Joel Santos, 55 anos, morador de Jequié, cidade de mais de 150 mil habitantes, no interior baiano. Desempregado e ciclista, Joel, viu no aterro sanitário local, sua única oportunidade para levar sustento para família, trabalhando na informalidade com reciclagem, o ciclista tem três filhos e, “quando o lixo tá bom”, fatura o suficiente para “comer”, diz.

Pedalando com uma velha bicicleta sem freios, transitando quase todos os dias da semana na BR 116/Rio Bahia, no perímetro urbano de Jequié, geralmente para ir ao aterro e regressar para casa, localizada no Conjunto Habitacional Segredo, no bairro periférico Curral Novo.

O operário informal utiliza bicicleta desde criança, no giro cotidiano pela sobrevivência, pedala levando na mão esquerda uma garrafa térmica, onde leva café, no sábado 18/9, recebeu do Movimento @cicloolhar seu primeiro capacete.

Andar de bicicleta e beber café pode não resolve todos os nossos problemas, mas, pelo menos, no giro do exemplo de resistência e luta do ciclista invisível Joel, no trânsito da vida pela sobrevivência e dignidade humana, nos acorda, movimenta, lembrando-nos que historicamente existe um bolo cada vez mal dividido e distribuído nas Cafeterias Brasis, frequentadas por uma minoria privilegiada, resquícios saudosistas quiçá da “política do café com leite”.

Doações de Capacetes novos ou usados, fale com a gente: Jequié e Salvador – Bahia (71) 98825 1105, Vitória da Conquista – Bahia (77) 98148 0440, Cajazeiras – Paraíba (83) 99103 3079, Irecê – Bahia (74) 99949 9854, Macapá – Amapá (96) 98100 0019 Instagram: @cicloolhar Facebook: Ciclo-Olhar, Blog: CicloOlhar.blogspot.com


A diretoria do São Paulo afirmou nesta sexta-feira, 10, que Daniel Alves não joga mais pelo clube. Em vídeo divulgado nas redes sociais do clube, o diretor de futebol Carlos Belmonte, que estava ao lado do coordenador e ídolo Muricy Ramalho, confirmou que o atleta não aceitou mais vestir a camisa tricolor, em decorrência de uma dívida que gira em torno 11 milhões de reais do clube com o jogador.

O São Paulo chegou a fazer uma proposta para negociar o pagamento atrasado com o atleta. Os representantes do atleta, porém, recusaram a oferta. Assim, os responsáveis anunciaram que Daniel Alves não voltaria da seleção brasileira ao time da capital paulista. Assim, a diretoria decidiu retirar o lateral-direito do elenco.

“Daniel Alves e Miranda estavam servindo a seleção brasileira e deveriam se apresentar hoje para começarem os treinamentos normais visando os próximos jogos. Miranda compareceu, treinou normalmente. Daniel Alves não compareceu. Fomos comunicados pelos representares que o Daniel Alves não retornará ao São Paulo até o ajuste da dívida financeira que o São Paulo tem com o atleta. Dívida essa que o São Paulo reconhece e na última semana fez uma proposta buscando o acerto, que não foi aceita pelos representantes. A negociação seguirá com o departamento jurídico e financeiro. Do ponto de vista do departamento de futebol, nós tomamos a decisão e comunicamos ao Hernán Crespo que Daniel Alves não estará mais a disposição para atuar no time do São Paulo. Vale sempre lembrar que o São Paulo é mais importante que todos nós. Ninguém é maior que o São Paulo Futebol Clube”, comunicou Carlos Belmonte.

Daniel Alves atuou 95 vezes pelo São Paulo e marcou 10 gols, foi assistente de 14 tentos e participou da conquista do Campeonato Paulista de 2021. O atleta, porém, acumulou polêmicas extracampo, especialmente nos últimos meses.


