blogo

Cresceu o número de acidentes com motos nas estradas federais. Em duas rodovias próximas a Feira de Santana (BR-116 Norte e Sul), a 100 km de Salvador, mais de duzentas ocorrências foram registradas.
Na BR-116, o aumento este ano foi de 21%. Foram 151 até este mês de agosto, contra 125 ano passado. O número de mortes também já ultrapassou os casos de 2013. Em todo o ano passado foram 11 mortes. Esse ano já são 15. Na BR-324, os acidentes também preocupam. De janeiro a julho deste ano foram 100 acidentes. Em todo o ano de 2013 foram 85.

“A maioria das infrações que nós encontramos em motociclistas são a falta da habilitação e também nós temos a falta do capacete, que eles às vezes não usam. Nós temos também o uso do chinelo, a gente encontra bastante motociclista usando o chinelo”, relata um agente da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Ele ainda afirma que, para evitar acidentes, o condutor deve prestar atenção nas sinalizações, não trafegar pelo acostamento e evitar as ultrapassagens.

Os acidentes envolvendo motos quase sempre acabam fazendo vitimas graves porque os pilotos estão menos protegidos. Giliard Cordeiro é instrutor de autoescola e há três anos se envolveu em um acidente na Avenida de Contorno. Ele relatou que estava pilotando a moto com segurança e que a imprudência de um caminhoneiro causou o acidente. “Como eu estava na minha mão [direção] correta, eu não imaginei que ele entraria na minha frente daquele jeito, ali bruscamente e aí aconteceu”, disse.

Com o número de acidentes, cresce também o número de pedidos do DPVAT. A Bahia é o estado do nordeste com o maior número de pagamentos de indenizações do DPVAT por morte, e o 5º do país. O instrutor de autoescola que sofreu o acidente em Feira de Santana pediu o DPVAT quase um ano após a colisão e recebeu o seguro cerca de dois meses depois da solicitação. Ele recebeu cerca de R$ 3 mil. O seguro é um direito das vítimas ou familiares das pessoas que sofreram um acidente de trânsito e pode ser solicitado até três anos depois do acidente. Informes do G1.



blog

O primeiro debate televisivo entre os candidatos ao governo baiano abriu a fase mais dura da disputa eleitoral, apontando a guerra tática pelo voto nos próximos 35 dias. Os postulantes Lídice da Mata (PSB), Marcos Mendes (PSOL), Paulo Souto (DEM), Rogério Tadeu Da Luz (PRTB) e Rui Costa (PT) sinalizaram no embate realizado pela TV Band Bahia as estratégias para a corrida. Os ataques deram o tom do debate. Logo no primeiro bloco, os candidatos responderam a uma pergunta sobre o que pretendem fazer na área da segurança pública.

O primeiro a responder foi o candidato Marcos Mendes, que criticou o modelo atual de gestão. “São negadas políticas públicas reais para a população. As polícias são braços armados do Exército, vem da época da ditadura. Somos a favor da PEC 300 e da PEC 51, sobre a desmilitarização da polícia”, sugeriu. Rui seguiu a linha de argumento do governador Jaques Wagner (PT), padrinho de sua candidatura, ao atribuir o problema da violência ao aumento do tráfico e consumo de drogas. Ele prometeu investir na educação em tempo integral como forma de prevenção. “Vamos reforçar o interior com grupamentos aéreos. Vamos tratar os dependentes químicos e aumentando as ofertas de cultura, esporte e lazer para a população,” destacou.

Lídice surpreendeu ao atacar o governo atual, ao qual ela integrou até o final do ano passado. Segundo a socialista, a administração do PT rompeu com o diálogo com os policiais militares e civis. “Quero reiniciar esse diálogo e fazer uma nova política de segurança pública. Não é apenas na ação do policiamento ostensivo e repreensivo. A desigualdade social retroalimenta a violência, por isso precisamos criar uma forte rede social”.
Lídice citou Eduardo Campos (PSB), falecido há 15 dias, para chamar atenção do programa Pacto pela Vida, implantado com sucesso na gestão em Pernambuco.

