Sábado, 23 de novembro de 2019. Data em que todas as gerações vivas de torcedores do Flamengo podem se olhar com o mesmo sentimento. Os rubro-negros de 40 e poucos anos ou mais novos, que não tinham nascido ainda em 1981 ou que eram pequenos demais na época, cresceram ouvindo as façanhas daquele time mágico de Zico e companhia. Narrativas que soavam mais como ficção do que realidade para quem não “viu com os próprios olhos”. A veracidade de uma história, por mais “baseada em fatos reais” que seja, só ganha contornos lúdicos na vivência. E hoje, eles podem dizer: “Pai, agora eu sei como é”.

Depois de décadas na fila, amargando decepções fora das fronteiras brasileiras enquanto flertava com o perigo em campeonatos nacionais, um novo futebol que encanta foi coroado nesta noite no Estádio Monumental de Lima, no Peru. O Flamengo de Jorge Jesus, Gabigol, Bruno Henrique, Arrascaeta & Cia. venceu o forte River Plate em uma final histórica, a primeira Libertadores decidida em jogo único e campo neutro. 2 a 1, de virada, com dois gols de Gabigol.


É do Leão do Sisal! O Jacuipense fez história no Baianão Sub-17 ao conquistar o título da edição 2019 do estadual na noite desta sexta-feira (22), no Barradão. O time de Riachão do Jacuípe venceu o Vitória por 1 a 0. O gol do título foi marcado por Ícaro, ainda no primeiro tempo. O Jacupa chegou à taça com 100% e aproveitamento na final. No jogo de ida, também venceu o Rubro-Negro por 1 a 0, em Pituaçu.
O título, inédito para o Jacuipense em um estadual de divisão de base, é o segundo na história do clube, que só havia conquistado a Série B do Baianão em 1989. Após a partida, o presidente da Federação Bahiana de Futebol, Ricardo Lima, e a diretoria da entidade fizeram a entrega do troféu e medalhas aos campeões baianos. Também foram premiados o artilheiro da competição, João, do Vitória, com dez gols marcados, e o goleiro menos vazado, Jeferson, do Jacuipense. A diretoria da FBF parabeniza o Jacuipene, seus dirigentes, atletas, torcedores e comissão técnica pelo título baiano. A entidade também parabeniza o Vitória por ter chegado à decisão do título.

No próximo sábado (23), a partir das 17h (horário de Brasília), Flamengo e River Plate, da Argentina, escreverão mais uma página da longa história de conquistas e glórias do futebol sul-americano, pois protagonizam uma final inédita de Copa Libertadores da América no Estádio Monumental de Lima (Peru). O ineditismo do jogo está no fato de as duas equipes se enfrentarem pela primeira vez na decisão da competição. E a importância histórica se dá porque esta é a final de número 60 da Libertadores, torneio que pela primeira vez terá uma final em partida única.

Finais entre Brasil e Argentina

Uma decisão de Libertadores entre um time do Brasil e outro da Argentina não é uma novidade na história da competição. Elas já aconteceram em 14 oportunidades, com cinco vitórias brasileiras e nove argentinas. O Flamengo nunca esteve nesta situação, enquanto o River já encontrou um time brasileiro em confrontos decisivos, foi no ano de 1976, quando o Cruzeiro acabou campeão. Leia mais aqui.


Não foi dessa vez! A maior estrutura venceu. A equipe do Juventude, que teve total apoio do Prefeito de Belo Campo, da torcida com maior número e teve maiores reforços, venceu o Jequié por 4 x 2 e passou para a final contra o Bahia, que também venceu na semifinal o Olímpia por 2 x 0. No dia de seu aniversário Jequié joga mal, perde e despede do baiano feminino. A equipe da Associação Desportiva Jequié entrou em campo na tarde desta quarta feira (20) na cidade de Manoel Vitorino em busca da vaga na final do campeonato baiano de futebol feminino.

Numa tarde de muita infelicidade a equipe Jequieense até conseguiu está na frente do placar duas vezes, mas tinha pela frente um time bem ajustado técnica e fisicamente, que conseguiu ainda no primeiro tempo empatar o jogo levando para o intervalo o resultado de 2 X 2.

