A Prefeitura de Jequié, através da Secretaria de Educação, fará em setembro uma inovadora intervenção na alimentação escolar para os alunos da rede municipal de ensino. Além das ações que estão mudando a educação no município, a exemplo da reestruturação física em diversas unidades de ensino, melhoria na frota do transporte escolar, valorização das equipes pedagógicas, diálogos constantes, busca de soluções coletivas, agora é a vez de reforçar a alimentação para os alunos do ensino infantil e fundamental, da rede municipal, com a implantação do café da manhã nas escolas municipais.

O cardápio será elaborado por profissionais qualificados na área de nutrição de modo a atender as necessidades nutricionais estabelecidas e a equipe da Alimentação Escolar da Secretaria de Educação fará a logística para atender de forma gradativa todos os alunos da rede municipal.

“Alguns alunos saem muito cedo de casa, vindo de bairros distantes ou dos distritos, transportados pelo Transporte Escolar, e acabam não tendo como se alimentar corretamente. Fora aqueles outros que não têm condições de se alimentar por questões sociais. A ideia do café da manhã é para dar o apoio, a estrutura nutricional, para que todos os alunos tenham condições de frequentarem as aulas, aproveitando ao máximo o potencial que eles têm.”, disse o secretário de Educação, o professor, doutor, Roberto Gondim.
“É mais uma conquista para os alunos do município. Tivemos as reformas das escolas; a Semana Pedagógica, com o ex-ministro da Educação, Renato Janine; os Expedientes Coletivos, com os professores e gestores escolares e agora a ampliação do atendimento da alimentação escolar, com o café da manhã. É mais um avanço na melhoria da qualidade do ensino, além de estarmos possibilitando que o aluno tenha um desempenho melhor, estamos auxiliando as famílias na estruturação de uma maior qualidade de vida.”, disse o prefeito de Jequié, Sérgio da Gameleira. ( Por Secom).


Na última segunda-feira (14), o Colégio da Polícia Militar de Jequié (CPM), iniciou o projeto de reforço escolar de matemática e física, para as turmas do 9? ANO do fundamental II e para todas as turmas do ensino médio do CPM. Segundo o TEN CEL PM José Silvério, Diretor Militar, inicialmente o objetivo das aulas é intensificar o aprendizado das disciplinas de exatas, para que os alunos possam desenvolver ainda mais a inteligência lógico-matemática e proporcioná-los melhor condição para se submeterem ao Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), assim como, os demais vestibulares do estado.

 

As aulas de matemática e física estão sendo ministradas pelo CAP PM Marcelo Pinho, em turno oposto, não interferindo no quadro de aula normal dos alunos, elevando assim a quantidade de horas-aula na área de exatas. Para os alunos do terceiro ano, “o terceirão”, foram incluídos nove aulas extras e para as demais séries, três aulas extra por semana. “ É uma quantidade significativa de aulas extras, estamos trabalhando para buscar ampliar ainda mais as matérias a serem oferecidas no nosso reforço escolar, desejamos manter cada vez mais os alunos na escola, seja através do esporte, seja através do aprimoramento intelectual” – completou o TEN CEL Silvério, Diretor Militar que na oportunidade agradeceu ao Ten Cel PM Gondin, Comandante do 19º BPM, que foi sensível ao projeto do CPM liberando o Oficial intermediário para ministrar as aulas, bem como, ao Exm.º Sr. Cel PM Anselmo Alves Brandão, Comandante Geral da PMBA, que envidou os esforços necessários para efetivação da transferência do Oficial, tornando possível o presente projeto.

Por Marcos Oliver.


Renegociação de contratos, redução nos cardápios em restaurantes universitários, falta de recursos para manutenção, atraso no pagamento de contas. Essa é a realidade de algumas universidades federais, que reclamam da falta de verbas e do contingenciamento de recursos feito pelo governo federal. O presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Emmanuel Tourinho, diz que os valores de custeio previstos para este ano para as universidades não são suficientes nem mesmo para as despesas regulares com energia, vigilância, limpeza, bolsas para os alunos de baixa renda e serviços de manutenção das instalações.

