Ataques marcam o primeiro debate na TV dos candidatos ao governo da Bahia

blog

O primeiro debate televisivo entre os candidatos ao governo baiano abriu a fase mais dura da disputa eleitoral, apontando a guerra tática pelo voto nos próximos 35 dias. Os postulantes Lídice da Mata (PSB), Marcos Mendes (PSOL), Paulo Souto (DEM), Rogério Tadeu Da Luz (PRTB) e Rui Costa (PT) sinalizaram no embate realizado pela TV Band Bahia as estratégias para a corrida. Os ataques deram o tom do debate. Logo no primeiro bloco, os candidatos responderam a uma pergunta sobre o que pretendem fazer na área da segurança pública.

O primeiro a responder foi o candidato Marcos Mendes, que criticou o modelo atual de gestão. “São negadas políticas públicas reais para a população. As polícias são braços armados do Exército, vem da época da ditadura. Somos a favor da PEC 300 e da PEC 51, sobre a desmilitarização da polícia”, sugeriu. Rui seguiu a linha de argumento do governador Jaques Wagner (PT), padrinho de sua candidatura, ao atribuir o problema da violência ao aumento do tráfico e consumo de drogas. Ele prometeu investir na educação em tempo integral como forma de prevenção. “Vamos reforçar o interior com grupamentos aéreos. Vamos tratar os dependentes químicos e aumentando as ofertas de cultura, esporte e lazer para a população,” destacou.

Lídice surpreendeu ao atacar o governo atual, ao qual ela integrou até o final do ano passado. Segundo a socialista, a administração do PT rompeu com o diálogo com os policiais militares e civis. “Quero reiniciar esse diálogo e fazer uma nova política de segurança pública. Não é apenas na ação do policiamento ostensivo e repreensivo. A desigualdade social retroalimenta a violência, por isso precisamos criar uma forte rede social”.
Lídice citou Eduardo Campos (PSB), falecido há 15 dias, para chamar atenção do programa Pacto pela Vida, implantado com sucesso na gestão em Pernambuco.

O número de 37 mil mortos nos últimos anos foi ressaltado por Paulo Souto. “Nós vivemos uma epidemia, um verdadeiro holocausto. Evidente que tem causas remotas e sociais, mas o país aumentou até a renda de sua população nos últimos anos, por isso faltaram, ao governo, instrumentos para coibir a violência”, criticou.

O democrata também lembrou as duas greves da Polícia Militar e Civil. Tadeu da Luz disparou contra o petista e o democrata ao dizer que “nenhum disse como vai fazer”. “Tanto o time do atraso, quanto o time da propaganda, mas a verdade é uma só, são mais do mesmo. Vamos cortar os cargos de indicação política e valorizar o funcionário público, com um programa de elevação da carreira”, mencionou. No segundo bloco, Lídice partiu pra cima novamente do ex-aliado petista. Conforme a candidata, Rui tenta se apoderar de todas as ações e realizações dos governos federal e estadual. Ela ainda creditou a Rui o fiasco nas negociações das greves da Polícia Militar e dos professores.

O petista rebateu, ao dizer que participou da negociação de apenas uma das greves e que se concentrou na construção de projetos e programas importantes para o estado. Em sua réplica, a socialista disse que Rui era considerado “o inimigo número 1 do funcionalismo público”, tendo participado de várias negociações com as categorias. As críticas se intensificaram quando Lídice afirmou que a campanha do PT vendia ilusões. “O que o senhor fez foi levar a falta de diálogo para essas categorias do funcionalismo”.

Em sua tréplica, Rui disse que não participou de nenhuma negociação de janeiro de 2012 até agora. Em seguida, Rui questionou a senadora sobre as ações para o combate à seca. A postulante falou sobre o investimento em um projeto de segurança hídrica “consistente” e não apenas a construção de cisternas.

Em seguida, foi a vez de Souto disparar suas críticas ao governo e ao candidato Rui ao dizer que a situação da saúde era “dramática”. Na sequência, Da Luz, que usou da ironia durante o embate, sugeriu a redução de 32 para 10 secretarias, na máquina estadual. O candidato do PSOL citou o pagamento da URV e a substituição das terceirizações.

Dirigentes cobram ações

O primeiro debate da Band inovou com a apresentação de perguntas de dirigentes de entidades, nas áreas da cultura, da saúde e indústria.

Nesse bloco, Paulo Souto ganhou o direito de rebater a uma crítica de Marcos Mendes, em relação à construção do Hospital Dantas Bião, no município de Alagoinhas, alvo de grande polêmica nos últimos dias entre ele e o petista Rui Costa. Souto disse que reconstruiu o equipamento que estaria “totalmente destruído”. O presidente da OAB, Luiz Viana Queiroz, cobrou melhorias para a situação caótica do Poder Judiciário. Mendes respondeu que havia um “sucateamento” no estado e que era preciso melhorar os salários dos servidores.

O democrata falou da necessidade de mudar a legislação, dando mais agilidade e modernizando à infraestrutura. Na tréplica, o postulante do PSOL disparou: “Na época do carlismo existiam os processos que serviam para barganhar”.Lídice e Rui replicaram a pergunta do presidente da Fieb, Gilberto Farias, sobre como atrair novas empresas. O petista disse que será “um líder político e não um contador que perguntará se tem ou não orçamento”. “Vou criar uma infraestrutura para que o Estado seja competitivo”.

Lídice contrapôs o petista: “Temos que investir na infraestrutura e educação. Não adianta trazermos se a população não tiver condições de assumir os cargos das empresas”, frisou. Eles responderam ao questionamento da dramaturga Aninha Franco, sobre a proposta de a Bahia voltar a ter relevância na área cultural. A socialista citou a valorização do orçamento na área e a criação de novos equipamentos.

Lilian Machado e Osvaldo Lira, Tribuna


Comentários

Os comentários estão fechados.

Notícias Relacionadas