Foram divulgados, no final da tarde desta segunda-feira (26), os gabaritos oficiais das provas objetivas do concurso para professores e coordenadores pedagógicos da rede estadual de ensino, realizadas pelos candidatos no domingo (25) em Salvador e outras 26 cidades.

Confira aqui os gabaritos

Conforme o governo, mais de 91 mil educadores realizaram as provas, o que corresponde a 88% do total de inscritos (103,5 mil). A abstenção foi, portanto, de 12%. São ofertadas, ao todo, 3.760 vagas, sendo 3.096 para professores e 664 para coordenadores pedagógicos.

Os gabaritos foram divulgados no site da Fundação Carlos Chagas, responsável pela realização das provas. Para ter acesso, é preciso informar o número do caderno, que consta na parte superior direita da folha de anotação do candidato. Caso tenha perdido a folha de anotação, o candidato pode solicitar o número do caderno por e-mail.

A avaliação do domingo foi realizada em duas etapas (objetiva e discursiva), com duração de 4h30, para professores, e de 3h30, para coordenador pedagógico. As provas foram aplicadas em Salvador, Alagoinhas, Amargosa, Barreiras, Bom Jesus da Lapa, Caetité, Eunápolis, Feira de Santana, Ipirá, Irecê, Itaberaba, Itabuna, Itapetinga, Jacobina, Juazeiro, Jequié, Macaúbas, Paulo Afonso, Ribeira do Pombal, Santa Maria da Vitória, Seabra, Serrinha, Santo Antônio de Jesus, Senhor do Bonfim, Teixeira de Freitas, Valença e Vitória da Conquista.

Também nesta segunda, o governo da Bahia informou que o concurso terá resultados parciais antes da realização da prova de títulos. A Fundação Carlos Chagas deverá divulgar, no dia 24 de março, o resultado provisório dos aprovados na prova objetiva. No dia 13 de abril, deverão ser divulgados o resultado final da prova objetiva e o provisório da prova discursiva. Os aprovados nestas duas etapas serão convocados, via edital, a ser publicado no mesmo dia, no Diário Oficial do Estado, para a prova de títulos. O resultado final está programado para o dia 12 de junho. (G1/Bahia).


O resultado da primeira chamada do Programa Universidade para Todos (ProUni) foi divulgado hoje (14), na internet. Os candidatos pré-selecionados têm até o próximo dia 23 para apresentar nas instituições de ensino os documentos que comprovem as informações prestadas no momento da inscrição.

Após conferir o resultado do ProUni, o candidato pré-selecionado deve verificar na instituição os horários e o local de comparecimento para apresentar as informações necessárias. A perda do prazo ou a não comprovação das informações implicará, automaticamente, a reprovação. A lista com a documentação a ser apresentada está disponível na página do programa.

Para quem não foi pré-selecionado ainda haverá a segunda chamada a ser divulgada no dia 2 de março.

O ProUni seleciona estudantes para receber bolsas de estudo integrais e parciais em instituições particulares de ensino superior com base na nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Nesta edição, serão ofertadas 242.987 bolsas de estudo entre integrais e parciais.

As integrais são destinadas aos estudantes com renda per capita de até um salário mínimo e meio. Já as bolsas parciais atendem aos candidatos que tenham renda familiar per capita de até três salários mínimos.

Falha

No início da manhã, o acesso ao resultado do ProUni apareceu na página do programa e minutos depois foi retirado, dando lugar à mensagem “Aguarde o resultado da primeira chamada”. A movimentação fez com que circulasse a informação de que o resultado foi divulgado e depois saiu do ar.

Segundo a assessoria de imprensa do Ministério da Educação, a divulgação estava prevista para meio-dia, embora os botões de acesso estivessem programados automaticamente para entrar no ar às 9h. Assim que foi percebida a falha, o acesso foi retirado e o resultado divulgado apenas no final da manhã. Agência Brasil.


A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), do Ministério Público Federal (MPF), quer que o Supremo Tribunal Federal (STF) suspenda e julgue a inconstitucionalidade de duas leis municipais que tratam do ensino de questões de gênero e da escola sem partido. Para a procuradoria, as regras violam garantias fundamentais do direito à educação.

Uma das leis foi aprovada pelo município de Criciúma, em Santa Catarina, e cria o chamado Programa Escola Sem Partido. A norma n° 7.159/2018 diz que “o poder público não se imiscuirá no processo de amadurecimento sexual dos alunos nem permitirá qualquer forma de dogmatismo ou proselitismo na abordagem de gênero”. Também estabelece que o s professores não podem manifestar opinião política ou estimular a participação dos estudantes em protestos, entre outras regras.