O número de 37 mil mortos nos últimos anos foi ressaltado por Paulo Souto. “Nós vivemos uma epidemia, um verdadeiro holocausto. Evidente que tem causas remotas e sociais, mas o país aumentou até a renda de sua população nos últimos anos, por isso faltaram, ao governo, instrumentos para coibir a violência”, criticou.

O democrata também lembrou as duas greves da Polícia Militar e Civil. Tadeu da Luz disparou contra o petista e o democrata ao dizer que “nenhum disse como vai fazer”. “Tanto o time do atraso, quanto o time da propaganda, mas a verdade é uma só, são mais do mesmo. Vamos cortar os cargos de indicação política e valorizar o funcionário público, com um programa de elevação da carreira”, mencionou. No segundo bloco, Lídice partiu pra cima novamente do ex-aliado petista. Conforme a candidata, Rui tenta se apoderar de todas as ações e realizações dos governos federal e estadual. Ela ainda creditou a Rui o fiasco nas negociações das greves da Polícia Militar e dos professores.

O petista rebateu, ao dizer que participou da negociação de apenas uma das greves e que se concentrou na construção de projetos e programas importantes para o estado. Em sua réplica, a socialista disse que Rui era considerado “o inimigo número 1 do funcionalismo público”, tendo participado de várias negociações com as categorias. As críticas se intensificaram quando Lídice afirmou que a campanha do PT vendia ilusões. “O que o senhor fez foi levar a falta de diálogo para essas categorias do funcionalismo”.

Em sua tréplica, Rui disse que não participou de nenhuma negociação de janeiro de 2012 até agora. Em seguida, Rui questionou a senadora sobre as ações para o combate à seca. A postulante falou sobre o investimento em um projeto de segurança hídrica “consistente” e não apenas a construção de cisternas.

Em seguida, foi a vez de Souto disparar suas críticas ao governo e ao candidato Rui ao dizer que a situação da saúde era “dramática”. Na sequência, Da Luz, que usou da ironia durante o embate, sugeriu a redução de 32 para 10 secretarias, na máquina estadual. O candidato do PSOL citou o pagamento da URV e a substituição das terceirizações.

Dirigentes cobram ações

O primeiro debate da Band inovou com a apresentação de perguntas de dirigentes de entidades, nas áreas da cultura, da saúde e indústria.

Nesse bloco, Paulo Souto ganhou o direito de rebater a uma crítica de Marcos Mendes, em relação à construção do Hospital Dantas Bião, no município de Alagoinhas, alvo de grande polêmica nos últimos dias entre ele e o petista Rui Costa. Souto disse que reconstruiu o equipamento que estaria “totalmente destruído”. O presidente da OAB, Luiz Viana Queiroz, cobrou melhorias para a situação caótica do Poder Judiciário. Mendes respondeu que havia um “sucateamento” no estado e que era preciso melhorar os salários dos servidores.

O democrata falou da necessidade de mudar a legislação, dando mais agilidade e modernizando à infraestrutura. Na tréplica, o postulante do PSOL disparou: “Na época do carlismo existiam os processos que serviam para barganhar”.Lídice e Rui replicaram a pergunta do presidente da Fieb, Gilberto Farias, sobre como atrair novas empresas. O petista disse que será “um líder político e não um contador que perguntará se tem ou não orçamento”. “Vou criar uma infraestrutura para que o Estado seja competitivo”.

Lídice contrapôs o petista: “Temos que investir na infraestrutura e educação. Não adianta trazermos se a população não tiver condições de assumir os cargos das empresas”, frisou. Eles responderam ao questionamento da dramaturga Aninha Franco, sobre a proposta de a Bahia voltar a ter relevância na área cultural. A socialista citou a valorização do orçamento na área e a criação de novos equipamentos.

