Para os fiéis e devotos, a história conta que há 300 anos, uma imagem simples e quebrada encontrada por pescadores se transformou numa referência de fé para os católicos. Celebrado no dia 12 de outubro, o Dia de Nossa Senhora Aparecida é repleto de significados para os cristãos brasileiros e comemorado em várias partes do país, inclusive em Itiruçu. A santa representa também o amor para com os fiéis. Ela é a mãe do amor, que está sempre ao lado dos pequenos, lutando contra as injustiças e cuidando de cada filho.

 

A igreja católica de Itiruçu realiza nesta quinta-feira (12), a programação homenagear os 300 anos, que marca o  encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida.

 

A programação iniciou às 05h00min com o amanhecer com Maria;

10h00min – realizada uma caminhada nas ruas centrais da cidade;

15h30min – Santo Terço ( Legião de Maria);

16h00min- Cenáculo com Maria ( RCC e Ministério Arcanjos);

17h30min – Santo Ofício (Apostolado da Oração e MEJ);

18h00min – Santa Missa;

Ministro da Eucaristia

Coroinhas

Comunidade São Francisco

Catequese e Crisma

Pastoral do Dizimo

Ministério Ágape

Fotos/Wilson Novaes.


Neste próximo sábado, dia 07, o Entroncamento de Jaguaquara recebe um dos mais importantes eventos de música do interior: workshop de música do Centro Músical Rhythms. O evento acontece no DOPO LAVORO e inicia a partir das 18h30min.

 

Músicos que estarão presentes no evento e você que é amante da boa musica não pode perder: Tarcísio Soares, Gilney Parson, Stefany Galvão e Ministério AOPF; além de outros que devem ser incluídos. O Work Show contará ainda com apresentação de música instrumental dos alunos de Centro Musical Rhythms.

O Centro Músical Rhythms é uma escola de música com sede no Entroncamento de Jaguaquara que atua na formação de jovens que sonham em qualificação na área musical, oferecendo cursos em diversas áreas. Visite a página da escola para saber mais sobre os cursos oferecidos. Clique aqui.


Autoridades, gestores, artistas, agentes culturais e militantes estiveram entre as centenas de pessoas presentes na tarde desta segunda-feira (02), no Salão de Atos da Governadoria, para dar as boas vindas à nova Secretária de Cultura da Bahia, Arany Santana. Recebida com calorosos aplausos, a primeira mulher a assumir a pasta tomou posse do cargo em cerimônia celebrada pelo Governador do Estado, Rui Costa.

 

“Continuamos escrevendo história, com a primeira mulher a assumir a Secretaria de Cultura da Bahia. E uma mulher negra. Eu tenho certeza que Arany, com a sua sensibilidade, alma, coração e ligação com o povo, terá muita energia pra gente continuar trabalhando e edificando os pilares da nossa cultura, que é algo estruturante na vida humana e, sobretudo, para os baianos”, declarou Rui.

 

Arany assume a pasta após Jorge Portugal ter entregue o cargo na última quinta-feira (28). O ex-secretário participou da cerimônia para abraçar e desejar sucesso à nova gestora.

 

A secretária de cultura na oportunidade reiterou o seu compromisso com a comunidade do setor e em contemplar e assegurar a cidadania cultural através da agregação de nomes das mais diversas linguagens, atividades e vertentes. “É preciso fazer saber como a Secult é importante e o quanto ela faz. Minha expectativa é de poder garantir os direitos culturais da mesma forma que garantir os direitos humanos fundamentais. Ampliar as parcerias entre os vários órgãos. Reconhecer e valorizar as diversidades, as diferenças, as convergências e as confluências da cultura da Bahia”, afirmou Arany.