A outra norma que o órgão do MPF pede que seja sustada é a do município de Ocauçu (SP). Nesta cidade, a Lei 1.725/2017 proibiu a distribuição, apresentação ou indicação de qualquer material, como livros e filmes, “contendo manifestação subliminar da igualdade (ideologia) de gênero nos locais Públicos, Privados de Acesso ao Público e Entidades de Ensino”. Entre os temas vetados, a norma cita explicitamente “igualdade ou desigualdade de gênero”.

Direito à educação

A Procuradoria afirma que as leis violam o direito à educação, a liberdade de ensino e o direito da criança, do adolescente e do jovem a ser colocado a salvo de toda forma de discriminação e violência. Afirma também que as normas ferem o direito de o estudante receber uma educação que o prepare para o exercício da cidadania, o respeito à diversidade e para o convívio em uma sociedade plural – princípios tratados como básicos pela Constituição Federal brasileira. Além disso, aponta que elas violam o pacto federativo por incidirem em uma área, a fixação de diretrizes e bases da educação, que é de competência federal.

Por outro lado, pondera que o Brasil é signatário de pactos que tratam da questão de gênero, como a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra Mulher, de 1994, que prevê a educação como instrumento imprescindível para o combate à violência contra a mulher.

Após exposição sobre os conceitos e a doutrina jurídica, a procuradoria conclui que “o propósito da lei impugnada de cercear a discussão, no ambiente escolar, de certos assuntos, contraria os princípios conformadores da educação brasileira, dentre os quais, as liberdades constitucionais de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber; o pluralismo de ideias e de concepções religiosas e de concepções pedagógicas; e a gestão democrática do ensino público”. As representações sobre as duas leis municipais foram entregues à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, a quem cabe ingressar com ações perante o Supremo Tribunal Federal (STF). Não há data fixada para que Dodge manifeste-se sobre o pedido.*da Agência Brasil


A Prefeitura de Jequié, através da Secretaria de Educação, realizou nesta quarta-feira, 7, no Centro de Cultura Antônio Carlos Magalhães, a cerimônia de abertura da Jornada Pedagógica 2018, que seguirá até esta quinta-feira, dia 8, que trouxe a discussão sobre os caminhos pedagógicos que a Educação deve trilhar em busca da melhoria e do desenvolvimento da prática educacional, em prol da capacitação e qualificação dos professores, gestores e alunos. O evento contou com apresentação musical de alunos da rede municipal de ensino. Estiveram presentes, o prefeito de Jequié, Sérgio da Gameleira; o vice-prefeito, Hassan Iossef; o secretário de Educação, o professor, Roberto Gondim; além de demais secretários municipais, representantes dos conselhos da Educação e entidades, do Poder Legislativo, gestores escolares e professores.

Após as apresentações dos estudantes, o secretário de Educação, Roberto Gondim, e o prefeito de Jequié, Sérgio da Gameleira, citaram os avanços educacionais do município após o período de um ano, entre eles, os processos de reforma das unidades de ensino da rede municipal, como climatização dos ambientes escolares, implantação do café da manhã para os discentes, melhorias da merenda e transporte escolar.

O prefeito também aproveitou para anunciar que o município investirá na construção de novas creches, abertura de novas escolas municipais, aquisição de novos veículos, e que incentivará na qualificação dos professores. Ele também destacou o projeto “Kit da Merenda Escolar”, para o fim de semana, que está em planejamento na Secretária de Educação e que será distribuído aos estudantes nas escolas municipais, em todas as sextas-feiras.

Com o auditório lotado, o conferencista português, José Pacheco, reconhecido internacionalmente pela sua contribuição à Educação, discorreu sobre o tema: ‘As Pontes Possíveis e Necessárias Para Uma Educação de Qualidade’. O palestrante interagiu com a plateia, respondendo a questionamentos sobre as demandas da Educação, apontando sugestões e reflexões a cerca da pedagogia educacional tradicional implantada no ambiente escolar: “A escola não é um edifício e nem salas de aulas. A escola são as pessoas e são nelas que o sistema de educação deve focar.”, disse. Além disso, enfatizou a importância da valorização dos professores durante o processo: “Os obstáculos desaparecem quando cuidamos dos professores, pois são eles que constroem a escola.”

“Momento ímpar esse que estamos vivendo, com diversos avanços na Educação em Jequié. E esse progresso se reflete no aumento de matrículas da rede, o que nos dá a exata noção de que estamos no caminho certo. Mas faremos muito mais, com as modificações e estruturações dentro do ambiente escolar, teremos o salto qualitativo tão desejado por todos nós. A melhoria da qualidade da Educação no município não é mais um sonho, estamos transformando em realidade.”, destacou o secretário de Educação, o professor, Roberto Gondim.