Na segunda etapa, o Juventude mostrou superioridade tática conseguindo virar o jogo pra 3 x 2. Resultado que desarrumou todo esquema de jogo do Jequié. Após levar o terceiro gol, o time Jequieense passou a errar bastante em todos os setores, deixando o nervosismo tomar conta. Bem ajustada dentro de campo o Juventude aproveitou o momento ruim e ampliou o score, fazendo o quarto gol, desarticulando psicologicamente as meninas do Jequié. Leia mais aqui


Camisas Negras: o time do Vasco campeão carioca em 1923

Ao longo dos seus 120 anos de história, o Vasco da Gama foi campeão sul-americano, da Libertadores, da Copa do Brasil, quatro vezes do Brasileirão e outras tantas do Carioca. Mas nenhuma conquista no campo tem o mesmo peso de uma carta que, de tão emblemática, está exposta na sala de troféus em São Januário. Em 7 de abril de 1924, o então presidente José Augusto Prestes assinou o manifesto que ficou conhecido como a Resposta Histórica, comunicando que o Vasco se recusaria a disputar a divisão principal do Rio de Janeiro sem seus jogadores negros, exigência que havia sido imposta pelos dirigentes da época. A dimensão simbólica da atitude, considerada insurgente naqueles tempos em que o futebol de elite era privilégio dos brancos, transformou o clube cruzmaltino em estandarte da luta contra o racismo no esporte brasileiro.

“Para nós, de fato, esse documento é como um troféu”, afirma João Ernesto Ferreira, vice-presidente de relações especializadas do Vasco, ao justificar a exibição de uma réplica da carta na nobre galeria de taças. Consolidado no remo, o clube só começou a se destacar pelos gramados no início da década de 1920. Sem a mesma tradição dos times da zona Sul do Rio na modalidade, a estratégia era montar elencos com jogadores das classes sociais menos favorecidas. A equipe campeã da segunda divisão em 1922 tinha como craques operários, choferes, pintores e faxineiros. Assim, assegurou o direito de disputar, no ano seguinte, a primeira divisão ao lado dos já consagrados América, Botafogo, Flamengo e Fluminense.

Com a base de trabalhadores braçais mantida no plantel, o Vasco desbancou favoritos, arrebatou 11 vitórias em 14 jogos e faturou o título do campeonato organizado pela Liga Metropolitana de Desportos Terrestres (LMDT). Incomodados pela ascensão meteórica dos vascaínos, rivais decidiram criar uma nova liga, a Associação Metropolitana de Esportes Athleticos (AMEA), impondo ao clube apelidado de Camisas Negras, pela cor de seu uniforme, a exigência de excluir 12 jogadores que, de acordo com os cartolas, não apresentavam “condições sociais apropriadas para o convívio esportivo”. O analfabetismo foi uma das razões enumeradas pela liga para desqualificar parte do elenco campeão.


BASE da UDI venceu na estreia.

Iniciou  no sábado (16) o Campeonato Regional da Base, categorias SUB-17 e SUB-20, na cidade de Planaltino. Dois jogos abriram a competição. Um jogo de cada categoria abriu o campeonato. No SUB-20, o time da Angélica venceu o Real da Bahia por 2×1. Já pelo SUB-17, a equipe da UDI- União Desportiva Itiruçu aplicou uma goleada de 4×0 diante dos Molekes da Vila. Os jogos serão realizados aos sábados.  Segundo diretor de esportes de Planaltino, Grimaldo, a competição de base foi uma exigência do prefeito Zeca Braga, que depois de realizar o campeonato municipal, pediu prioridade para também realizar competições para que os jovens de Planaltino possam disputar.

O Time de Itiruçu é de responsabilidade particular e visa ampliar a categoria de base para disputar outros campeonatos regionais. O apoio à equipe é do vereador Jó de Jú.


Itiruçuense garantiu a vaga na semifinal ao vencer o Atlético Baiano.