Lilian Machado e Osvaldo Lira, Tribuna



ImageProxy

Além de intensificar as ações de combate e repressão ao tráfico de drogas, aprofundando o trabalho do atual governo de reaparelhamento e modernização das polícias civil e militar, Rui Costa, candidato a governador pela coligação Pra Bahia Mudar Mais, pretende dar uma prioridade especial à ampliação da base de atendimento médico e psicológico, com novos Centros de Atenção Psicossocial (Caps) nas suas diversas modalidades. “Isto significará colocar à disposição dos pacientes mais leitos em hospitais públicos, implantar novas unidades de acolhimento e desenvolver ações transversais, conjuntas e integradas entre os órgãos governamentais (municipais, estaduais e federais) e com a participação da sociedade civil, pois somente assim poderemos ser eficientes na redução dos sociais, psíquicos e físicos consequentes do uso de drogas, sobretudo o crack”, afirma o candidato.

E acrescenta: “Com a base estruturada pelo governador Jaques Wagner pretendo dotar a Bahia de condições necessárias para assimilar a demanda não só de pacientes com transtornos mentais, mas também a originada pelo aumento do uso de drogas”. Em oito anos, o governo conseguiu posicionar a Bahia 43% acima da média nacional, em relação ao número de CAPS por habitante. “De 88 unidades em 2006, saltamos para 200 em 2013, instaladas em 162 municípios”, registrou o candidato, observando que o crescimento do consumo da droga exige que a rede de atendimento em Saúde seja capaz de tratar os dependentes, dando-lhes perspectivas para resgate da dignidade, reinserção à família e a sociedade, com condições de autonomia e qualidade de vida.

O Caps é um serviço do SUS, que oferece atendimento à população, realizando o acompanhamento clínico e a reinserção social dos pacientes pelo acesso ao trabalho, lazer, exercício dos direitos civis e fortalecimento dos laços familiares e comunitários. A criação do serviço foi um avanço na proposta antimanicomial do país, capaz de oferecer atendimento e cuidados intermediários, entre o regime ambulatorial e a internação hospitalar, com ênfase numa abordagem compreensiva e com suporte educacional, social, de reabilitação psicossocial e reinserção profissional. “Este é um serviço imprescindível, pois dá dignidade de vida às pessoas que necessitam de atenção especial e de seus familiares, daí nossa preocupação em ampliar ao máximo sua base de atendimento”, afirmou Rui.



Foto Blog Itiruçu Online/ Jaílson Reis
Foto Blog Itiruçu Online/ Jaílson Reis

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou na manhã desta quinta-feira (28/08) dados atualizados do número estimado da população do país.  De acordo com esse levantamento, o município de Itiruçu chegou ao quantitativo de 13.336 habitantes. Até o ano de 2008, Itiruçu tinha pela contagem do IBGE pouco mais de 16 mil habitantes. Entre os anos de 2009 a 2011, o município diminuiu para a casa de 12. 693 , o que acabou declinando a receita do FPM- Fundo de Participação dos Municípios, com a diminuição de quase 400 mil reais nos cofres públicos.  A falta de emprego foi a principal causa da diminuição da população, que continua perdendo munícipes para outras cidades e estados.

A prefeitura municipal, na atual gestão do prefeito Wagner Novaes (PSDB), buscou uma melhor avaliação do IBGE na tentativa de buscar elevar a receita do município, mas pela revelação do número de habitantes, divulgada hoje, o município não conseguiu voltar a casa de 1.0 de receita, permanecendo no que caiu: 0.8. Segundo a contagem do IBGE, Itiruçu possui hoje 13.336 mil habitantes. O número mostra um crescimento de 643 moradores em relação ao último censo, mas não atingiu a meta que deveria ser de 13. 585 mil habitantes para recuperar os recursos perdidos.

O município já informou através do setor jurídico, que vai recorrer da contagem do IBGE, segundo a prefeitura, com chances reais de voltar a ter a receita incrementada em 1.0.  a prefeitura ainda afirmou que a recontagem deveria de por obrigação ter sido requerida na gestão passada, época que foi realizado o censo. Clique aqui e confira a lista por município. 



Foto Blog Itiruçu Online.
Joel Câmera, assessor jurídico da APLB. Foto Blog Itiruçu Online.