“Caminhamos um ano até chegarmos neste instante, onde a comunidade escolar, os gestores, professores e, principalmente, os alunos, já começam a perceber as mudanças que vêm sendo feitas. O que antes era um cenário caótico e cheio de problemas, hoje nos acena um campo maravilhoso de ótimas possibilidades. Escolas sendo reformadas, professores bastante motivados, novas escolas e as unidades escolares sendo estruturadas, com merenda de qualidade, kit escolar, café da manhã, climatizadores, transporte escolar… São tantas coisas positivas e que não terminaram. Muitas outras mais continuarão a serem feitas. Tudo em função da melhoria efetiva da Educação em nosso município.”, disse o prefeito de Jequié, Sérgio da Gameleira. Secom-Jequié.


Por Mariana Rutigliano

O recente episódio de plágio no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) evidencia pelo menos dois grandes problemas da educação básica brasileira. O primeiro é que não preparamos nossos jovens para a escrita original, criativa, que compile ideias inéditas. O segundo é que não temos tecnologia suficiente para mapear a falta de originalidade da escrita na principal avaliação do ensino médio brasileiro da atualidade.

O caso de plágio no Enem aconteceu em Salvador/BA. Como amplamente divulgado pela imprensa, um aluno teria copiado a sinopse inteira de um livro na redação, que aparece no segundo dia de provas. O tema sobre o qual os alunos tinham de dissertar era educação para surdos – assunto difícil, como de costume no Enem, e que exige soluções criativas e muita reflexão para inclusão na educação daqueles que, hoje, ainda ficam de fora.

O plágio no exame nacional é a ponta de um iceberg maior e mais profundo do que sequer imaginamos. Nossos alunos não são treinados para a escrita original, para desenvolver ideias criativas, para pensar em soluções e para concatenar as propostas em frases e parágrafos que façam sentido e que convençam o leitor. Sem essa habilidade, considerada essencial para o século 21 pela maioria dos especialistas, muitos acabam se valendo da cópia de trechos ou de textos inteiros – como aconteceu, ilicitamente, em Salvador.

Por sorte, um dos corretores da prova plagiada tinha lido recentemente a obra copiada e provavelmente se recordava de trechos. Deve ter consultado a internet e chegou ao veredito: era uma cópia. É assim que a maioria dos professores no país ainda identifica trechos de plágio nos trabalhos dos alunos. Esforçam-se, muitas vezes inutilmente, para tentar trazer da memória trechos que possam ter sido copiados; buscam na internet partes do texto que estão exageradamente bem escritas, que destoam do restante do material ou que parecem ter sido traduzidas. Nesse esforço exaustivo, algumas vezes encontram a cópia, outras não.


O Projeto Jam na Feira, uma proposta apoiada pelo Edital Calendário das Artes – Fundação Cultural do Estado da Bahia, liderado pelo músico Rogério Amorim, é realizado em Feiras Livres nas cidades de Planaltino, Maracás e Lajedo do Tabocal. O Projeto recebe o apoio financeiro da Fundação Cultural do Estado da Bahia. De acordo com o músico, em contato com o Blog Itiruçu Online, são três apresentações culturais, três workshops com tema: “Empreendendo no Setor Musical”.

Ainda segundo o músico, o projeto Jam na Feira Livre, visa, sobretudo, estimular e orientar indivíduos envolvidos direta ou indiretamente, residentes na sede e zona rural das cidades, para que possam através de iniciativas como esta, oferecer à população o acesso a um produto cultural quase nunca oferecido pelos produtores de evento, sejam eles públicos ou privados, além de esclarecer profissionais e amadores sobre o  empreendedorismo musical.

 Segundo Rogério Amorim, o Jam na Feira objetiva-se, ainda, levar atividade cultural, conscientizando músicos diante da importância de se organizarem profissionalmente, oportunizando o contato com a música de improvisação. A edição de Planaltino ocorreu no último sábado (27). Na cidade de Maracás, será dia em 24 de fevereiro. Na cidade de Lajedo do Tabocal, o evento acontecerá em 31 de março.

 

O Projeto de certa forma busca conscientizar a valorizar a boa música, diante do oferecido e popularizado pelo atual público, que, em tese, gosta de música que estão em desacordo com à Lei Baiana da Anti-baixaria, inclusive, não observada por rádios comunitárias, que deveram extinguir da programação músicas fora do contexto cultura, pois são outorgadas para estes fins.