“Não será possível manter as instituições funcionando adequadamente se esse quadro não for rapidamente alterado. Os valores liberados até agora só garantem o funcionamento das instituições até setembro”, diz. Segundo ele, não há recursos para concluir as obras inacabadas, e universidades mais antigas estão com infraestrutura deteriorada por falta de recursos para manutenção. Além disso, instituições novas estão funcionando em prédios alugados por falta de recursos para concluir as suas instalações

“É imprescindível recompor imediatamente os orçamentos das universidades federais. Estamos falando de um patrimônio dos mais valiosos para a sociedade brasileira e que está sendo colocado em risco. O prejuízo no longo prazo será incalculável”, diz Tourinho, que também é reitor da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Na semana passada, o Ministério da Educação (MEC) anunciou um aumento em cinco pontos percentuais no limite de empenho para custeio e investimento de universidades e institutos federais. Com o aumento, o limite do custeio, que é utilizado para a manutenção das instituições de ensino, passou de 70% para 75% e o limite de capital, utilizado para adquirir equipamentos e fazer investimentos, passou de 40% para 45%.

Mesmo com a liberação, o presidente da Andifes diz que a situação das instituições não muda, quanto a sua capacidade de honrar compromissos até setembro. “Para 2018, o quadro é também preocupante. Não temos ainda a previsão de recursos para investimento, nem a correção dos recursos de custeio”, diz Trourinho.

Gestão

O ministro da Educação, Mendonça Filho, diz que a meta é liberar 100% dos valores para custeio até o fim do ano. “Estamos no meio do exercício, e as liberações ocorrerão gradualmente, ao longo dos próximos meses, até dezembro. Então, posso tranquilizar as universidades federais de que os recursos serão liberados”, disse. De acordo com o MEC, neste ano já foram liberados R$ 4,8 bilhões para limite de empenho das universidades federais.

Para 2017, o limite de empenho previsto inicialmente para as universidades é 85% do valor previsto para despesas de custeio e de 60% para despesas de capital. “No entanto, o MEC está trabalhando para aumentar esse limite, assim como fez no ano passado, quando, mesmo após o contingenciamento feito pelo governo anterior, conseguiu liberar 100% de custeio para as universidades”, diz o ministério.

Segundo o ministro Mendonça Filho os problemas financeiros enfrentados pelas universidades muitas vezes decorrem de má gestão. “Em muitas situações de universidades federais há divergência e desequilíbrio do ponto de vista de capacidade gerencial. Algumas universidades não enfrentam problemas e dificuldades, porque elas são competentes, capazes e qualificam melhor suas gestões”, disse, lembrando que não compete ao MEC liberar a administração de recursos nas universidades federais.Continue a leitura


Os interessados em obter certificação dos estudos por meio do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) 2017 podem fazer a inscrição para a prova a partir da próxima segunda-feira (7), a partir das 10h, por meio do portal do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira  (Inep). As inscrições são gratuitas e vão até o dia 18 de agosto.

O Encceja é destinado a jovens e adultos residentes no Brasil ou no exterior que não tiveram oportunidade de se formar na idade ideal. Os candidatos podem obter os diplomas do ensino fundamental ou médio por meio da prova, basta fazer a opção pelo nível de ensino que deseja obter no momento da inscrição.

Para pleitear a certificação do ensino fundamental o candidato precisa ter, no mínimo, 15 anos completos na data de aplicação do exame. No caso da certificação do ensino médio é preciso ter, no mínimo, 18 anos completos.

A prova será realizada no dia 22 de outubro, e não mais em 8 de outubro, como anunciado anteriormente.

No portal do Encceja é possível se informar sobre as competências que serão cobradas na prova e baixar materiais para estudo. Com informações da Agência Brasil. 


Kleiton Trindade, jovem mora em Itiruçu.

Da Fainor

Professores e estudantes do Colegiado de Fisioterapia da FAINOR participaram, entre os dias 26 e 29 de julho, do IX Congresso Norte-Nordeste de Geriatria e Gerontologia, realizado na cidade de Porto de Galinhas, Pernambuco. Na oportunidade, os professores Lucas Silveira Sampaio, Talita Oliveira Sampaio e Kleyton Santos Trindade apresentaram pesquisas em conjunto com os bolsistas de Iniciação Científica (IC), Andressa Porto e Ana Paula Prado.

Ao todo, nove trabalhos científicos oriundos dos projetos de IC da Fainor foram apresentados. Eles fazem parte das pesquisas “Violência Contra Idosos: Perfil das violências segundo registros nas instâncias de referência” e “Desempenho motor e quedas em Idosos” – ambos vinculados ao Núcleo de Pesquisa em Envelhecimento Humano – NIEPEH.

“Todos os projetos e bolsas, bem como a participação no evento, contaram com o apoio financeiro da Iniciação Científica da Fainor”, acrescenta o professor Lucas Silveira Sampaio. O IX Congresso Norte-Nordeste de Geriatria e Gerontologia reuniu profissionais de todo o país para discutir cobre um melhor cuidado com o envelhecer, focando na interdisciplinaridade da assistência, na atualidade e no aprimoramento da assistência aos idosos.