O Conselho Técnico da Série A do Campeonato Brasileiro decidiu nesta quarta-feira (8) não permitirá o retorno do público aos estádios enquanto todas as cidades que têm times na primeira divisão não autorizarem a presença de torcedores, informou a Confederação Brasileira de Futebol (CBF). A decisão só não teve apoio do Flamengo, que não compareceu à reunião, após a Prefeitura do Rio de Janeiro liberar a presença de público em jogos do time no Maracanã a partir da semana que vem.

O Flamengo argumenta que o Conselho não tem competência para deliberar sobre o tema e considera que não cabe à CBF ou aos clubes deliberar acerca da presença de público nos estádios, por não se tratar de questão desportiva. “Compete exclusivamente às autoridades governamentais locais dispor sobre a possibilidade ou não de público em eventos esportivos ou de outra natureza”, afirmou o clube da Gávea em nota.

Uma nova reunião de clubes da Série A deve ocorrer no dia 28. Os clubes pretendem recorrer ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e ameaçam até parar a competição caso a volta de público não seja igual para todos. “Os clubes manifestaram, por unanimidade, que irão pleitear à CBF que sejam suspensas rodadas da competição nas quais clubes sinalizem com a utilização de liminar para contar com público nos estádio”, afirmou a CBF em nota.

A prefeitura do Rio liberou na última terça-feira (7) a presença de milhares de torcedores no estádio em partidas do Flamengo a partir da semana que vem, em meio à pandemia do novo coronavírus (covid-19) e apesar da disseminação da variante Delta, que é mais contagiosa, na cidade. O clube já pressionava há algum tempo pela volta do público aos estádios, e já havia feito várias tentativas de obter permissão das autoridades neste sentido.

A prefeitura do Rio liberou a presença de convidados no Maracanã neste ano na final da Copa Libertadores e na decisão da Copa América. Nos dois casos houve aglomeração dentro do estádio e desrespeito aos protocolos sanitários, o que levou a prefeitura a multar a CBF e a Conmebol, entidade que comanda o futebol sul-americano.


A CBF convocou os 20 clubes da Série A para uma reunião do Conselho Técnico, nesta segunda-feira, e a decisão foi por manter a disputa do Campeonato Brasileiro sem público enquanto não houver a liberação do retorno das torcidas aos estádios em todas as praças. Participaram do encontro 19 clubes, sendo que a ausência do Flamengo já estava confirmada pelo próprio clube.

As informações são do site “ge”. Ainda de acordo com a publicação, a entidade e os clubes decidiram entrar com uma ação no STJD para derrubar a liminar concedida ao Flamengo que permite a realização de jogos com público do clube como mandante, desde que observada a presença máxima estabelecida pelo município e cumpridas todas as exigências das autoridades locais.

O Flamengo, por entender que o tema “escapa à competência desportiva da CBF”, informou nesta manhã que não participaria da reunião. Na quarta, a Prefeitura atendeu à solicitação do clube e autorizou a realização de três jogos, a partir do dia 15, com a presença da torcida, que servirão como eventos-teste.

Uma nova reunião foi marcada para o dia 28 de setembro. Agora, contudo, aguarda-se a decisão do STJD e os próximos passos da CBF a respeito da liberação da Prefeitura e do Tribunal ao Flamengo. O primeiro evento-teste permitido ao clube está previsto para o dia 15 de setembro, quando o Rubro-Negro enfrenta o Grêmio, na volta das quartas de final da Copa do Brasil.

O segundo evento-teste previsto está previsto para acontecer contra o mesmo rival, mas pelo Campeonato Brasileiro. O jogo está marcado para o dia 19.


A 8ª Edição do Desafio Mucugê de MTB aconteceu no último final de semana, nos dias 03, 04 e 05 em Mucugê-BA, na Chapada Diamantina.  O evento reuniu mais de 400 atletas que participaram das provas que já se consolidaram como uma das principais provas do calendário nacional disputada na “Meca” do MTB baiano, local que sediou a maior ultramaratona de Mountain Bike das Américas, o Brasil Ride.

Dohn Máquina no pódio.