Aconteceu na manhã desta quinta-feira (28), uma reunião para discussão do Plano de Carreira dos Professores e Servidores da Educação do município de Itiruçu, no que tange o cumprimento do Piso Nacional da Categoria. A reunião contou com a presença de docentes da rede municipal; direção do núcleo da APLB de Itiruçu, representado por Margarete Froes; o advogado da APLB e do assessor jurídico da APLB, Joel Câmara, especialista em Direito Educacional. Nas discussões, os professores trataram sobre a possibilidade de um indicativo de greve, caso dentre 10 dias, a gestão não se manifeste com relação aos gargalos da classe, que inclui ainda, o pagamento do último salário de dezembro do ano de 2012, adicional salarial de cursos e claro, o piso nacional, questão base da classe. Fico agendada um paralisação de advertência para a próxima quarta-feira 03 de setembro.

 De acordo com o advogado e consultor técnico da APLB, Joel Câmera, em entrevista concedida ao Blog Itiruçu Online, o que se espera é uma posição de atenção do governo municipal com relação ao pagamento do piso nacional, já que, segundo ele  (Joel), houve um incremento de receita para ajudar o município a cumprir a Lei do Piso e um acordo feito em reuniões anteriores com a categoria.

-No Brasil, como todos nós sabemos, existe a Lei 11.738, que obrigou os entes da Federação (estados e municípios) a não pagarem nunca menos do que o Piso Salarial nacionalmente unificado por Portaria interministerial. Aqui na microrregião, quase  todos os municípios já estão cumprindo a Lei: Jaguaquara, Jequié, Lafaiete Coutinho, Maracás, Planaltino, Itaquara estão cumprindo com o pagamento do piso nacional, portanto, estão faltando Itiruçu e Lajedo que estamos discutindo o assunto. Aqui em Itiruçu,  tivemos uma reunião com o prefeito no dia 12 de Junho, em que aconteceu a abertura da Copa do Mundo, onde discutimos o reajuste de 8.32%, que é o índice dado pelo Ministério da Educação. O gestor mostrou as dificuldades, assegurando que ele estava impedido de conceder esse reajuste por conta do índice geral de pessoal, o que foi rechaçado com veemência, pois no Brasil não devemos obediência a Hierarquias de Leis, ou seja, nós não adotamos essa hierarquia, pois ambas foram feitas para serem cumpridas. Logo ele tem três legislações que obrigatoriamente deve cumprir: uma é a Lei complementar 101, que chamamos de Lei de Responsabilidade Fiscal; a outra é a Lei 11.494 que diz que obrigatoriamente deve cumprir nunca menos que 60% da receita do FUNDEB, destinadamente  para pagamento de salários da educação, e a outra, é 11.738,  que o obriga a instituir Piso Salarial para os professores, ocorre que, este piso não é pessoal, mas um piso da carreira do magistério, ou seja, a rede municipal de ensino, obrigatoriamente deve ter como base um vencimento nunca inferior ao estabelecido ao piso nacional. Então, nós fechamos um acordo que: a prefeitura no segundo semestre, no mês de julho, já estaríamos transicionando e  fecharíamos um acordo para reajustar o piso salarial dos educadores. Também no mês de julho, nós (APLB) procuramos a prefeitura por diversas vezes, via ofício, telefonemas e com a presença física, tentando buscar uma reunião que foi prometida pela prefeitura para que no segundo semestre não tivéssemos problemas em reajustar o salário. A prefeitura até o momento não deu respostas nem posição, e o silêncio da gestão é que tem incomodando os educadores. O reajuste seria no mês de Janeiro, já estamos praticamente em Setembro, e até agora nenhuma sinalização da prefeitura. Por isso, os educadores decidiram em assembleia que na quarta-feira 03 de setembro farão uma paralisação de advertência, e se não for atendida com as reivindicações para o cumprimento do que determina a Lei, se até o dia 03 nada haver de indicação para o pagamento do piso, estará decretada greve por tempo indeterminado- sentenciou Joel Câmera.