Maria Aloísia (no meio de cabelo curto) com a mãe (de vestido lilás) e os irmãos na casa da família em Valença, na Bahia (Foto: Arquivo Pessoal)

A esperança de transformar a vida profissional fez com que a advogada Maria Aloísia Jesus dos Santos, de 30 anos, conciliasse o trabalho de doméstica, que conhece desde a infância, com a faculdade de Direito. Mesmo sem qualquer incentivo familiar para estudar, a jovem da zona rural de Valença, no Baixo Sul da Bahia, não desistiu do sonho. Ela, que mora em Salvador, jamais perdeu uma matéria no período da graduação, e após cinco anos, tempo do curso de Direito, conquistou a tão sonhada formatura na quarta-feira (26).

Aluna dedicada, após madrugadas em claro, Maria estreou no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em fevereiro deste ano, e foi aprovada. Ela conta que intensificou os estudos quando soube que poderia fazer o exame antes mesmo de se formar.“Criei uma meta, comprei vários cadernos e comecei a estudar nas madrugadas”, revelou. Apesar da conclusão do curso de Direito e da realização profissional, o sonho dela não para. O desejo da advogada é ser juíza.

Maria Aloísia ao lado da casa da mãe no sítio em Valença, na Bahia (Foto: Arquivo Pessoal)

Sobre a escolha da profissão, Maria conta que teve uma ajuda de testes vocacionais, mas o que contou mesmo foi saber que poderia ajudar as pessoas através da carreira que decidiu seguir. “O Direito é uma profissão bonita, eu vou servir à sociedade e nela [a carreira] vi exemplos de mulheres que me motivaram, como Luislinda Valois, que foi a primeira juíza negra do país. Se ela conseguiu, por que eu não conseguiria também?”, argumenta.

Maria Aloísia percorreu um longo caminho de estudo e superação. Aos 17 anos, ela não havia concluído nem o ensino fundamental. Além disso, a jovem não tinha tempo para estudar, nem dinheiro para pagar a mensalidade de uma faculdade particular, mas mesmo assim, passou a trilhar o caminho do estudo. ( Fonte G1 Bahia).


Os estudantes do 2º ano do Ensino Médio do Colégio Estadual Ana Lúcia Castelo Branco, localizado em Brejões, no Centro-Sul baiano, apresentaram projetos de esporte e lazer na Câmara de Vereadores do município. Os projetos e propostas foram desenvolvidos pelos alunos em sala de aula para a disciplina de Educação Física, com o objetivo de fomentar novas possibilidades de práticas esportivas.

Segundo a professora de Educação Física, Elma Bispo dos Santos, cada uma das cinco equipes construiu um projeto que beneficiasse a comunidade. “Os projetos foram bem recebidos pelos vereadores, que se surpreenderam com as propostas. Isso mostra que não devemos subestimar os nossos alunos, porque eles têm muito a oferecer”, destaca a educadora.

Para Vanessa dos Santos, 16, participar da elaboração de propostas de melhorias para sua cidade foi muito estimulante. “Minha equipe propôs a construção do Clube de Brejões Ana Lúcia, para disponibilizar à população um local adequado para o desenvolvimento de atividades recreativas como aulas de dança, capoeira, natação e palestras, como por exemplo, sobre educação de trânsito”, informa a estudante.

Charles Sales dos Santos, 17, conta que gostou muito da experiência de mostrar o projeto de sua equipe para os vereadores do município. “Tivemos a ideia de contemplar os moradores da comunidade de Alecrim, que fica localizado aqui na cidade, com um ginásio de esportes para que pessoas de todas as idades possam participar de diversas modalidades esportivas e eventos”, afirma entusiasmado.


A Secretaria da Educação do Estado da Bahia, em parceria com a Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos e de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência da Bahia, realizou nesta terça-feira (25) o curso de Descrição de Imagem para Redes Sociais #PraCegoVer, na Assembleia Legislativa da Bahia. A iniciativa, voltada para as equipes de comunicação dos parlamentares do órgão, jornalistas das secretarias de Estado e de outras instituições, tem o objetivo de contribuir para a acessibilidade das pessoas com deficiências visuais às imagens e informações divulgadas nas redes socais.