O itiruçuense John Máquina  brilhou em mais uma boa performance, ficando em 5º lugar na categoria Sub-30, sendo um dos destaques do Vale Jiquiriçá no desafio de nível internacional de Mountain bike.

Napoleão garantiu vaga entre os primeiros.

Outro itiruçuense que alcançou pódio em uma das provas foi Napoleão Barros, ficando em  4° lugar, sendo disputada apenas um dia o desafio de 30 a 39 anos, categoria Sport B.   O Desafio Mucugê MTB, Edição 2021 é uma realização da empresa Alto Paraguaçu Marketing e Federação Baiana de Ciclismo.


O projeto de ganhar uma medalha paralímpica começou para Renê Pereira em 2011. Ou seja, quis o destino que o sonho fosse concretizado exatamente 10 anos depois, já que os Jogos Paralímpicos de Tóquio foram adiados de 2020 para 2021. Apenas uma ideia da luta que esse médico baiano, nascido em Itapetinga, no Sudoeste do estado, teve que passar. O bronze conquistado em Tóquio está na história: foi a primeira medalha individual do remo paralímpico brasileiro.

Para a Bahia, ela tem outra importância, talvez ainda maior. Na noite de sábado (28), manhã de domingo no Japão, Renê Pereira conquistou a primeira medalha do estado na Paralimpíada de Tóquio. Foi na prova de 2 mil metros, categoria skiff simples PR1M1x.

“Estou muito feliz com a prova de hoje. É uma sensação indescritível. Me sinto merecedor por todos os esforços que empenhei em prol dessa medalha. Foi difícil, passei períodos difíceis, mas sabia que com luta e dedicação era possível”, disse em vídeo gravado para o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB).

Renê começou a sua vida no esporte adaptado em 2008, na natação. Dois anos antes, o jovem médico descobriu que tinha um abcesso na medula. O problema tirou-lhe o movimento das pernas. Mais tarde, ele faria residência em ortopedia. Leia mais no CORREIO 24 horas


A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) tem um novo presidente em exercício. Trata-se de Ednaldo Rodrigues, escolhido pelo Conselho de Administração da entidade para substituir Antônio Carlos Nunes, conhecido como ´Coronel Nunes´.

A reunião que decidiu a nomeação do novo presidente teve a presença dos oito Vice-Presidentes, que aprovaram o nome do novo mandatário. O Baiano Ednaldo Rodrigues exercia a função de presidente da Federação Bahiana de Futebol.


Já tem medalha para o Brasil no primeiro dia de Jogos Paralímpicos de Tóquio! Na natação, Gabriel Araújo, de 19 anos, conquistou a medalha de prata nos 100m costas, na classe S2. O nadador fez 2m02s47, atrás apenas do chileno Alberto Abarza, que ficou com o ouro. Vladimir Danilenko, do Comitê Paralímpico Russo, levou a medalha de bronze.


Com um grande número de desportistas, jogadores amadores e profissionais do esporte atuando em escolinhas de futebol e em associações sociais que estimulam o futebol amador, o município de Jequié vai receber, de 27 a 29 de agosto, no Centro de Cultura Antônio Carlos Magalhães, o I Simpósio de Futebol de Base, evento de iniciativa da Prefeitura de Jequié, através da Secretaria de Esporte e Lazer, e que visa discutir, entre outros temas, a formação do atleta de futebol, sendo destinado aos técnicos de futebol em projetos sociais, clubes ou escolinhas, jornalistas, radialistas, coordenadores, gestores, profissionais e estudantes de educação física.

