não precisa interferir no funcionamento de templos religiosos nem durante os chamados Lockdow, momentos mais difíceis onde o sistema de saúde entra em colapso e é necessário frear o contágio de pessoas para não precisarem do atendimento público.

A Prefeitura de Itiruçu reconheceu estado de calamidade pública devido à pandemia de coronavírus. A preposição que poderá torna-se Lei alega que o religioso que vive em função do fortalecimento espiritual para enfrentar os mais diversos problemas que o aflinge na sociedade, tem a  necessidade de aumentar orações para enfrentar o isolamento.

A Lei impera no artigo 1º, que estabelece as igrejas e qualquer culto religioso como atividade essencial no município, sendo vendada, quando necessário, qualquer fechamento total, tendo o município de permitir a abertura e funcionamento ao público. O artigo 2º ressalta o  que já funcionam as igrejas, com regras de funcionamento de até 40% da capacidade e passiveis de fiscalizações de negligência contra a saúde coletiva, conforme já orienta os decretos de responsabilizar o responsável pelo tempo em cumprir as medidas sanitárias adotadas a abertura.

Jó defende projeto e diz ser contra fechamento total das atividades como medidas.

Em discurso de defesa do projeto, Jó de Jú usou a tribuna da casa e versículos bíblicos para pedir aos colegas que apreciem e aprovem, no entanto, voltou a afirmar que a Lei é para permitir que as igrejas não sejam fechadas totalmente se em algum momento for necessário o município fazer Lockdow para diminuir o contágio do novo coronavírus. Jó ainda opinou ser contra o fechamento total de atividades comerciais como medidas de enfrentamento a covid-19 na cidade, na tese inicial da pandemia de Saúde x Economia.

Presidente disse que é preciso cautela no momento onde todos estão penalizados a restrições.

O presidente da Câmara reconheceu a importância dos templos, mas enfatizou que é preciso avaliar com muito cuidado a flexibilização, pois não trata-se de impedir o funcionamento, mas de autorizar a abertura dos templos se for preciso haver Lockdow, o que considera difícil ocorrer, sendo uma medida recorrível  na saúde  no momento de colapso, e que por isso é preciso pensar, discutir, pois na casa haveriam  pedidos de outras pessoas para tornar bares, academias e outras atividades que são consideradas essênciais na vida do ser humano.

Divergentes de opiniôes sobre o assunto, Robertão e Sidimar se posicionam.

O vereador Roberto Silva pontuou que as igrejas são as pessoas e os templos já estão abertos obedecendo as normas de saúde, não enxergando no momento a necessidade de votar o projeto com urgência. O vereador Sidimar Santos, favorável ao projeto, defendeu que as igrejas poderão funcionar como serviços essênciais, citando o funcionamento da Igreja Católica com lista antecipada de presença, mas, no entanto, a modalidade já acontece mesmo sem tornar como atividade essencial e seguindo as normas de saúde.

Vereador Tony diz que templos já estão abertos e alerta para cuidados na proteção.

O vereador Tony Anjos, afirmou ser contra tornar o serviço como essencial e lembrou o número crescente do contágio na cidade, que a cada 30 testes realizados, 28 são positivados, não concordando com a necessidade de confrontar ações de saúde com aberturas dos tempos, caso seja necessário fechar em algum momento, seria preciso pensar no coletivo. Tony alertou que torce para não chegar ao ponto de fechar tudo, mas que é preciso manter os cuidados, e se for preciso que algumas medidas sejam tomadas para não crescer os números e pessoas não precisem ficar em filas por vagas em hospitais, é necessário.

Vereador reconhece importãncia das igrejas, mas alerta para momento na saúde.

O vereador Val Caetano, que também é motorista de ambulância na cidade, reconheceu ser importante o papel das igrejas, mas também relatou o momento difícil na saúde. Para ele, é preciso avaliar o PL e discutir com todos os pares para não haver distorções de informações e votarem na unidade de opiniões.


Na sessão desta quinta-feira (11/), realizada por meio eletrônico, o Tribunal de Contas dos Municípios aprovou com ressalvas as contas da Prefeitura de Itiruçu, da responsabilidade da prefeita Lorena Moura Di Gregório, relativas ao exercício de 2019.