 

Ex-diretora do Centro de Culturas Populares e Identitárias (2011-2017), unidade da SecultBA, Arany Santana possui um histórico atrelado à cultura e militância étnica que resiste há anos. Ela é ex-diretora do Ilê Aiyê, mais antigo movimento negro do Brasil; e co-fundadora do Movimento Negro Contra a Discriminação Racial (hoje Movimento Negro Unificado). Como educadora, tem uma trajetória voltada para a alfabetização de adultos iletrados, a arte-educação e o ensino de cultura africana. Também atriz, participou de filmes como A Idade da Terra, de Glauber Rocha, O Jardim das Folhas Sagradas, de Póla Ribeiro, e Capitães da Areia, de Cecília Amado. Na gestão pública, foi a primeira secretária municipal da Reparação, no ano de 2003, e esteve à frente da Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza do Estado da Bahia, em 2010. Confira o perfil completo da secretária.


Depois de 30 dias de homenagens, com duas exposições, chegou ao fim, na última sexta-feira, 29, no Museu Histórico de Jequié João Carlos Borges, a programação dedicada ao aniversário de nascimento do poeta, escritor, compositor, produtor musical e ex-secretário nacional do livro, o jequieense Waly Salomão, com show musical de Rosy e Banda cantando Waly. As exposições Janela de Marinetti, que é um poema de Waly mais voltado para a biografia do artista, para a história dele em Jequié, e Algaravias, que engloba a arte de Waly, que era extremamente polivalente e complexa, atraíram um público recorde ao Museu.

A homenagem, que foi uma orientação do prefeito de Jequié, Sérgio da Gameleira, para que os artistas da cidade, especialmente os que já morreram, não tenham o seu legado esquecido, foi a primeira já vista antes no município.

“Estamos fechando um ciclo e, ao mesmo tempo, reabrindo um novo. Este trabalho que fizemos foi o pontapé inicial para que o povo de Jequié continue celebrando o orgulho de ser jequieense. Além do cunho afetivo, histórico, artístico, tivemos também o didático. Muitas pessoas que visitaram o Museu adquiriram conhecimento e isso também é cultura!” disse o curador da exposição, Júlio Lucas.

“Tivemos um recorde de público no mês de abril e, quando pensamos que seria impossível bater o número conquistado, conseguimos chegar, com esta homenagem a Waly Salomão, em 3500 visitações ao Museu João Carlos Borges. Em nenhum museu, do estado da Bahia, houve este número tão expressivo de visitação, no período de 30 dias. Resultado de um trabalho árduo e, ao mesmo tempo, muito gratificante para todos, onde, graças ao empenho da gestão Sérgio da Gameleira que, desde o período interino, deixou claro que fomentaria a Cultura em Jequié. Isso mostra que estamos no caminho certo, no sentido de promover a dinamização dos espaços culturais da cidade.”, disse o secretário de Cultura e Turismo de Jequié, Allyson Andrade.


Banda Hot Xote animada com apresentação. Foto/Itiruçu Online

 

O Festival de Cachaça de Abaíra promete agradar os fãs do forró e do axé, com os representantes dos ritmos musicais na atualidade. A festa ocorre  de 21 a 24 de setembro, no Club Social e na Praça de Eventos da cidade baiana. Estão agendados shows de Léo Santana e Solange Almeida, nos dias 22 e 23 de setembro.  A festa tem programação dividida em duas partes, uma paga e outra gratuita.

Essa é a 16ª edição do Festival da Cachaça de Abaíra que deve atrair centenas de visitantes da região e de diferentes localidades do sudoeste da Bahia.

No dia 21, hoje,  tem ‘Hot Xote’, ‘Itamar e Grupo Vira e Mexe’ e ‘Caviar com Rapadura’. Já no dia 24 se apresentam as bandas Vingadora, Madeirada do Arrocha e Orlando Nascimento. A Banda  Itiruçuense, Hot Xote, destaque do Forró ‘Pé de Serra’,   têm realizado grandes shows em importantes  eventos no interior da Bahia.