O Simpósio vai reunir grandes profissionais do esporte, que vão abordar sobre o fortalecimento e estruturação do futebol de base. Entre os palestrantes, estão Tiago Lopes, observador técnico do Fluminense Football Club, do Rio de Janeiro; Lizandra Nunes, analista de desempenho do Fluminense Football Club, do Rio de Janeiro; Rodrigo Chagas, ex-treinador do Esporte Clube Vitória; Felipe França, preparador físico do Esporte Clube Vitória; Jailson Macedo, Presidente da Comissão de Árbitros da Federação Baiana de Futebol (FBF); César Pimentel, professor do curso de Educação Física da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB); Kleyton Trindade, fisioterapeuta da Associação Desportiva Jequié (ADJ); Jamerson Sampaio, médico cardiologista da Associação Desportiva Jequié (ADJ); Silvio Mendes Junior, coordenador de competições da Federação Baiana de Futebol (FBF); e Jaderson Barbosa, gestor técnico do FSA Esporte Clube e professor do curso de Educação Física da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS/BA).

As inscrições são gratuitas e limitadas, em função dos protocolos sanitários, podendo ser feitas até sexta-feira, às 11h, na Secretaria de Esporte e Lazer, localizada na Avenida Rio Branco, 1171, Centro, telefone 3527-1865 e, ainda, pelo link:

Inscrição para o I Simpósio de Futebol de Base de Jequié

De acordo com o secretário de Esporte e Lazer, Matheus Roberto Oliveira Macedo, o Budega, o futuro do futebol começa na boa formação de atletas e, por este motivo, é importante que os profissionais e pessoas que atuam na área participem do evento.

“Temos muitas pessoas atuando nas escolinhas da cidade, que são os celeiros dos futuros atletas, e que precisam de apoio para trabalharem e, principalmente, descobrir os jovens talentos do futebol. Tudo nasce ali, na base, e este será um dos temas do I Simpósio do Futebol de Base de Jequié, que acontece a partir desta sexta-feira, dia 27, no Centro de Cultura, respeitando todos os protocolos de saúde e contando a participação de grandes profissionais do futebol e que vão apresentar propostas e discutir ideias para o fortalecimento e estruturação do futebol de base.”, destacou Matheus Macedo, o Budega, secretário de Esporte e Lazer.


Começam nesta terça-feira (24) os Jogos Paralímpicos de Tóquio. Serão 13 dias em que atletas do mundo inteiro disputarão medalhas em 22 modalidades. Entre as estrelas do esporte paralímpico, estarão no Japão as nadadoras norte-americanas Jessica Long e McKenzie Coan e o alemão Markus Rehm, do salto em distância.

Estarão em ação a seleção australiana de rugby em cadeira de rodas, atual campeã paralímpica, e a até agora imbatível seleção brasileira de futebol de 5, quatro vezes medalhista de ouro. Só os brasileiros subiram no lugar mais alto do pódio desde a introdução da modalidade no programa paralímpico, em 2004.

Também participarão, é claro, o brasileiro Daniel Dias, o maior medalhista paralímpico da história, com 24 medalhas em três jogos. Dessas, 14 de ouro, sete de prata e três de bronze. “Minha motivação é estar apto a ser melhor o tempo todo e mostrar que posso ir além, ter melhores marcas”, disse o nadador ao site oficial dos jogos.

Refugiados

Assim como nos Jogos Olímpicos, os Paralímpicos também trazem um time de atletas refugiados. Eles representam milhões de pessoas que se viram obrigadas a deixarem seus países fugindo de conflitos, guerras, perseguições ou pobreza extrema.

O time de refugiados é composto por seis atletas: Parfait Hakizimana, atleta de taekwondo nascido no Burundi; Ibrahim Al Hussein, nadador nascido na Síria; Shahrad Nasajpour, do arremesso de disco, nascido no Irã; Alia Issa, atleta do arremesso de peso nascida na Grécia, mas filha de refugiados sírios; e Anas Al Khalifa, canoísta nascido na Síria.

Brasil

Não é só de Daniel Dias que o Brasil viverá em Tóquio daqui até o dia 5 de setembro. A delegação brasileira será composta por 259 atletas. São 163 homens e 96 mulheres. Entre elas e eles estão atletas sem deficiência como guias, calheiros, goleiros e timoneiro. Eles são os olhos, ouvidos e mãos dos paratletas.