O conselheiro Paolo Marconi, ao final do seu parecer, aplicou à prefeita uma multa no valor de R$6 mil pelas ressalvas contidas no relatório técnico. Também foi determinado o ressarcimento aos cofres municipais de R$1.574,61, com recursos pessoais, em razão de despesas com multas por infração de trânsito sem a correspondente restituição pelo infrator.

A Prefeitura de Itiruçu teve receita de R$28.606.317,55 e promoveu despesas no total de R$27.848.793,08, o que levou a um superávit orçamentário de R$757.524,47. Contudo, os recursos deixados em caixa, no montante de R$2.413.728,95, foram insuficientes para cobrir despesas com “restos a pagar” e de “exercícios anteriores”.

Prefeita teve a 3ª conta aprovada com ressalva e multas por irregularidades. Foto/Itiruçu Online.

A relatoria comprovou que a prefeita atendeu às obrigações constitucionais, vez que aplicou 25,96% dos recursos específicos na área da educação, 16,66% dos recursos nas ações e serviços de saúde e 64,01% dos recursos do Fundeb na remuneração dos profissionais do magistério. A despesa com pessoal, no último quadrimestre, representou 52,77% da Receita Corrente Líquida do município, inferior, portanto, ao limite de 54% previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal.

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – IDEB alcançado no município no ano de 2019 em relação aos anos iniciais do ensino fundamental (5° ano) foi de 4,1, abaixo da meta projetada (de 4,2). Com relação aos anos finais do ensino fundamental (9º ano), o índice alcançado foi de 2,9, não atingindo a meta projetada (de 3,7).

Em seu parecer, o conselheiro Paolo Marconi também apontou, como ressalvas, a contratação direta de consultoria sem comprovação da singularidade do objeto; não comprovação da conformidade de preços com os de mercado em três pregões presenciais; contratação de show artístico sem comprovação do vínculo de exclusividade entre os artistas e a entidade contratada; ausência de justificativa de preços em dois processos de compra direta; despesas com pessoal contratado por tempo determinado sem comprovação do excepcional interesse público; gastos com pessoal temporário classificado irregularmente; e falhas na inserção de dados no sistema SIGA.

Cabe recurso da decisão.


Foto/Blog Itiruçu Online.

No pior momento da pandemia na Bahia, os vereadores de Itiruçu irão discutir um projeto de Lei que torna as igrejas serviços essenciais.

No momento, diversas cidades do estado adotaram o lockdown para frear o contágio desordenado e não agravar ainda mais a situação nos hospitais. Lembrando que o hospital que atende o município de Itiruçu é o Prado Valadares, em Jequié, que diversas vezes atingiu 100% os leitos de UTI.  Na Bahia circula cepas diferentes do novo coronavírus.

O coronavírus tem dividido a opinião nas igrejas. Enquanto o bispo Edir Macedo, da Universal do Reino de Deus, diz que a Covid-19 “representa um apavoramento que não condiz com a realidade”, o arcebispo de São Paulo, dom Odílo Scherer, afirma que o “desprezo sobre a ciência é grande e pode provocar consequências desastrosas”.

Templos fechados

Essa discussão tem levado a um impasse religioso: as igrejas devem permanecer fechadas na pandemia de coronavírus?

Os evangélicos acham que não. Já os católicos recomendam que as missas sejam transmitidas pela Internet. Fechar os templos parece ser a decisão acertada, nos piores momentos da pandemia . Afinal, a aglomeração de pessoas nos cultos pode ser fatal, por trata-se de locais fechados. Caso contrário, permitida a abertura, é preciso seguir a risca os protocolos de saúde.

Em Itiruçu já houve contaminações com prejuízos à saúde das pessoas. Famílias sendo contagiadas em festas de aniversários, almoço de família. Por outro lado, liberar os templos e proibir bares, atividades desportivas, retornos às aulas e academias, com discursos de espiritualidade, é servir os interesses de outros que não do coletivo, onde todos sofrem com medidas restritivas: aliviar para uma classe e endurecer para outros é negligenciar para todos.