Fonte: Zenilton Meira
Fonte: Zenilton Meira

Estão em pleno vapor as obras de pavimentação asfáltica realizada pela Conder em Jequié. Nesta etapa já foram pavimentadas as ruas do Alto da Balança e prossegue pela Avenida Arthur Moraes no Jequiezinho. Hoje, está sendo realizado os serviço na área da feirinha do Jequiezinho. O transito fluir normalmente em alguma destas vias, percebemos que é necessário que os pedestres tenham atenção no cruzamento destas áreas devido a velocidade desenvolvida pelos veículos.



blog

Os trabalhos de perícia realizados no local do acidente que envolveu um caminhão-baú, uma ambulância e uma motocicleta, na tarde desta quarta-feira (27), identificaram mais uma vítima morta na BR-101, nas proximidades de Muritiba, município a 120 km de Salvador. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), além das três pessoas achadas carbonizadas dentro da ambulância, uma quarta pessoa também foi encontrada no veículo com o corpo totalmente queimado.

De acordo com Carlos Santos, inspetor da Polícia Rodoviária Federal (PRF), que estava no local do acidente, o corpo foi localizado no fim da noite. A identificação foi dificultada devido ao estado crítico em que os corpos ficaram após o incêndio que tomou conta da ambulância. A quarta vítima ainda não foi identificada. Além da quarta pessoa encontrada na noite desta segunda-feira, a polícia já havia encontrado os corpos do motorista, paciente transportado e acompanhante. (G1).



15043651985_e227ba5ac6_z

A candidata a governadora da Bahia Lídice da Mata, do PSB, anunciou como prioridade para o início de seu governo o estabelecimento do diálogo com os policiais civis e militares para pactuar uma atuação unificada das duas corporações. Em entrevista à Rádio Sucesso, de Camaçari, nesta última quarta-feira (27), a candidata destacou que a crise na relação entre o atual governador e os policiais – resultado de duas greves – deve ser resolvida logo no início do novo governo para que seu projeto de segurança pública tenha sucesso.

“Precisamos construir uma política de segurança de proteção ao cidadão, mas essa transformação só será feita se tivermos um policial valorizado, que trabalhe ao nosso lado. São os policiais que executarão nossa política de segurança pública e eles precisam estar comprometidos com o que planejamos”, disse. Lídice garantiu que os policiais vão participar da elaboração do projeto de segurança pública do novo governo. Ela salientou que diversos grupos de dentro da Polícia Militar e da Polícia Civil já a procuraram defendendo propostas que unifiquem as ações das duas corporações e o planejamento da segurança pública. “Dentro da própria polícia surge hoje movimentos importantes que pregam sua modernização, a união entre as polícias civil e militar. Não saiu da cabeça de nenhum deputado, mas das cabeças pensantes dos policiais. Aqui, no diálogo, vamos integrar as ações das duas polícias de acordo com um planejamento único”, afirmou.

Ação Social – A candidata socialista reafirmou sua proposta de implantar na Bahia o modelo de Pacto Pela vida que deu certo em Pernambuco, onde os índices de violência caíram 35% durante a administração do ex-governador Eduardo Campos. Explicou que a proposta, além de trabalhar com planejamento, inteligência e foco na redução dos crimes contra a vida, terá também contará com as ações de uma rede de proteção social. “Hoje, 80% dos crimes contra a vida atingem homens negros entre 17 e 27 anos, moradores das periferias. É um segmento de população vulnerável, que está fora da escola e sem emprego, torna-se mão de obra para o crime, vira vítima e autor da violência”, diagnosticou. Para retirar desta população a possibilidade de adesão ao crime, a candidata disse que o caminho não será unicamente a repressão policial, mas o oferecimento de novas perspectivas de vida para essas pessoas.

“Se a polícia está em uma rua, a pessoa que sai com o desejo de praticar um crime no máximo muda de endereço, vai para onde não tem policial. Temos que conquistar a juventude para afastá-la da possibilidade do desejo de praticar o crime, oferecendo uma alternativa viável, possível, próxima a ela, de uma vida diferente, que faça frente ao encantamento que o dinheiro fácil e rápido da criminalidade lhe dá”, argumentou a candidata. Para proteger a juventude, Lídice propõe construir na Bahia a maior rede do país de escolas de tempo integral. Para retirar as crianças e adolescentes que moram nas ruas ou estão em condição direta de submissão ao tráfico de drogas, a educação formal será acompanhada das ações do “Bahia, Terra Mãe”, programa social inspirado no Cidade Mãe, criado por ela quando foi prefeita de Salvador, que fará inclusão social com profissionalização e cidadania.