O curso gratuito ministrado pela Coordenadora de Educação Inclusiva da Secretaria, Patrícia Braille, criadora do Projeto Pra Cego Ver, consiste em descrever as imagens que são publicadas nas redes sociais para que os dispositivos de leitura possam repassar o conteúdo à pessoa com deficiência visual, a partir da utilização da hashtag #PraCegoVer.

“Essa iniciativa é muito importante porque vai favorecer a comunicação das secretarias e assessorias de comunicação com as pessoas com deficiência visual. A partir disso, as redes sociais vão ser mais acessíveis ao permitir que essas pessoas realmente consigam compreender os conteúdos postados e interajam com muito mais plenitude”, ressaltou Patrícia Braille.

Para a jornalista freelance Camila Moreira, que trabalha com gerenciamento de redes sociais, o conteúdo ofertado pela oficina vai ser muito útil na sua vida profissional. “É muito importante por unir duas poderosas ferramentas: comunicação e inclusão. Saio daqui ‘enxergando’ o tema com um novo olhar”, afirmou.

Glesiana Silva, que trabalha na Assessoria de Comunicação da Assembleia Legislativa da Bahia, disse que gostou muito da iniciativa. “Este projeto consiste em avanço, pois inclui ainda mais as pessoas com deficiência visual nas redes sociais”, disse a jornalista.

Os jornalistas da Assessoria de Comunicação da Secretaria da Educação do Estado já passaram por esta formação e a #PraCegoVer já está sendo usada nas redes sociais, contribuindo para a acessibilidade dos cegos às políticas públicas na rede estadual de ensino.


A ALENST- Associação Lagedense de Estudantes de Nível Superior e Técnico criou uma comissão destinada a desenvolver projetos Sociais com intuito de ajudar a população de Lajedo do Tabocal em diversos assuntos, principalmente, relacionados à educação.

 

O primeiro desenvolvido foi o Projeto ‘LIVRO SOLIDÁRIO’, tendo em vista o grande desinteresse dos jovens pela leitura esse projeto visa ajudar e incentivar estudantes da educação infantil a despertar interesse pela leitura por meio da visita nas escolas falando sobre a importância da leitura para vida das crianças e seu desenvolvimento, levando brincadeiras e apresentações que prendam a atenção do estudante e fechando o encontro com a doação de Livros Infantis para todos os alunos.

EXECUÇÃO – O projeto LIVRO SOLIDÁRIO teve início na última sexta-feira (21) na ESCOLA MUNICIPAL NOVA ESPERANÇA, no Entroncamento do São Pedro, zona rural de Lajedo do Tabocal. Alguns membros da Associação ALENST visitaram a Escola e deram início ao projeto como planejado, com discussão sobre a importância da leitura, brincadeiras dinâmicas e a distribuição de Livros e doces no final, a iniciativa foi muito bem aceita pelo corpo docente da escola e principalmente pelos estudantes, que apesar da pouca idade demonstraram muito interesse participando ativamente o tempo todo, a diretora Lucinete Souza Silva e toda sua equipe acolheram muito bem e se mostraram dispostos a ajudar o tempo todo.

CONTINUAÇÃO – Agora ALENST espera dar sequência no trabalho visitando outras escolas da sede e Zona rural levando para o maior número possível de estudantes que a leitura é a maior ferramenta que temos para adquirir conhecimento.

Curta a página do Itiruçu Online no Facebook. Clique aqui


A lista de instituições e os cursos ofertados por meio do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) poderá ser consultada a partir de amanhã (24), na página eletrônica do Fies Seleção. As inscrições para o segundo semestre de 2017 começam na próxima terça-feira (25) e vão até sexta-feira (28) .

No total, 75 mil novas vagas serão oferecidas aos estudantes que procuram financiamento para cursar o ensino superior em instituições de ensino privadas. A relação dos candidatos pré-selecionados será divulgada no dia 31, quando também será aberta a lista de espera.

Apesar das mudanças anunciadas no início do mês no Fies para 2018, neste semestre continuam valendo as regras atuais. Poderão se inscrever os estudantes que tenham participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) com média das notas igual ou superior a 450 pontos e nota na redação superior a zero. O candidato também precisa ter renda familiar mensal bruta per capita de até três salários mínimos.

Os estudantes pré-selecionados deverão concluir a inscrição pelo Sistema Informatizado do Fies (SisFies), entre 1º de agosto e 8 de setembro.

A partir de 2018, o Novo Fundo de Financiamento Estudantil será dividido em três modalidades. No total, o programa vai garantir 310 mil vagas, sendo que 100 mil serão ofertadas para estudantes com renda familiar per capita de até três salários mínimos a juro zero, incidindo a correção monetária.