O discurso de espiritualidade depende da Igreja e não do templo, afinal, como ficará a espiritualidade dos não frequentadores das igrejas com as medidas endurecidas apenas para ele? Podem assistir templos lotados e muitas vezes sem cumprir normas de saúde?

Se o vírus fosse uma unanimidade tratado como caso de saúde pública, onde todos tivessem os cuidados como forma de evitar o contágio, mas, no entanto, as igrejas mais populares que possuem programações na TV, seus líderes por diversas vezes encaparam campanhas em redes sociais contra medidas simples de saúde e o enaltecimento de políticos, onde mora o perigo com as orientações sanitárias; o que não foi visto ainda em Itiruçu.

Por outro lado, liberar atividades das igrejas na condição de essenciais – e são – em cidade como Itiruçu, não há outras atividades que cause aglomerações e também podem funcionar com o uso de máscara e álcool em gel, basta a Câmara cobrar do município uma equipe que fiscalize diariamente os desrespeitos às medidas de saúde.

Como funcionou antes

Os templos estavam organizados a abertura com número limitados de pessoas, que nem sempre foi observado. Durante esta vigência, observamos que nem todas as medidas foram observadas e foi possível ver aglomerações e pessoas sem o uso de Máscara. O cuidado com a saúde não é uma questão ideológica de espiritualidade, mas trata-se de questão coletiva que inclui todas as crenças. O funcionamento condicionado a 30% da capacidade, seguindo as normas de saúde é o ideal, embora, sem fiscalização não funciona.

O que é essencial?

Difícil discutir o que é essencial na vida do outro, pois o que pode ser bom para um, não é para o outro. Ninguém pode impor, mas educar no que é essencial numa pandemia onde todos os sistemas de saúde estão colapsados, de privado a público. Resta saber, se neste caso, os que querem ajudar uma classe irão ajudá-los quando necessitarem de internamentos ou, nesse sentido, o momento é de união entre 15 ou 30 dias ouvindo a ciência é uma luta coletiva. A escolha é simples, e as consequências apontarão os culpados?

Se todos seguirem os cuidados com à saúde e conviveram de forma educada com o vírus, todos os serviços em cidades do porte de Itiruçu são essenciais, principalmente o comércio que já sofre com a falta de clientes no cotidiano.


Foto/Blog Itiruçu Online

Nesta terça-feira (02), a agência do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) de Itiruçu após um funcionário testar positivo para o coronavírus, emitiu nota técnica sobre os procedimentos adotados, mas não fechou a Agência.

Conforme nota do INSS enviada ao Itiruçu Online, a Agência da Previdência Social em Itiruçu confirmou que um membro da equipe foi diagnosticado com COVID-19 e encontra-se afastado do trabalho desde a última semana. Ainda segundo a nota, por tratar-se de esfera federal, a disciplina do funcionamento advém do Governo Federal, através da gestão do INSS, e tem protocolos próprios. Assim, não foi autorizado o fechamento da agência, havendo inclusive manifestação do setor médico da Gerência Executiva, no sentido da sanitização do local e manutenção do funcionamento nos moldes atuais, ou seja, com restrição de acesso e oferta apenas de perícia e cumprimento de exigência.

A Nota diz que a Agência tem seguido os protocolos determinados, que são:

  • Aferição de temperatura de todos que ingressam na APS;
  • Uso de máscaras e face shield, luvas, tocas e aventais manga longa descartáveis;
  • Uso de álcool em gel
  • Sanitização da sala de perícia antes e após cada perícia;
  • Barreiras de acrílico nas ilhas de atendimento;

Interdição alternada dos assentos;

  • Portões fechados;

Orientação e sinalização em todos os ambientes;

Enfim, acatamos as normativas superiores e temos zelado pelo funcionamento responsável da Agência para melhor servir à população que precisa dos serviços ofertados.

Alender Rodrigues Brandão Correia

  04022.180 – Agência da Previdência Social em Itiruçu/BA

Gerência Executiva de Feira de Santana

Proteção para o Trabalhador e sua Família