O mês de aniversário do escritor, compositor e ex-secretário nacional do Livro, Waly Salomão, segue atraindo o interesse de estudantes e do público em geral. A visitação às exposições “Janelas de Marinetti” e “Algaravias” vem acontecendo de maneira constante e com a procura ininterrupta. A Prefeitura de Jequié, através da Secretaria de Cultura e Turismo, como parte das homenagens ao poeta jequieense, promoveu o encontro entre a comunidade local e o filho de Waly, o também escritor, Omar Salomão.

O encontro, que aconteceu na sexta-feira, 15, foi mediado pelo poeta, jornalista e produtor cultural, José Inácio Vieira de Melo, e se deu através de uma parceria entre a Secretaria de Cultura e Turismo e a Academia de Letras de Jequié. O escritor Omar Salomão manteve uma animada conversa com estudantes, intelectuais e membros da Academia de Letras de Jequié e falou a respeito das homenagens ao pai e de sua história no mundo das artes. Na ocasião, o poeta e artista plástico carioca, Omar Salomão, lançou o livro intitulado “Pequenos Reparos”, publicado pela Editora José Olympio.

“Além do fato de estarmos compartilhando conhecimentos sobre poesia com o público presente, a presença de Omar Salomão, em Jequié, nos dá a sensação de estarmos cumprindo bem com a orientação do prefeito Sérgio da Gameleira, para que a Secretaria de Cultura e Turismo realizasse um grande evento em homenagem a Waly Salomão, considerando o tamanho do legado deixado pelo artista.”, disse o secretário de Cultura e Turismo, Alysson Andrade.
“Ver a exposição acontecendo na sua plenitude, com as escolas vindo ver de perto, com as crianças tendo curiosidade sobre o artista e assim adquirindo conhecimento, através do que é exposto no Museu, nos enche de felicidade. Estamos celebrando a obra de Waly e, ao mesmo tempo, fazendo um resgate histórico de valorização de nossas raízes.”, disse o prefeito de Jequié, Sérgio da Gameleira.
A exposição, que celebra o mês de aniversário de Waly Salomão, vai até o dia 30, no Museu Histórico João Carlos Borges, na Avenida Rio Branco, no Centro, das 8h às 12h e das 14h às 18h, de segunda a sexta-feira.


Já se tornou tradição. Para quem gosta de boa festa, dia 24 de setembro será realizada a 3ª edição do É CERTO FOLIA, com atrações que são destaques na preferencia do público. As atrações ficarão por cota da Turma do Karote; a revelação do pagode, Edy Guetto; Ivan Maranato; DEEJAY DS + MC GUINHO E Som de Paredões nos intervalos.

Curta a página do Itiruçu Online no Facebook, clique aqui.

Os ingressos estão sendo vendidos em diversos pontos da cidade. Qualquer informação sobre o É CERTO FOLIA 3, basta enviar uma mensagem no telefone 73 98245-9596 (WhatsApp).  No mês de setembro seu compromisso é no É CERTO FOLIA 3.


A prefeitura de Lagedo do Tabocal realizará nos dias 16 e 17 de setembro, o 1º Festival de Arte e Cultura. O evento reunirá artesãos e artistas de diversas áreas, tais como: Teatro, Música, Dança esportes, barracas temáticas; que valorizará a agricultura da cidade e a religiosidade com a exposição do  contexto histórico cultural do município.
O 1º Festival de Arte e Cultura é idealizado pela Diretoria de Cultura e conta com a parceria de várias entidades e grupos da cidade. Segundo o diretor de cultura, Tiago Barros, diz que o evento será um momento especial para o município, aonde todo tipo de arte da cidade e  região se encontrará.


Na última sexta-feira, dia 1, teve início no Museu Histórico de Jequié, João Carlos Borges, a programação dedicada ao aniversário de nascimento do poeta, escritor, compositor, produtor musical e ex-secretário nacional do livro, o jequieense, Waly Salomão.Realizada pela Prefeitura de Jequié, através da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, o evento teve início com a apresentação da Orquestra Municipal; em seguida com a abertura oficial das exposições Janela de Marinetti, que é um poema de Waly, e que é mais voltado para a biografia do artista, para a história dele em Jequié, e Algaravias, que engloba a arte de Waly, que era extremamente polivalente e complexa. Por fim, o público presente contou com a apresentação musical da banda Essencial Hit, que teve todo o repertório voltado para as músicas do poeta jequieense.