996149_546393292155709_807245431760340930_n

Realizado no ultimo dia 17 deste mês de agosto, na cidade de Salvador-Ba, o campeonato Baiano de Karatê etapa adulto, as modalidades Kata e kumitê. A cidade de Itiruçu foi bem representada pela academia União Desportiva Kankudai. Os atletas tiveram ótima performance. Dos 07 atletas que competiram, 06 medalhas foram conquistadas: Francisco Paulo Amaral Junior, ouro em kumitê; Cássio Souza Mascarenhas, ouro em kumitê e prata em kata; Elivânia Gomes Santiago, prata em kumitê; Jonisvaldo Souza de Sena, prata em kumitê e Alan Luiz da Silva, bronze em kumitê foram os que conseguiram medalhas. Duas medalhas de ouro, três pratas e um bronze no total.

 10547576_528558973943919_2990883010089564527_n

Atletas são treinados pelo professor,  Raimundo Silva,  de camisa azul na foto.  

A equipe foi formada pelos atletas Charlisson Rodrigo (Faixa Marrom), Anderson Ezequiel da Paixão (Faixa preta 3º Dan), José Pereira Teixeira (Faixa Preta 1º Dan), Antônio Lucas Oliveira Santos (Faixa marrom), e Emanuel de Lima Rocha (Faixa Preta 2º Dan), sendo que os três primeiros atletas membros da equipe, são residentes da cidade Guanambi-BA.  Todos com grande empenho durante o período de treinamento fizeram uma belíssima atuação durante toda competição, e mostraram na capital que no interior existem atletas tão brilhantes e dotados de capacidade quanto os atletas que representam o nome da capital.

15672_318180988342124_5636150160022437313_n

 O jovem Cássio Mascarenhas, de 21 anos, do Entroncamento de Jaguaquara, foi outro destaque na competição. Ele conquistou uma medalha de Prata em Kata e uma de Ouro em Kumitê.



0fa98805c88c67def4325a182ec80a230a0c12f5

Novidade nas eleições à Presidência da República, Marina Silva (PSB) enfrentou seu mais duro momento nesta quarta-feira desde que entrou na disputa, após a morte de Eduardo Campos num acidente aéreo, no dia 13 de agosto. Entrevistada na bancada do Jornal Nacional, Marina não conseguiu explicar o empréstimo do jato usado por Campos durante a campanha – a polícia se a aeronave foi comprada com dinheiro de caixa dois empresarial ou do PSB.

As quatro primeiras perguntas foram dedicadas ao tema, o que deixou a candidata visivelmente incomodada. Pressionada, Marina tentou dar uma nova roupagem à nota vazia divulgada nesta semana pelo PSB, segundo a qual o avião foi emprestado por empresários para a campanha e o pagamento pelo uso seria feito mais tarde. “Nós tínhamos a informação de que era um empréstimo, cujo ressarcimento seria feito no prazo legal, o que, segundo a Justiça Eleitoral, pode ser feito até encerramento da campanha”, disse a ex-senadora.

Oficialmente, o jato Cessna Citation 560XL estava no nome do grupo AF Andrade, cujos proprietários negavam relação com Campos. “A aeronave de prefixo PR-AFA, em cujo acidente faleceu seu presidente, Eduardo Henrique Aciolly Campos, nosso candidato à Presidência da República, teve seu uso — de conhecimento público – autorizado pelos empresários João Carlos Lyra Pessoa de Mello Filho e Apolo Santana Vieira”, afirmou Roberto Amaral, presidente nacional do PSB. De forma evasiva, Marina disse ainda não ter conhecimento de nenhuma ilegalidade sobre aos proprietários e defendeu a investigação que está sendo conduzida pela PF. “Nosso interesse e determinação é que as investigações sejam feitas com todo rigor para que não se cometa injustiça com a memória de Eduardo.” Continue lendo.