Acabou a fase de grupos no Campeonato Regional da Várzea. Agora é matar ou morrer nas semifinais. 08 equipes disputaram as 04 vagas na semifinal. Neste domingo (17), dois jogos do grupo B definiram os classificados. O primeiro jogo valia a classificação para ambas as equipes no confronto direto pela vaga. O Itiruçuense precisava apenas de um empate para garantir a classificação diante do Atlético Baiano, que foi a Campo precisando vencer, mas acabou sendo derrotado por 2×1 e sendo eliminado. Com isso,  o Itiruçuense garantiu a segunda vaga do grupo, já que a primeira já estava garantida ao time do Tudo Pela Ordi, dono da melhor campanha do grupo B com 09 pontos em três jogos. O TPO venceu o time do Vila Nova por 3×0 e consagrou a campanha de líder.

TPO venceu Vila Nova e consolidou melhor campanha no grupo B

Com os resultados, ficaram definidas as semifinais da seguinte forma:

 

1º Grupo B: TPO X UDI – 2º A

Dia 24/11

1º do Grupo A – Feto x Itiruçuense – 2º do grupo B

Dia 01/12

Não há vantagem de empate nos jogos pelas campanhas realizadas. As equipes agradeceram o apoio do vereador Jó de Jú, que dedicou o dia ao transporte das equipes.


O time de Máster que representa o município de Itiruçu no Campeonato de veterano na cidade de Maracás, conquistou, neste domingo (17), a classificação antecipada na competição ao vencer o time do São Raimundo pelo placar de 4×3. A equipe é formada por jogadores da cidade e venceu os três jogos disputados, somando 09 pontos. No próximo dia 01/12 a equipe volta a campo para finalizar a fase de grupos. O selecionado de máster é liderado pelo professor Chico, com orientação técnica de Tiago Santos. O time conta com apoio do vereador Jó de Jú em todos os jogos, que assumiu a logística de viagem do grupo. O presidente da Câmara Nino Mota também colabora com a logística.

A Competição realizada pelo município de Maracás tem duas cidades convidadas: Iramaia e Itiruçu. Todas as equipes estão agradando aos torcedores que acompanham a competição. A reclamação geral tem sido a baixa qualidade de alguns árbitros, como o que apitou o jogo de Itiruçu x São Raimundo neste domingo, conhecido por Jú, atuando com pouca eficiência e erros grotescos pela falta de acompanhamento nas jogadas, prejudicando as equipes que investem para disputar a competição.

O time de Máster ainda busca o apoio de comerciantes e de quem deseja ajudar o esporte da cidade, pois a competição é longa e o custeio acaba sendo um desafio a mais para o selecionado.

 


  • Um tempo para cada um, um gol para cada um, e fecha a conta. Bahia e Palmeiras fizeram um jogo equilibrado na tarde deste domingo, na Arena Fonte Nova. Em busca de uma vitória depois de seis jogos sem vencer, o time baiano deu muito trabalho no primeiro tempo: pressionou, sufocou e foi para o intervalo com 1 a 0 a seu favor, gol marcado por Arthur Caíke. Na segunda etapa, era a hora da resposta do time paulista. Com um inspirado Borja, que substituiu Deyverson, o Palmeiras se organizou e passou a controlar as ações. Depois de alguns sustos no goleiro Douglas Friedrich, Borja empatou aos 25.

    Como fica a tabela

    Com o empate, o Bahia manteve a 9ª posição na tabela, com 44 pontos. O Palmeiras foi aos 68 pontos – a 13 do Flamengo, líder da Série A.

    Confira a tabela completa da Série A


A virada épica contra a França na semifinal preparou a torcida. Mas a seleção brasileira sub-17 gosta de emoção. Empurrado pelo “Eu acredito!” nas arquibancadas, o Brasil reagiu após sair perdendo, venceu o México de virada por 2 a 1 e conquistou seu quarto título do Mundial Sub-17. A estrela novamente ficou com Lázaro, atacante do Flamengo, que entrou no segundo tempo para fazer o segundo gol brasileiro. A seleção ainda exorciza a freguesia que mantinha para os mexicanos na competição.

É TETRA!

O Brasil chega ao seu quarto título do Mundial Sub-17. Conquistou a competição também em 1997, 1999 e 2003. Os mexicanos seguem com duas taças. Agora, a seleção brasileira encosta na Nigéria, que é o maior vencedor da Copa do Mundo para menores de 17 anos, com cinco taças.