A homenagem para Waly Salomão foi uma orientação do prefeito de Jequié, Sérgio da Gameleira, para que os artistas da cidade, especialmente os que já morreram, não tenham o seu legado esquecido. Um artista do gabarito de Waly Salomão, com o nome conhecido nacionalmente e um dos criadores do movimento tropicalista, um artista dessa grandeza, não pode passar por despercebido, especialmente em sua cidade natal. É a primeira vez, inclusive, que o município presta uma homenagem como esta.

“Dentro das possibilidades da prefeitura, o município está fazendo esta homenagem, convocando a sociedade, direcionando isso também para as escolas municipais, estaduais, para as escolas privadas, para as universidades, no sentido de fazer as pessoas ampliarem o seu conhecimento acerca do legado de Waly Salomão, sobre a sua obra e levando este conhecimento para aqueles que não conhecem.”, disse o secretário de Cultura e Turismo, Alysson Andrade.

Para o curador da exposição, foi um grande desafio participar desta homenagem. “Quando fui convidado a ser o curador desta homenagem me senti tanto honrado quanto desafiado, porque trabalhar com a obra de Waly e tentar passar isso para as pessoas não é uma tarefa fácil. Temos um mês de exposição e eu espero que tenhamos um ótimo resultado.”, disse o curador da exposição e presidente da Academia de Letras de Jequié, Júlio Lucas. Com a família do artista presente, a noite se tornou ainda mais especial para todos que organizaram esta homenagem. Eles entenderam, se emocionaram e isso só deixou claro que a Prefeitura de Jequié, com a sua sensibilidade e atenção, estava prestando uma justa homenagem.

”Eu cedi um grande arquivo de Waly para a realização desta exposição. Está sendo maravilhoso para nós, da família, poder vivenciar este momento em que vemos a cidade parar para conhecer a história de nosso irmão. Todos os envolvidos neste projeto estão de parabéns pelo belíssimo trabalho apresentado e pela responsabilidade, zelo e carinho com estão tratando a vida de Waly. Meu irmão levou o nome de Jequié para além das fronteiras e eu me sinto emocionada e orgulhosa em participar deste momento. Estamos muito agradecidos a Prefeitura por esta iniciativa.”, disse Samira Salomão, irmã de Waly Salomão.
No dia 15 de setembro, numa parceria com a Academia de Letras de Jequié, está programada a participação do escritor Omar Salomão, que é filho de Waly. O evento seguirá aberto ao público, gratuitamente, até o dia 30 de setembro. *Com informações da SECOM – Secretaria de Comunicação.


O cantor Achiles, natural de Maracás, mas radicado em Vitória da Conquista, foi um dos vencedores do Prêmio Caymmi de Música. Com uma grande festa dedicada à Tropicália, a premiação divulgou na noite dessa sexta-feira (18), no Teatro Castro Alves, em Salvador, os 22 vencedores de sua edição 2017.

Dirigido por Marcio Meirelles, o evento reuniu no palco o Bandão Caymmi, formado por 37 artistas finalistas, entre intérpretes, músicos e arranjadores, e teve participação especial dos cantores Saulo e Alice Caymmi e do próprio Achiles. A direção musical do espetáculo foi assinada por Alexandre Lins.

Achiles venceu a categoria “Melhor Intérprete Masculino” pelo show “Divino Ateu”. Ele concorreu ainda à categoria “Melhor Música”, com o single “Mar de Refrigerante”. Essa foi a segunda indicação de Achiles ao Prêmio Caymmi de Música. A primeira foi em 2015, na categoria de Melhor Música (Disfarce), single do disco “Ciência, Arte, Ideologia e Música” do CAIM, projeto formado em 2012 em parceria com o músico Marcus Marinho.