As inscrições para o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) começam hoje (23) e vão até a próxima sexta-feira (26) exclusivamente pelo site, sem cobrança de taxas. Estão sendo oferecidas, ao todo, 239.601 vagas em 130 instituições, entre universidades federais, institutos federais de educação, ciência e tecnologia e instituições estaduais. Podem se inscrever estudantes que participaram do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2017, que obtiveram nota na redação diferente de zero e que não sejam treineiros (participantes menores de 18 anos no primeiro dia de realização da prova).

Para se inscrever, o candidato precisa do seu número de inscrição e da senha cadastrados no Enem de 2017. É preciso estar atento aos documentos exigidos pelas instituições para a efetivação da matrícula, em caso de aprovação. O Sisu foi desenvolvido para selecionar candidatos às vagas das instituições públicas de ensino superior que utilizarão a nota do Enem como única fase de seu processo seletivo. A seleção é feita com base na nota obtida pelo candidato. No site, é possível consultar as vagas disponíveis, pesquisando as instituições e os seus respectivos cursos participantes.

Confira o cronograma do Sisu:

– 23/1 a 26/1: período de inscrições (as notas de corte serão divulgada nos dias 24, 25 e 26)

– 29/1: resultado da chamada regular

– 29/1 a 7/2: prazo para participar da lista de espera

– 30/1 a 7/2: matrícula da chamada regular

– 9/2: convocação dos candidatos em lista de espera pelas instituições a partir desta data


A abertura das inscrições no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) foi antecipada para 23 de janeiro, conforme anunciou hoje (18) o ministro da Educação, Mendonça Filho. Segundo ele, estudantes que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2017 e que queiram tentar uma vaga em instituições públicas de ensino superior têm entre 23 e 26 de janeiro para se inscrever.

O anúncio foi feito durante entrevista coletiva para divulgar os resultados do Enem 2017, liberados pouco antes das 12h de hoje. O prazo inicial para registrar a nota da prova e se candidatar a uma instituição pública de ensino superior era de 29 de janeiro a 1º de fevereiro. De acordo com o ministro da Educação, o motivo da antecipação seria apenas “saciar a ansiedade” dos candidatos.

O cronograma das demais seleções da pasta, como o Programa Universidade para Todos (ProUni) e o Programa de Financiamento Estudantil (Fies), segundo ele, permanece inalterado.

Importante saber

Para auxiliar os futuros universitários, o Stoodi, plataforma de educação à distância com foco em vestibular/Enem, fez um levantamento dos principais dados da edição 2017 do Sisu, que podem nortear a escolha neste ano. Os números foram segmentados por instituições e cursos mais procurados, e maiores e menores notas de corte.


A Uesb, por meio do Edital 001/2018, divulga o processo seletivo simplificado para contratação de pessoal, por tempo determinado, em Regime Especial de Direito Administrativo (Reda) para os campi de Vitória da Conquista, Jequié e Itapetinga. O processo seletivo será constituído de etapa única de análise curricular, de caráter eliminatório e classificatório, aplicada a todas às funções temporárias. Ao todo, a seleção objetiva o preenchimento de 82 vagas entre os níveis médio e superior.

As inscrições acontecerão, presencialmente, no período de 19 a 25 de janeiro, das 9 às 12 horas e das 14 às 17 horas, na Gerência de Recursos Humanos (GRH) e nas Coordenações de Recursos Humanos (CRH), nos três campi da Instituição. O candidato deverá acessar o site da Universidade, no link correlato à seleção (a ser disponibilizado), ler as instruções, preencher o formulário de inscrição e assinalar o Termo de Responsabilidade, para serem entregues nas unidades de Recursos Humanos.

Para mais informações, os interessados podem acessar o referido Edital, e o cronograma provisório do processo seletivo simplificado, disponível aqui, ou, ainda, entrar em contato com a GRH pelo telefone (77) 3425-9379, em Vitória da Conquista; e com as CRHs por meio dos números (73) 3528-9620, em Jequié; e (77) 3261-8456, em Itapetinga.


O governador Rui Costa autorizou nesta terça-feira (9), durante o #PapoCorreria, a realização de concursos públicos para duas universidades estaduais. O programa foi transmitido ao vivo no Facebook (facebook.com/ruicostaoficial) e no perfil do governador no Twitter (twitter.com/costa_rui). Os concursos somam 167 vagas em cargos de níveis médio e superior. Eles são destinados ao preenchimento de vagas decorrentes de aposentadorias e falecimentos de servidores no período de 2014 a 2017.

A Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) oferecerá 72 vagas, sendo 22 para analista universitário e 50 para técnico universitário. Outras 63 vagas são para docentes, sendo 33 para professor auxiliar e 30 para professor assistente, em regime de 40 horas.  Já a Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) disponibilizará 32 vagas, sendo 8 para analista universitário e 24 para técnico universitário.